Chegou a época dos testes! Vou ter exame, ai agora…

O medo e a ansiedade são naturais ao ser humano, desempenhando um papel muito importante no comportamento e na sobrevivência. É porque temos medo que nos protegemos e nos defendemos dos perigos que percecionamos. No entanto, medo em excesso pode interferir de forma muito negativa na nossa vida, uma vez que nos pode comprometer a nossa funcionalidade.

 Em contexto escolar, a ansiedade dos alunos perante a perspetiva de um teste é um fenómeno particularmente difícil. A ansiedade gerada pela avaliação, ou seja, a ansiedade de desempenho, principalmente em contexto formal, como é o caso de testes e exames, ou até mesmo informal, como a leitura de uma poesia em família, é sempre mais ou menos perturbadora. Ser avaliado corresponde a uma situação complexa que reúne várias dimensões (cognitiva, emocional, fisiológica e comportamental). Em termos teóricos, a ansiedade de desempenho face a um teste pode assumir duas formas distintas: como traço ou como estado. Enquanto traço, a ansiedade corresponde a uma predisposição psicológica para reagir com o mesmo nível de ansiedade (alto ou baixo) a um conjunto indiscriminado de situações. Enquanto estado (ou sobrecarga) a ansiedade acontece em situações esporádicas, como um exame particularmente difícil ou para o qual o aluno não se sente devidamente preparado.

Continue a ler “Chegou a época dos testes! Vou ter exame, ai agora…”

Luto antecipatório, quando a morte é eminente

Na ideia de morte está implícita a perda e a irreversibilidade. É sempre difícil lidar com as perdas, ainda que isso possa ser o sinónimo de paz e libertação. Lidar com a perda implica um processo de luto, mais ou menos complexo, mais ou menos doloroso, consoante as características do indivíduo enlutado e as circunstâncias da perda.

As sociedades ocidentais têm por norma uma visão da morte um pouco redutora. Temos tendência a evitar o assunto, arranjamos eufemismos para não pronunciar a palavra morte ou morreu. Em vez disso escolhemos dizer partiu ou desapareceu, no intuito de aligeirar algo que traz consigo dor, drama e por vezes uma enorme dificuldade de aceitação. De facto há mortes trágicas, dolorosas e inesperadas, outras contra natura, essas talvez as mais difíceis de aceitar e com processos de luto mais difíceis e sofridos. Mas a morte pode também ser o caminho para a paz, o alívio e a libertação.

A morte encerra em si um ciclo, uma vida. Os sobreviventes tendem a dar-lhe significado, os crentes tendem a acreditar que a morte não é o fim. Talvez esta seja uma perspetiva mais tranquilizadora, e bem-aventurados sejam aqueles que acreditam na vida eterna. As crenças religiosas e de reencarnação, podem ser muito úteis também para ajudar a lidar com a perda e a tornar menos penoso o processo de luto. Porém, seja como for, a morte trás sempre a falta da pessoa e da vida como a ela nos habituamos, e a perda de alguém que nos é querido dói sempre.

Nos casos em que a pessoa está muito doente, debilitada e que não tem já possibilidade de cura ou recuperação, assim como no caso de pessoas muito idosas, cujas capacidades foram sendo perdidas gradualmente, e que o gosto pela vida deu já lugar ao sofrimento e à súplica por morrer, a morte pode vir em forma de libertação e alívio. Os mais próximos, doridos pelo tormento de alguém que amam, e a quem pouco podem fazer, iniciam um processo complexo de luto antecipatório, desejando por vezes que o seu ente querido não viva o dia seguinte. No entanto, este é um processo de uma ambiguidade também ela dolorosa.

Este luto antecipatório ocorre antes da perda, ou seja, quando a morte é já eminente mas ainda não aconteceu. É um processo em que o enlutado não antecipa apenas a perda da pessoa que lhe é querida mas também perdas passadas e atuais. É no confronto com a falta dessa pessoa, tal como ela era antes, nos seus papéis, qualidade da relação, identidade pessoal, etc., que a pessoa em luto experiencia, ainda no período terminal, sentimentos de ausência, solidão e perda. É a ingrata dor que se vai sentindo e que, no momento da morte, recomeça como se não tivesse existido um período prévio de luto.

