Memórias e esquecimentos

A memória é a capacidade que o indivíduo tem de adquirir, armazenar e evocar informação. Podemos distinguir 3 tipos de memória: sensorial, de curto prazo e de longo prazo.

A memória sensorial é um tipo de memória que tem origem nos órgãos dos sentidos. Deste modo podemos referir a memória auditiva, visual, olfativa, etc. A informação obtida através dos órgãos dos sentidos é retida por um curto espaço de tempo (0.2 a 2 segundos). É a memória sensorial visual que nos permite, por exemplo, ver um filme. Por outro lado, a memória sensorial auditiva permite-nos entender uma notícia que ouvimos ser relatada na rádio. A informação obtida através deste tipo de memória, se for processada, passa para a memória de curto prazo, caso contrário, a falta de processamento, leva a que a informação se perca. A memória sensorial é ilimitada, ou seja, são ilimitados os dados passíveis de serem registados pelos nossos cinco sentidos. Para que a informação seja captada pela memória sensorial não é necessário o envolvimento da atenção, o processo é automático e involuntário.

A memória de curto prazo é assim o “armazém” da memória sensorial. A informação obtida é retida durante cerca de 30 a 60 segundos e é limitada, ou seja, podemos conservar em memória de curto prazo cerca de sete elementos (mais ou menos 2). O tempo de retenção desta informação poderá aumentar se esta for repetida mentalmente. Se pensarmos por exemplo, quando consultamos um número de telefone, este manter-se-á na nossa memória até o digitarmos no nosso telefone. A memória de curto prazo, também chamada de memória de trabalho, memória operacional ou ativa, pressupõe assim alguma atenção por parte do indivíduo. Os dados obtidos pela memória de trabalho que forem processados passarão para a memória de longo prazo.

A memória de longo prazo alimenta-se dos dados presentes na memória de trabalho que são codificados em símbolos. A memória de longo prazo mantém estes dados durante horas, meses, anos ou para toda a vida. Os conteúdos aprendidos numa aula, por exemplo, serão conservados na memória de longo prazo, e, dependendo de diversos fatores como o interesse da matéria, a motivação do aluno, a eficácia do professor, etc. esses dados poderão manter-se até ao fim da vida. Este tipo de memória é ilimitada e pressupõe uma atenção moderada.

Designa-se por esquecimento a incapacidade de recuperar e recordar a informação memorizada. De um modo geral, o esquecimento tem uma conotação negativa, sendo considerado uma falha, um prolema de memória. No entanto, o esquecimento é natural e até necessário. É porque nos esquecemos que continuamos a reter informação. Seria impossível conservarmos todos os materiais que vamos armazenando pela vida fora. O esquecimento tem a função de selecionar naturalmente alguns conteúdos, para que possamos adquirir outros novos. Esta é uma função seletiva adaptativa que afasta a informação irrelevante e desnecessária. A memória não reproduz os dados tal qual foram armazenados. É um processo ativo que tem duas funções fundamentais: seletividade (nem toda a informação é armazenada) e adaptação (a informação é transformada).

São vários os fatores que explicam o esquecimento. Podemos esquecer por interferência das aprendizagens. As recordações anteriores podem afetar a capacidade de se adquirirem novas aprendizagens e por outro lado, as novas aprendizagens podem afetar a capacidade de se recordarem conteúdos armazenados anteriormente. Também podemos esquecer por alteração ou desaparecimento do traço nemésico, isto é, a modificação, com o passar do tempo, dos conteúdos armazenados. O material que não conseguimos recordar, sofre modificações geralmente pelo efeito de transferência de aprendizagens e experiências posteriores. Por vezes pensamos que nos esquecemos de determinada informação mas o que realmente aconteceu, foi que essa mesma informação sofreu tantas alterações que já não a reconhecemos.

Outro fator que pode explicar o esquecimento tem a ver com a motivação inconsciente, isto é, podemos esquecer porque não nos interessa recordar. Os conteúdos traumáticos e penosos, por exemplo, podem ser esquecidos para que se encontre o bem-estar psicológico. Segundo Freud, esquecemos através do recalcamento, um mecanismo de defesa através do qual os pensamentos e sentimentos dolorosos são afastados da consciência, com o objetivo de reduzir o sofrimento.

