Pais separados, crianças protegidas?

Pais divorciadosA separação e o divórcio são acontecimentos hoje em dia comuns na nossa sociedade. Se para os adultos é difícil lidarem com o fim de uma relação que se acreditou ser para a vida, para as crianças, fruto dessas relações, nem sempre é mais fácil.

Para muitas crianças a separação dos pais é vivida de forma tranquila e natural. Muitos pais, optam pela separação em relação ao seu companheiro e decidem por fim a uma vida em comum, no entanto, têm o cuidado de nunca se separarem dos seus filhos. Se é certo que deixarem de viver na mesma casa pode constituir algo de difícil para as crianças, estas têm a capacidade de se adaptarem e de serem muito felizes, se os pais tiverem certos cuidados e evitarem determinados comportamentos que possam vir a afetar as crianças e de deixar marcas por vezes difíceis de reparar. Embora muitos pais tentem esconder a realidade aos seus filhos no sentido de os protegerem, esta não será a melhor forma de agir. Manter a criança ao corrente dos acontecimentos é essencial. Deve-se conversar com a criança sobre a separação, de acordo com o estádio de desenvolvimento em que ela se encontra, tendo o cuidado de lhe explicar que o amor dos pais por ela é inalterável. É fundamental que a criança entenda que o amor dos pais não será posto em causa com o divórcio, que poderá sempre gostar dos dois e que, sobretudo, não terá de fazer escolhas.

pais separadosÉ também muito importante retirar o sentimento de culpa que algumas crianças sentem pela separação dos pais, uma vez mais através de um diálogo adequado. É fundamental também que a criança possa ter a possibilidade de falar com os pais (ou outros) e expressar a sua opinião. Dizer o que pensa e sente pode ajudar a que os adultos compreendam melhor  e lidem mais facilmente com eventuais consequências que a criança possa apresentar, por exemplo a nível comportamental. Embora o diálogo entre pais e filhos seja importante, devem ser respeitadas algumas regras. Não é bom interrogar a criança sobre o tempo que passa com o outro progenitor, pois estas perguntas podem leva-la a escolher ficar em silêncio, com receio de interferir numa relação por vezes muito sensível. É altamente desaconselhável enviar recados para o pai ou para a mãe, através da criança, para evitar aspetos de manipulação que acabam sempre por gerar conflitos entre os pais. Os recados devem ser dados um ao outro diretamente, devendo a bem de todos, tentar manter um diálogo tranquilo e civilizado, pelo menos sobre os assuntos que dizem respeito aos filhos. Se tal não for possível, é preferível enviarem mensagens por escrito e não pedir aos filhos para darem recados porque as crianças ao passarem a mensagem acabam por ouvir muitas vezes críticas ao outro progenitor e que não lhes vão fazer bem.

divórcio e separaçãoÀ semelhança de todas as outras crianças, é fundamental que se estabeleçam regras e rotinas, de modo a que possam por exemplo, ser mantidos os horários das refeições, de dormir e de acordar, de modo a permitir à criança, ter uma noção de que a sua vida se mantém o mais possível dentro da normalidade. A consistência entre regras e limites estabelecidos quer pelo pai como pela mãe, é essencial para a manutenção da estabilidade e do bem-estar da criança e da família. Se o reforço é comprovadamente eficaz para que os bons comportamentos ocorram, deverão ser evitadas as recompensas materiais. O que a criança mais quer é a atenção e o mimo dos pais. Tempo de qualidade passado em atividades em família, em que cada um dos pais se envolva com as suas crianças de modo a partilharem gostos e afetos, será certamente a melhor forma de recompensar a obediência ou um bom desempenho da criança.

Pais separadosO modo como será preenchido o tempo livre com cada um dos pais, deverá ser escolhido, sempre que possível, em conjunto com a criança. Deverá ser dada prioridade a atividades de exterior que impliquem a interação entre os pais e os filhos (ex. jogar à bola, andar de bicicleta, passear no campo ou na praia, ir ao teatro, visitar jardins, visitar outros espaços culturais, ou em casa, contar histórias, desenhar, jogar jogos de tabuleiro, fazer construções, etc.). Deve evitar-se que a criança fique muito tempo sozinha a ver televisão ou dedicada a jogos eletrónicos, o que pode levar a que o contacto e as interações com os pais sejam reduzidas e pouco gratificantes. O objetivo da escolha conjunta de atividades é que estas correspondam aos interesses da criança mas também dos pais para que estes momentos tão importantes possam proporcionar  a ambos momentos felizes e compensadores.

Responsabilidade parentalPor muito que possa ser difícil a sua relação com o seu ex-companheiro ou ex-companheira, nunca deixe de pensar que em primeiro lugar está o seu filho. Os adultos têm mais recursos para lidarem com as adversidades da vida e têm maior capacidade de refletir e de compreender, o impacto que algumas mudanças podem ter na vida das crianças. Assim, podem fazer um esforço conjunto no sentido de poupar as crianças a discussões, manipulações e trocas de acusações, que não levam a nada a não ser à infelicidade dos mais pequenos. Quando tudo isto parece impossível, quando não consegue conviver com as dificuldades da separação e de um relacionamento quebrado, então peça ajuda, não se force a enfrentar tudo sozinho/a. O Psicólogo poderá ajudar!

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s