O “deixar partir” não significa quebrar o vínculo ou desinvestir na qualidade de vida e nos cuidados ao doente A antecipação da perda pode também servir como uma oportunidade para resolver alguns aspetos que possam ter ficado pendentes ao longo da relação, para fortalecer os laços com a pessoa que está a morrer, para dizer algo que nunca foi dito antes, como o quanto a ama, o quanto com ela aprendeu, o quanto sentirá a sua falta ou que nunca a esquecerá. Assim mesmo, o luto antecipatório deve ser visto como um complexo processo individual, com tudo o que de verdadeiro e seguro existe para cada pessoa e para cada relação. É um processo que encerra em si toda uma história de vida, de relação e que culmina na antecipação de dilemas, pensamentos e emoções.

Que a morte pode ser serena, tranquila e libertadora de um martírio, não afasta o pesar da perda aos que são mais próximos. O tempo, esse pode ser o grande aliado, que com o seu passar vai mitigando a tristeza e a dor, transformando-a em paz, quietude e equilíbrio. As memórias, essas ficarão para sempre, para nos aquecerem a alma.

Prevenção do bullying

Ensinar às crianças a lidar com o bullying é importante para toda a vida e pode mudar o seu futuro, uma vez que potencia uma vida mais tranquila, segura e feliz. A autoestima, o respeito mútuo, as necessidades sociais e os direitos fundamentais estão na base do desenvolvimento de ferramentas promotoras da compaixão e do reconhecimento.

O bullying é um fenómeno complexo uma vez que integra em si uma variedade de “motivos” que vão desde a aparência, o modo de vestir, as características físicas ou de personalidade, hábitos, modos de estar, enfim, uma diversidade de razões pelas quais o agressores agem contra as vítimas. É importante salientar que no bullying podemos encontrar agressores, vítimas e testemunhas, sendo que todas elas precisam de ajuda. Os pais são elementos fundamentais nos processos de bullying uma vez que devem estar atentos aos seus filhos de modo a poderem ajuda-los, reconhecendo a situação e não permitir que o seu filho continue a ser vítima de abuso, mas também monitorizando-se para que não sejam eles próprios promotores de comportamentos de bullying por parte dos seus filhos.

Continue a ler “Prevenção do bullying”

Branden e os seis pilares da autoestima

A autoestima é como o nome inica, a estima pelo próprio. Pode definir-se como a consciência do nosso valor e está relacionada com a ideia que fazemos de nós mesmos e do quanto nos respeitamos enquanto indivíduos.

O psicoterapeuta norte-americano Nathaniel Branden, reconhecido pelos seus trabalhos sobre autoestima, defende que esta está diretamente associada a características como racionalidade, realismo, intuição, independência, flexibilidade, capacidade de adaptação à mudança, disponibilidade para reconhecer e corrigir os próprios erros, bem como com benevolência e cooperação. Para este autor, a baixa autoestima está fortemente relacionada com irracionalidade, rigidez de pensamento, falta de abertura à experiência, conformismo, submissão e medo ou sentimentos de hostilidade em relação aos outros. A pessoa com baixa autoestima estará potencialmente mais suscetível a esquecer-se de quem realmente é, a desenvolver relacionamentos com os outros menos satisfatórios, com maiores dificuldades de comunicação e sentimentos de inferioridade.

Branden defende que a autoestima é consequência de atitudes geradas internamente, e propõe que o desenvolvimento de algumas atitudes, possa aumenta-la. Assim, determina aquilo a que chamou os “seis pilares da autoestima”, que todas as pessoas deveriam desenvolver. O primeiro pilar é a consciência, ou seja, a importância de termos consciência daquilo que está subjacente aos nossos comportamentos. Quanto maior for a nossa consciência, entendida como um recurso de sobrevivência, melhor será a nossa relação com a vida. O segundo pilar da autoestima é a aceitação de nós próprios. Sem autoaceitação, a autoestima não é possível Aceitarmo-nos e valorizarmo-nos significa respeitarmo-nos e permitirmo-nos ser. O terceiro pilar tem a ver com a responsabilidade. Sermos responsáveis pela concretização dos nossos desejos, pelas nossas escolhas, pelo nível de consciência com que agimos e vivemos os nossos relacionamentos, pelo nosso comportamento com os outros, pela forma como comunicamos, por aceitarmos e escolhermos os valores pelos quais nos regemos.

