Em defesa do toque

Faz parte dos comportamentos adequados para a prevenção da contaminação com o vírus da COVID-19, a etiqueta respiratória e o distanciamento social. Este distanciamento implica que fomos obrigados a deixar hábitos em nós enraizados, como é o caso do beijo, do abraço ou do aperto de mão.

Em tempos de pandemia, o modo de cumprimentar mudou de forma radical. O toque deixou de existir. Beijinhos, apertos de mão, palmadinhas nas costas e abraços foram eliminados aos nossos gestos diários e habituais. Em vez disso e a bem de todos, foram inseridos outros gestos como os toques de pé, de cotovelo ou até as vénias. O sorriso, outro gesto quase automático e revelador de agrado por ver o outro, está agora escondido por detrás de máscaras, mais ou menos personalizadas e por vezes até, a combinar com as roupas mas que inevitavelmente escondem o que algumas pessoas têm de melhor para dar aos outros.

Proponho-me defender o aperto de mão. Se por um lado, o beijo e o abraço implicam uma proximidade bastante evidente com todo o risco associado e sobejamente conhecido nos dias que correm e por razões mais que justificadas, o aperto de mão a meu ver, é um pouco diferente. O contacto com quaisquer superfícies ou objetos através do toque com as mãos é inevitável nas mais diversas situações do dia-a-dia. Temos que abrir e fechar portas de casas, prédios, lojas, automóveis… Apoiamo-nos em corrimãos, tocamos botões de elevadores… Nas lojas, mexemos em diversos artigos, damos e aceitamos cartões de pagamento ou dinheiro em papel ou moedas. No supermercado, seguramos cestos e empurramos carrinhos de compras com as mãos. Enfim, estes são alguns exemplos de gestos do quotidiano, potencialmente arriscados no que diz respeito à contaminação.

É claro que todos os gestos anteriormente referidos deverão ser seguidos de uma eficaz lavagem das mãos ou da desinfeção das mesmas com o produto próprio para o efeito. Da mesma forma, defendo que o toque/aperto de mão poderia estar incluído em algumas situações das nossas vidas, nomeadamente no contacto com os mais significativos. Apertar a mão a alguém, implica o toque mas ao mesmo tempo, o comprimento de dois braços estendidos permite um distanciamento relativo e não menor que o do toque de cotovelos. Por outro lado, após esse toque, as mãos podem ser desinfetadas por ambos os intervenientes, sendo o risco de contaminação idêntico àquele que se corre por tocar em qualquer uma das superfícies acima mencionadas. E a questão que surge poderá ser “que jeito tem estar a apertar a mão a alguém e depois desinfetar logo de seguida? Até pode parecer mal…” A esta altura da situação de pandemia já todos estão sobejamente informados acerca dos riscos de contaminação e poderão compreender e aceitar esses cuidados.

Permito-me agora falar um pouco acerca da importância do toque. O ato de tocar é um comportamento que pode conter alguns elementos fundamentais para o desenvolvimento do ser humano, proporcionando bem-estar físico, emocional e social. Tocar é uma forma de comunicação não-verbal muito importante nas relações humanas. Estudos científicos revelam que o toque tem um poder terapêutico e muitas vezes, segurar a mão de alguém fornece o conforto e a segurança necessárias para enfrentar, por exemplo, tratamentos invasivos em situação de doença fisiológica.

Em contexto de consulta de psicologia, o toque por vezes pode ser muito eficaz, embora hajam algumas correntes que não o recomendem. No entanto, com os devidos limites, tocar o braço ou a mão de alguém pode ser muito tranquilizador e adaptativo em situações de desorganização emocional, por exemplo. O toque pode transmitir conforto, segurança, empatia, compreensão, enfim, um sem número de sentimentos positivos. O toque pode significar afeto. Tanto os bebés como os mais velhos são particularmente sensíveis ao toque, sendo este para eles, uma forma de sentirem apoio, proteção, aconchego e bem-estar.

Depois de um longo período de confinamento, de se estar separado de alguns familiares e amigos tão importantes nas nossas vidas, é por vezes muito doloroso e estranho não os poder tocar no momento do reencontro. Devo uma vez mais deixar bem claro que as recomendações veiculadas pela Direção Geral de Saúde são extremamente importantes e que devem ser seguidas, porém, defendo que o toque no braço ou o aperto de mão, pode em alguns casos ser muito mais terapêutico do que perigoso, devendo é claro ser feito com cuidado e principalmente seguido da desinfeção das mãos. E esta desinfeção das mãos não tem que ser um problema, principalmente se for previamente “combinado” entre os intervenientes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s