A memória é a base nos nossos pensamentos, sentimentos e comportamentos. Sem memória não poderíamos reagir às mais diversas situações do quotidiano, não teríamos a capacidade de reconhecer o que nos rodeia, desde objetos a sentimentos ou emoções. É na nossa “bagagem” mnésica que reside a nossa capacidade de adaptação ao meio, a atribuição de significado às experiências vividas e a aquisição do sentimento de identidade.

Punição: palmada sim ou palmada não?

Punição físicaAs práticas de punição física são as menos eficazes porque traduzem um modelo de violência, porque não ensinam um comportamento adequado alternativo e ainda, porque promovem um comportamento de obediência baseado no medo, com efeitos habitualmente pouco duradouros e por vezes devastadores para o desenvolvimento da criança.

É frequente ouvir-se dizer que uma palmada no momento certo nunca fez mal a ninguém. Também ouvimos muitas vezes, pais que dizem coisas do género “também apanhei muitas vezes e não morri” ou “levei muitas palmadas e não fiquei traumatizada”. Enfim, quem nunca disse ou ouviu este tipo de desabafo? A palmada, ou seja, a punição física, no âmbito da educação de uma criança é milenar. Pais, outros familiares e até professores, eram legitimados a exercer a força física no sentido de educar, disciplinar ou controlar as crianças. No entanto, hoje em dia essa prática tem vindo a ser condenada e desaconselhada uma vez que se trata de um ato de agressividade, habitualmente perpetrada por uma pessoa adulta a uma criança, com toda a desigualdade que isso implica.

Continue reading “Punição: palmada sim ou palmada não?”

O meu filho dorme comigo…

Crianças a dormirem com os paisGeralmente aconselha-se que a criança durma sozinha, se possível a partir dos seis meses de vida, de preferência no seu próprio quarto, no sentido de favorecer a sua capacidade de estar só e de promover o desenvolvimento da sua autonomia.

Filhos a dormir no meio dos pais, mães ou pais a dormir na cama com o filho, o pai a dormir no sofá da sala porque o filho dorme com a mãe, a mãe a dormir na cama de um filho e o pai na cama com o outro… tantas possibilidades de cenários e tão reais e até frequentes. Vários são os argumentos utilizados pelos pais para justificarem algumas destas situações. “Se eu não for para a cama dele, ele não dorme”, “se não a deixar aconchegar-se no meio de nós ela passa a noite a acordar e ninguém tem sossego”, “eu deixo-o dormir comigo porque também gosto desse miminho” ou “é uma boa maneira de não ter que dormir com o meu marido”. São todos argumentos possíveis, e eu já os ouvi a todos!

Durmo com o meu filhoA situação de filhos a dormirem com os pais pode arrastar-se ao longo de muitos anos e o impacto que esse facto tem na vida das crianças e dos casais pode ser muito perturbador. Por vezes tudo começa com apenas uns minutos para que a criança adormeça, que depois se estendem por mais tempo e se repete por uns dias, semanas e por vezes anos. Acontece também o pai ou a mãe trocarem de forma definitiva a sua cama pela cama do filho, ou o contrário, o filho permanece na cama dos pais, expulsando definitivamente um dos progenitores do seu lugar. A duração deste comportamento, quando prolongada, tende a ser banalizada pelos intervenientes e as consequências podem ser de grande gravidade, não apenas na perspetiva do desenvolvimento da criança, mas também na ameaça que o referido comportamento constitui para a intimidade do casal e para a saúde do seu relacionamento.

O sono da criançaAs crianças devem para o seu próprio bem, adquirir autonomia em relação ao momento do sono nos primeiros anos de vida, de modo a potenciarem o seu adequado desenvolvimento  e a tornarem-se adultos autónomos e saudáveis. Adormecer por rotina na cama dos pais não é uma prática adequada. Numa situação de exceção pode ser compreendido mas só mesmo excecionalmente. Se a criança está doente, se está a ultrapassar um momento particularmente difícil, se está num contexto diferente, poderão ser motivos para que se abra a tal exceção mas logo que a situação regularize as rotinas que envolvem o deitar e o dormir deverão também elas ser reestabelecidas.