O quarto pilar da autoestima é, segundo Branden, a autoafirmação, ou seja, a disposição para honrar os meus desejos e as minhas necessidades. Sem autoafirmação agimos como meros expectadores e não participantes. É necessário sermos atores das nossas próprias vidas. O quinto pilar refere-se à intencionalidade, à atenção necessária para estabelecermos objetivos realistas e produtivos. Viver de forma intencional é assumirmos as nossas escolhas com responsabilidade e de forma consciente. Para vivermos de forma intencional e produtiva, segundo Branden, é necessário desenvolver dentro de nós a autodisciplina, que é uma virtude de sobrevivência. Por fim, o sexto pilar é o da integridade pessoal. Corresponde à integração dos ideais, das convicções, dos critérios, das crenças e dos comportamentos. A integridade é a congruência dos nossos atos, dos nossos valores, compromissos e prioridades. É ter consciência e, responsabilidade, sermos íntegros connosco mesmos, admitindo os nossos erros sem culpar os outros, compreendendo, corrigindo e reparando os danos causados, com o compromisso intencional de agir diferente, de agir melhor.

De referir ainda a ideia veiculada por Branden de que quanto maior for a nossa autoestima, maior será o respeito, a benevolência e a boa vontade com que tratamos os outros, pois não os percebemos como ameaça. O autor pressupõe ainda que se não nos sentirmos capazes de ser amados, dificilmente acreditamos que alguém nos possa amar. A autoestima é fundamental para a saúde psicológica, realização, felicidade pessoal e estabelecimento e manutenção de relacionamentos positivos. No mundo caótico e competitivo de hoje, a autoestima é a base para o nosso poder pessoal, familiar, relacional e profissional.

Fonte: Branden, N. (2002). Autoestima e os seus seis pilares. 7ª Ed. São Paulo: Saraiva.

Praticar a empatia

As relações pessoais são essenciais ao ser humano. Com elas podem vir as maiores alegrias, aprendizagens e partilhas. No entanto, muitas vezes são também fonte de discórdia, tensão, mágoas ou sentimentos de incompreensão. A empatia permite-nos colocar no lugar do outro e melhorar significativamente as relações, as interações e a nossa própria satisfação com os outros e com a vida.

A empatia é a capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, de “calçar os seus sapatos” e o perceber emocionalmente, com o objetivo de estabelecer uma ligação profunda e verdadeira. É a capacidade de nos identificarmos com alguém e partilhar os seus sentimentos e motivações. Só consegue ser empático aquele que desenvolveu a sua inteligência emocional e que, por isso, tem a capacidade de identificar, reconhecer e lidar com os seus sentimentos e com os dos outros.

Nem todas as pessoas conseguem ser espontaneamente empáticas, porém, se quiserem podem aprender a desenvolver essa competência. Há um conjunto de características que definem uma pessoa empática, como por exemplo ser curiosa, observadora, sensível, disponível, saber escutar, ser recetiva às emoções dos outros e ter uma boa capacidade de reflexão. Algumas pessoas são naturalmente mais empáticas que outras mas esta é uma competência que se pode aprender e desenvolver ao longo da vida.

Os três principais passos para o desenvolvimento da empatia são: saber praticar a escuta ativa, evitar “frases feitas” que servem para qualquer situação e tentar pensar e sentir como a outra pessoa. O primeiro passo é sem dívida saber ouvir. Focar-se na conversa sem distrações, adotar uma postura corporal que expresse o seu interesse no outro, evitando por exemplo, cruzar os braços, não interromper o discurso da outra pessoa, fazer apenas perguntas pertinentes, clarificar o que possa não ter entendido bem e ter um interesse real no que a pessoa lhe está a dizer.

