Socorro, sou um adolescente!

Ao atingir a puberdade, as crianças experienciam grandes e rápidas mudanças físicas, emocionais e sexuais, sobre as quais não têm controlo. Estas mudanças requerem uma adaptação e uma compreensão das mesmas, sendo por vezes difícil ao adolescente lidar com o seu corpo e com os seus pensamentos, o que pode conduzi-lo a sentimentos de ansiedade mas também ao isolamento social.

Perante algumas questões como “será normal a minha aparência’” ou “o que é que os outros pensam de mim?”, o adolescente toma consciência de si mesmo mas também pode sentir alguma angústia, pela inevitabilidade das mudanças com as quais está a ter que lidar, sem que muitas vezes esteja preparado para tal. Por vezes, a segurança e as certezas da infância parecem desaparecer, dando lugar á incerteza e à ansiedade. Estes sentimentos são normativos, desde que o jovem consiga manter a sua funcionalidade a aos poucos, adaptar-se a um novo corpo, a um novo modo de estar e de se sentir. Porém, alguns adolescentes, pelas suas características, demoram mais tempo a fazer essa adaptação, com custos elevados no seu bem-estar pessoal, familiar e relacional.

A adolescência pressupõe uma “montanha russa” de emoções, que oscilam entre a alegria ou o entusiasmo e a tristeza ou o desespero. Crescer é difícil e emocionalmente exigente, e por vezes os sentimentos de confiança e independência dão subitamente lugar ao medo e à insegurança. Durante a adolescência, os jovens desenvolvem-se emocionalmente através de uma importante mudança no modo como se vêm a si mesmos e como compreendem a sua identidade. Procuram identificar-se com diferentes estilos de vida, modos de vestir e de se comportar, mas o autoconhecimento e a sua afirmação enquanto indivíduos, é geralmente um processo lento, stressante e doloroso.

Em termos relacionais, na adolescência os pares assumem uma importância maior, perturbando por vezes a relação do jovem com a família. Se por um lado a relação com os amigos é importante pela lealdade e amizade intensa que está implícita, bem como pela partilha e pela possibilidade de se expressarem, por outro lado, os jovens passam a aceitar dos pais uma menor influência nas suas decisões, podendo criar conflitos, com maior ou menor gravidade. No entanto, á medida que o tempo passa, o jovem vai descobrindo sua própria identidade e o seu lugar no mundo. Na maioria das vezes, ao entrarem na idade adulta, as tensões e os conflitos de gerações tendem a dissipar-se e a família volta a assumir uma importância de maior relevo na vida do jovem adulto.

O que podem os pais fazer no sentido de ajudar os seus filhos a ultrapassarem esta fase de crescimento, e ao mesmo tempo se regularem a si mesmos perante situações de conflito geracional? Esta é uma questão que muitos pais colocam com grande pertinência, uma vez que com o passar do tempo, os adultos podem ficar um pouco esquecidos e “desatualizados” acerca das tendências das novas gerações. Em primeiro lugar, perante um comportamento que possa parecer algo desadequado, é importante que os pais possam dar um passo atrás e refletir acerca do que foi a sua própria adolescência e de como se comportavam, perante determinados desafios, bem como na forma como se relacionavam com os seus próprios pais. A tolerância é a palavra-chave. Racionalizar e analisar que comportamentos podemos admitir, por serem inócuos e não constituírem perigo ou ameaça, quer à integridade dos jovens, quer ao sistema de valores da família e da sociedade, pode ser um caminho.

Por outro lado, há que estabelecer e fazer cumprir limites, o que de resto, deve já ser um hábito que vem da infância. Por vezes os pais têm sentimentos ambíguos, no que diz respeito às regras a estabelecer nesta fase da vida dos seus filhos. No entanto, estas são fundamentais tanto para a harmonia familiar como para a estruturação da personalidade do jovem. As imposições dos pais por vezes causam revolta e rebeldia nos adolescentes, que podem responder com indiferença ou revolta. Quebrar regras faz parte também do processo de desenvolvimento, porém, como em tudo na vida, o difícil é encontrar o equilíbrio entre sermos pais intransigentes ou pais negligentes. Para isso há que ajudar os jovens a entenderem o porquê de determinada regra e a razão para certos limites. É importante que os pais deixem bem claros os seus valores e até onde é que estão dispostos a serem flexíveis, assim como informarem os filhos, acerca do que para os si é inaceitável.

É bom ter em atenção outros fatores que podem coincidir com o período de adolescência dos filhos, como por exemplo uma separação ou divórcio, um novo relacionamento de um dos pais ou de ambos, o aparecimento de novos irmãos, ou situações como a mudança de casa, de cidade ou de país. Também podem ser relevantes outros acontecimentos como a mudança de emprego ou a reforma dos pais. Estas são situações comuns e que não têm necessariamente que ser um problema, mas podem potenciar algum nível de conflito ou de dificuldade de adaptação dos jovens, num momento do seu desenvolvimento em que estão naturalmente mais vulneráveis. Todos estes exemplos, por si só são potenciadores de ansiedade e de alguma instabilidade familiar, pelo que para os adolescentes, podem-se tornar mais difíceis de ultrapassar e ser necessária uma ajuda extra.

Outro assunto que surge com a entrada na adolescência é o sexo. Se para a maioria dos jovens é praticamente impossível conceberem que os pais possam ter uma vida sexualmente ativa, também para os pais pode não ser fácil de aceitar a eminência da iniciação sexual dos seus filhos. Porém, será certamente benéfico que os jovens estejam informados, no sentido de evitarem situações de risco. Assim, aos pais pode caber o papel de educadores a este nível, falando abertamente com os seus filhos adolescentes, sem tabus mas com respeito, mostrando abertura para o esclarecimento de dúvidas e o debate de ideias. Temas como a homossexualidade, a contraceção, as doenças sexualmente transmissíveis e também os sentimentos e emoções, entre outros, poderão ser debatidos em família, com maior ou menor intimidade, consoante o tipo constelação e relacionamento interpessoal familiar. Deste modo, os jovens poderão sentir-se mais confiantes e mais preparados para fazerem as suas escolhas.

Seja tolerante e principalmente atento ao seu filho adolescente. Embora ele possa achar que não, ele precisa de si, e do “porto seguro” que os pais e a família representam na sua vida!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s