Dormir com os paisNa origem destes hábitos menos recomendáveis está por vezes a dificuldade que alguns pais têm em estabelecer regras e limites, e em fazê-los cumprir. Definir um horário regular para deitar a criança é recomendável. Deverá ser explicada à criança a importância do dormir. Dormir faz bem porque descansa o corpo e o cérebro. As células regeneram-se com maior rapidez durante o sono. A criança vai crescer e desenvolver-se também enquanto dorme. Dormir bem faz com que se cresça bem. Uma cabeça bem descansada terá melhor capacidade de atenção, concentração e aprendizagem, logo uma boa noite de sono promove um dia de escola mais produtivo. Se dormirem bem e o suficiente (cerca de 9 a 10 horas/noite em idade escolar) as crianças também vão brincar mais, ficam mais despertas e curiosas para as aprendizagens informais e mais predispostas para as relações sociais.

Sono e desenvolvimento infantilPor outro lado, alguns pais acham que dormindo com os filhos os estão a proteger. Certo é que excesso de proteção pode levar a que a criança se torne insegura, dependente e ansiosa e carregar esse fardo ao longo da sua vida adulta. Proteger significa salvaguardar que a criança está num ambiente confortável, seguro e que reúne todas as condições necessárias a um sono descansado (conforto, temperatura, ausência de ruído, etc.). O afeto, tão importante para o desenvolvimento psicossocial de todas as crianças, deve ser também contemplado na hora de deitar. Acompanhar a criança ao quarto, aconchegar-lhe a roupa, contar uma história, falar um pouco acerca dos acontecimentos do dia, completados com uma dose “terapêutica” de beijinhos e abraços, seguidos de um boa noite e até amanhã, são exemplos de boas práticas de final de dia.

Dormir com os filhosQuando um casal tem problemas que se refletem na partilha da cama, por vezes “utilizam” o filho como justificação para se manterem afastados. Colocar o filho a dormir entre os dois ou por outro lado, passar a ir dormir no quarto com o filho, são práticas muito mais comuns do que o desejável. Com tudo o que isso implica para o relacionamento do casal, quase sempre jovem, as implicações para o desenvolvimento da criança são reconhecidas. Havendo dificuldades no seu relacionamento, um casal deverá sempre procurar resolvê-las sem que isso envolva dormir com os filhos.

Sono infantilSão várias as estratégias a adotar para que as crianças adquiram hábitos de sono saudáveis desde tenta idade. Preparar um quarto para criança ou uma cama num quarto que irá partilhar com um irmão, parece ser aconselhável desde o nascimento para que a criança conheça e se habitue ao espaço. É importante que se crie o hábito de por a criança a dormir no seu próprio quarto em idade precoce (4 a 6 meses) pois facilita o processo de adaptação. A criança vai saber que aquele é o seu lugar para dormir e vai mais facilmente aceitar essa regra. Quanto mais coerência e menos exceções houverem, mais facilmente a criança se vai habituar a dormir na sua cama. Por outro lado, pode também ser muito útil a preparação da rotina de dormir, ou seja, poderá prevenir interrupções do sono durante a noite se a criança se deitar após a digestão, se forem evitadas refeições muito fartas ou atividades físicas muito estimulantes. A ingestão de líquidos a partir das 18 horas deverá ser moderada para evitar que a criança urine muito durante a noite e interrompa o sono.

Se sentir dificuldades a este nível, procure a Sua Psicóloga e ela poderá avaliar devidamente a situação e ensinar-lhe outras estratégias, igualmente eficazes e que poderão fazer toda a diferença para que as noites na sua casa sejam mais tranquilas e felizes!

As minhas crianças estão muito preocupadas com o Covid-19!

De há um tempo a esta parte fui recebendo mensagens de pais que me questionavam sobre se seria normal a preocupação excessiva que algumas das suas crianças manifestavam acerca do Coronavírus. De facto o assunto tornou-se uma preocupação generalizada e os números de infetados, quer a nível nacional como internacional são muito significativos, tendo conduzido a esta situação de pandemia que hoje vivemos.

Algumas crianças mais ansiosas, começaram a preocupar-se com o novo vírus logo que se começou a falar dele. Outras, foram aos poucos dando atenção ao assunto e, principalmente após a adoção de medidas mais extremas como o fecho das escolas e as recomendações de isolamento social, entre outras, foram ficando “contaminadas” de medos e dúvidas, para algumas delas muito perturbadoras. Como tal, deixo aqui algumas dicas de como agir com a sua criança neste momento de inquietação tão novo para todos nós.