Ainda que sejam ditas com a melhor das intenções e para tranquilizar a outra pessoa, frases “cliché” como “não te preocupes”, “vai correr tudo bem” ou “isso resolve-se”, não só não ajudam, como podem criar uma barreira na comunicação impedindo que a pessoa desabafe e expresse os seus sentimentos. Do mesmo modo, os conselhos, em determinados momentos não são recomendados uma vez que podem ser entendidos como um sermão ou uma verdade absoluta. Quando não sabemos o que dizer, o melhor mesmo é não dizer nada, nunca esquecendo que saber ouvir pode ser a melhor ajuda a dar naquele momento.

Pensar e sentir como a outra pessoa, é o terceiro passo para a empatia mas sem dúvida o mais difícil e desafiante. Colocarmo-nos no lugar do outro, perceber a sua perspetiva e procurar compreender e aceitar os seus sentimentos e emoções, pode exigir um enorme esforço da nossa parte. Tendemos a tirar conclusões ou fazer julgamentos sobre o que está a ser dito ou sobre o que está a acontecer, com base no nosso sistema de crenças, história de vida e expectativas. Porém, para sermos empáticos, é fundamental que deixemos de acreditar que os outros devem viver como nós e agir como achamos conveniente, aceitando a diferença, e, se possível, aprendendo com ela.

Crianças e adolescentes online: como proteger?

Com a abrangência da internet e a diversidade de dispositivos à qual se pode aceder, as crianças e os adolescentes desta era digital, têm ao seu dispor plataformas e conteúdos, a qualquer hora e a partir de qualquer lugar. Queremos acreditar que na maioria dos casos, a ligação à internet proporciona oportunidades positivas e benefícios, no entanto, sabemos que oferece também riscos, aos quais devemos estar muito atentos.

A internet permite que estejamos ligados ao mundo, com tudo o que isso tem de positivo, mas também de negativo. Se por um lado, as crianças e adolescentes podem utilizar a internet para estudar, pesquisar e adquirir conhecimento, comunicar com os amigos, jogar e fazer atividades em grupo, partilhar fotos, enfim, um sem número de possibilidades de interação e socialização, por outro lado, têm também a possibilidade de “cair em armadilhas” que os podem conduzir a situações de perigo, que no limite, podem por em causa a sua integridade física e moral. A violência e os conteúdos de cariz sexual, são exemplos de riscos aos quais as crianças e jovens podem estar expostos através do acesso à internet, podendo estes ser alvo de exploração e abusos.

Continue a ler “Crianças e adolescentes online: como proteger?”

Estereótipo e preconceito

O estereótipo é o conjunto de crenças que dá uma imagem simplificada das características de um grupo, generalizando aos membros que dele fazem parte. Preconceito é um juízo pré-concebido, que se manifesta numa atitude discriminatória perante pessoas, crenças, sentimentos ou tendências de comportamento.

Os estereótipos são crenças a propósito de características, atributos e comportamentos dos membros de determinados grupos. São formas rígidas, infundadas e esquemáticas de pensamento, que resultam dos processos cognitivos de simplificação e que se generalizam não só a determinado grupo como a todos os elementos que o integram. Estereótipo significa impressão sólida, e pode dizer respeito á aparência, roupas, comportamentos, cultura, etc. Os estereótipos são muitas vezes confundidos com preconceito, uma vez que acabam por se tornar rótulos, frequentemente pejorativos, causando impacto negativo nos indivíduos alvo, estando muitas vezes na base do racismo, da xenofobia e da intolerância religiosa.