Não deixe de falar com a sua criança sobre este tema, começando por questionar a criança acerca do que ela já sabe ou de como pensa sobre o assunto. Ouça a sua criança com atenção e deste modo irá permitir que a criança se exprima, que fale sobre o que receia mas acima de tudo poderá corrigir alguma informação errada à qual a criança tenha tido acesso. Ensine à criança como se transmite o vírus e como se pode proteger, falando sempre com verdade e adequando a sua linguagem à idade da criança e à sua capacidade de entendimento. Use um tom de voz tranquilo pois informação e serenidade são recomendáveis em momentos como este.

Ensine também à sua criança que os afetos podem estar presentes fora dos abraços e dos beijinhos e que em alguns casos, o facto de não dar abraços nem beijinhos pode ser a melhor prova de amor (ex. manter a distância dos mais velhos). Podem telefonar, enviar vídeos, escrever cartas, fazer desenhos e enviar por email, enfim, nos dias de hoje as tecnologias permitem um sem número de hipóteses de contacto sem proximidade física, nas quais podemos manifestar o nosso amor e o nosso cuidado com os outros.

Faça por proteger a sua criança do excesso de informação. Por muito que nos queiramos manter atualizados, devemos poupar as nossas crianças a noticiários e reportagens mais agressivas e por vezes especulativas e muito enfáticas, com um grau de potencial ansiogéneo enorme. Falar sobre o assunto sim mas colocar o Coronavírus dentro de todas as conversas ao longo do dia, não! Em especial à noite, na hora de dormir, tente manter as rotinas possíveis e procure tranquilizar a criança com um momento positivo, como contar uma história, por exemplo.

Aproveite as “histórias felizes” relacionadas com o tema Covid-19 para tranquilizar a sua criança e mostrar-lhe bons exemplos. Relatos de cura bem como de manifestações de generosidade e solidariedade podem ser excelentes exemplos para as crianças. Saber que alguém que esteve infetado já está curado pode ser bastante tranquilizador para uma criança com muito medo da morte. Também o exemplo de alguns profissionais de saúde que se disponibilizam para esclarecer e acompanhar alguns de nós mais preocupados, pode funcionar para sossegar as crianças mais ansiosas.

Por fim, nunca é demais lembrar que aos sinais de febre, tosse, fadiga generalizada, dores musculares, dores de cabeça ou dificuldades respiratórias, a indicação é que deverá ligar para a linha do SNS 24 – 808 24 24 24. Não corra com o seu filho para as urgências do hospital ou do centro de saúde e tente manter a calma, pois só assim conseguirá manter calma a sua criança.

Suspensão das consultas presenciais

Caros clientes, de acordo com as normas estabelecidas para a prevenção da transmissão do Covid-19, as minhas consultas presenciais estão temporariamente suspensas. No entanto, estou diaponivel via email , Skype ou telefone para qualquer questão relacionada com o acompanhamento psicológico em curso.
Grata pela vossa compreensão, aproveito para recomendar que sigam as indicações de precaução veiculadas através dos meios de comunicação social.
Cumprimentos a todos, certa de que conseguiremos ultrapassar este período com relativa tranquilidade.

www.gracindapsi.com
gracinda.psicologia@gmail.com
T 919057801

Infância: violência e maus tratos

Violência e infânciaOs maus tratos na infância são definidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como qualquer forma de abuso ou violência física, psicológica, sexual, negligência, exploração comercial ou outra, no contexto de uma relação de responsabilidade, confiança ou poder, de um adulto em relação a uma criança/ adolescente.

“A minha mãe anda sempre em stresse. Ferve em pouca água e às vezes, se eu estou por perto, grita-me e empurra-me ao ponto de eu já ter caído nas escadas. Acho que ela se devia era tratar…” (Cláudia, 16 anos).

Maus tratos infantisA violência sexual refere-se a todo o contacto ou interação com uma criança para estímulo ou gratificação sexual de um adulto ou de outra criança. Considera-se negligência a ausência da satisfação das necessidades básicas, sendo que estas incluem a alimentação, a higiene, os cuidados médicos, o abrigo, a segurança, a aceitação, o carinho, etc. Seja qual for o tipo de violência exercida sobre uma criança/adolescente, e seja quem for o agressor, o impacto na vida da criança e no seu futuro pode ser muito significativo. Quando o agressor é um dos progenitores ou ambos, o impacto é potencialmente maior. Receber maus tratos por parte daqueles de quem esperamos proteção, confiança e apoio incondicional leva sempre a uma perturbação e confusão maiores.