O preconceito é a atitude que envolve um pré-julgamento, na maioria das vezes negativo, relativamente a pessoas ou grupos, ignorando as diferenças individuais. Embora o preconceito também esteja assente na categorização social, difere do estereótipo porque para além de atribuir as características ao grupo, ainda as avalia, emitindo, na maior parte dos casos, juízos negativos a seu respeito.  O preconceito é um juízo preconcebido, expresso geralmente na forma de uma atitude discriminatória perante pessoas, locais ou costumes singulares, considerados “anormais”. O preconceito indica o desconhecimento pejorativo de alguém ou de um grupo social, ao que lhe é diferente. As formas mais comuns de preconceito são: social, racial e sexual. De modo geral, o ponto de partida do preconceito é uma generalização superficial, definido anteriormente como estereotipo.  No entanto, é possível relacionar os dois conceitos na medida em que o estereótipo fornece os elementos cognitivos de um grupo e o preconceito lhes acrescenta a componente afetiva, crítica e de juízo de valor.

Os estereótipos têm uma função social e cognitiva, uma vez que a categorização da realidade social nos permite enfrentar eficazmente o mundo em que vivemos, determinando o certo e o errado, o bem e o mal e o justo ou o injusto. Outra função dos estereótipos é de cariz afetivo e tem a ver com a  identidade social. De facto, reconhecemo-nos enquanto pertencentes a grupos com os quais nos identificamos. Parte do que somos relaciona-se com o facto de pertencermos a determinados grupos sociais, o que nos leva a distinguirmo-nos dos outros que pertencem a outros grupos distintos e desenvolvemos o sentimento de “nós” por oposição aos “outros”. Assim, os estereótipos permitem que um determinado grupo se defina positiva ou negativamente, por comparação a um outro, sendo que ao caracterizarem o grupo dos  “outros”, reforçam a identidade ao grupo ao qual pertencemos.

O preconceito é uma atitude que envolve um juízo ou julgamento prévios, na maior parte das vezes negativo, relativamente a pessoas ou grupos sociais, podendo refletir-se em comportamentos de discriminação. Contudo, não se pode confundir discriminação com preconceito, uma vez que este corresponde a uma atitude, enquanto a discriminação diz respeito ao comportamento que decorre dessa atitude, ou seja, do preconceito. Observar características comuns a determinados grupos pode ser considerado preconceituoso, principalmente se referentes a agressividade ou discriminação. Porém, reparar em características sociais, culturais ou mesmo físicas por si só não é sinónimo de preconceito. Estas podem referir-se apenas a costumes, modos de estar de determinados grupos ou até mesmo a aparência de povos de determinadas regiões, única e exclusivamente como forma ilustrativa ou educativa. Assim, entende-se que o estereótipo pode ter uma função cognitiva, social ou afetiva, ao contrário do preconceito, que é sempre um erro.

Sugestão:

https://d1wqtxts1xzle7.cloudfront.net/6036638/genero_6-with-cover-page-v2.pdf?Expires=1660677149&Signature=RSdzov6eeVoo5iS-iL3Ursr22oAsBLjOjvwyNNjrP8JdT37GXWMXhjFOO1lSoBY0DK3PNPLRoWpYgXH1KN7gVpQmeELh~M84Xbo8DPF7epLwPKnlwmJ68QttB3Tu~iJ2Y0vDyKql0yX34067JxjUP1Dt~T5vz4msip-ZrsFBMC~3Yn9pOoy8ZR5yxi6gNgN3CV9UR6D1WGGhevBhfxEJnqf4eITvihRufGfOgZerh080meaY7oJ1Enat9Cm3K~hL1mpUFtc9vusMj57o9ZMT82kQI9LVQq~Q99rPr6SvWN0aSX~PKZyu6PPq4SxfnDR4qAbCPKC1CGpxjhxbCquibQ__&Key-Pair-Id=APKAJLOHF5GGSLRBV4ZA

A psicologia e o turismo

A Psicologia do Turismo surge como uma área inovadora da psicologia, que se centra no estudo do comportamento humano em contexto de turismo, especificamente do turista, do residente e do profissional da área da hotelaria e turismo.