“O meu pai bate-me com uma revista. Por tudo e por nada ele enrola a maldita revista e bate-me nas pernas, nas costas, nos braços e até na cabeça”. Ele é meu pai, eu não entendo porque é tão mau para mim… Acho que eu devo ter algum problema que o deixa descontrolado. Sou sempre eu que pago quando ele chega a casa aborrecido com alguma coisa” (Francisco, 12 anos).

Violência na infânciaDe facto, os sentimentos de culpa são frequentes em situações em que a criança/adolescente sofre de maus tratos por parte dos progenitores. Ela não entende porque é que aquela pessoa a quem ama e a quem muitas vezes procura agradar, e que às vezes até revela algumas manifestações de afeto para com ela, consegue ser tão cruel. A ambiguidade de algumas relações pais-filhos podem provocar na criança/adolescente uma grande instabilidade emocional e sentimentos de medo, insegurança, desconfiança e frustração, conducentes a um enorme sofrimento emocional.

As situações de violência e maus tratos podem originar dano real ou potencial no desenvolvimento da criança bem como na sua capacidade de sobrevivência, integridade, saúde ou dignidade. A criança é considerada como vítima de maus tratos, quer quando estes são perpetrados contra si mesma mas também enquanto testemunha, em contexto de conflito parental, por exemplo. Os tipos mais comuns de violência e maus tratos contra crianças/adolescentes parecem ser a violência física, psicológica, sexual ou a negligência. A violência física refere-se a qualquer tipo de lesão causada na criança pelo uso da força física com ou sem a ajuda de um objeto (ex. cinto, pau, sapato). São exemplos de violência física o bater, empurrar, beliscar ou arranhar. Considera-se violência psicológica qualquer ação ou omissão que possa causar ou potenciar prejuízos ou degradação da autoestima, identidade ou do desenvolvimento da criança, quer a nível biológico como psicológico ou social. São exemplos de violência psicológica a humilhação, provocação, insulto, ameaça, intimidação ou exclusão.

“Eu tenho dores de barriga e vomito quando os meus pais discutem. Tenho medo dos gritos do meu pai e fico muito nervoso porque tenho medo que ele bata na mãe” (Rodrigo, 9 anos).

Infância e maus tratosAs crianças precisam e têm o direito de serem protegidas. Todo o tipo de violência tem sempre efeitos negativos mas a violência contra as crianças, tem um impacto extremamente significativo, comprometendo o seu futuro!

Violência na infânciaSão diversos os fatores de risco para a violência e os maus tratos infantis. Fatores como a doença mental, o temperamento, a genética, o consumo de álcool ou drogas, a história prévia de violência, os sentimentos de rejeição ou frustração, o próprio ambiente comunitário ou o isolamento social, a pobreza, bem como os modelos e exemplos veiculados através dos meios de comunicação social, podem potenciar comportamentos agressivos em contexto familiar. Outros fatores como a discriminação, o racismo, o machismo ou a falta de apoio social são exemplos de aspetos entre muitos outros, a levar em consideração quando o assunto é violência e maus tratos.

Adolescentes e comportamentos auto lesivos: porquê?

Adolescência

Designam-se por comportamentos auto lesivos todos os comportamentos diretos que causam lesão física ligeira a moderada, feita sem intenção suicida consciente, e que acontece na ausência de psicose ou incapacidade intelectual organicamente determinada.

Se cada cabeça é um mundo, no caso dos adolescentes, podem mesmo ser vários mundos. As variações do humor e dos sentimentos, características desta fase de ambiguidades e descobertas, podem fazer com que os jovens se sintam ora os “donos do mundo”, cheios de razão e de verdades absolutas, ora os seres mais infelizes na face da terra, cheios de dúvidas e de incertezas. Estas oscilações podem ter um impacto significativo no bem-estar emocional dos jovens ou na perturbação do mesmo. Continue reading “Adolescentes e comportamentos auto lesivos: porquê?”