 A Psicologia como a ciência que estuda o comportamento, os sentimentos e as emoções do ser humano, emerge como uma forte aliada aos estudos no âmbito do turismo. Ainda que á partida possam ser encaradas como duas áreas científicas incongruentes, na realidade, não o são. O turismo é um meio potenciador de movimento humano. Assim sendo, o seu foco são as pessoas, o mesmo foco que a psicologia tem na sua essência. Deste modo, psicologia e turismo cruzam-se no indivíduo enquanto turista, residente ou profissional da área do turismo. A psicologia permite o desenvolvimento de estratégias que podem ajudar a suportar e impulsionar a inovação neste campo.

No âmbito do turismo, pode-se destacar o importante contributo da psicologia positiva, ciência que visa a promoção do bem-estar e que tem tudo a ver com a experiencia do turista, uma vez este busca essencialmente experiências enriquecedoras e promotoras de bem-estar físico e psicológico. Assim, a riqueza de ideias e estratégias da psicologia positiva pode potenciar a inovação e diferenciação dos destinos turísticos. Da aplicação prática da psicologia positiva ao turismo, podem-se destacar três áreas com potencial de crescimento: a participação de psicólogos na construção de atividades para os turistas, no desenvolvimento de estratégias de promoção de experiências significativas ou ainda no desenvolvimento de intervenções de bem-estar junto dos turistas, trabalhadores e residentes.

O turismo pode ser um campo de atuação da psicologia, numa perspetiva diferenciadora, criativa e inovadora, com inúmeros benefícios para a sociedade, bem como para a evolução da ciência psicológica, nomeadamente através do desenvolvimento de investigação sobre temáticas de interesse no turismo, na construção de materiais cientificamente validados para a avaliação das variáveis psicológicas em contextos turísticos e a investigação empírica de variáveis psicológicas junto dos turistas. Pelos estudos já realizados, é clara a pertinência da aliança entre a psicologia e o turismo. Abrem-se as portas para a investigação científica psicológica neste contexto, mas simultaneamente abrem-se portas para a prática psicológica em contexto de turismo, nos seus diferentes domínios.

Fonte:

Garcês, S., Pocinho, M., & Jesus, S. (2020). The best tourism island destination in the world and meaningful experiences: A systematic literature review. Revista Portuguesa de Estudos Regionais, 53, 23-34.

Os comportamentos autolesivos na adolescência

Chamamos comportamentos autolesivos a todos os comportamentos diretos que causem lesões físicas ligeiras a moderadas, feitas sem intenção suicida consciente, e que acontecem na ausência de um estado de psicose ou de incapacidade intelectual organicamente determinada.

A adolescência é caracterizada por ser uma fase de inúmeros desafios. Desde a adaptação a um novo corpo e uma nova aparência, ás espectativas de novas experiências e relacionamentos, o adolescente vive esta fase da sua vida numa ambiguidade, entre o medo e o desejo de crescer. Muitas vezes, esta etapa do desenvolvimento humano trás consigo angustia e sofrimento emocional. As variações do humor e os sentimentos características desta fase de descoberta mas também de dúvida e insegurança, podem conduzir os jovens a momentos de rigidez do pensamento e de razão absoluta, intercalados com outros de insegurança e infelicidade extrema.

Continue a ler “Os comportamentos autolesivos na adolescência”

Falar do “Ninho Vazio”…

Síndrome de “ninho vazio” é a denominação dada a um conjunto de sentimentos e emoções que os pais habitualmente experienciam, aquando da saída dos seus filhos da casa da família. Esta síndrome não é uma patologia, no entanto pode ser vivida de forma mais ou menos intensa e ser algo perturbadora.

Independentemente de se ter apenas um filho ou vários, vê-los sair de casa para estudar, trabalhar, casar ou o que quer que seja, desencadeia nos pais sentimentos por vezes muito contraditórios. A ambivalência de sentimentos como orgulho de os ver crescer e atingir autonomia e independência, e a sensação de vazio que causa a sua ausência, podem afetar tanto o pai como a mãe. No entanto, a mãe é tipicamente a que mais se manifesta… Muitos pais têm extrema dificuldade em conceber as suas vidas longe dos filhos, vivendo esta fase com muita angústia e sofrimento.

Continue a ler “Falar do “Ninho Vazio”…”