Adolescência, relações entre pares e o papel dos pais

Ao longo da infância, as relações sociais, nomeadamente com outras crianças, desempenham um papel importante no desenvolvimento infantil. Contudo, é na adolescência que a relação com os pares se torna mais relevante, tanto na aprendizagem de competências sociais como na expressão emocional ou até na construção da personalidade.

As relações de amizade e de igualdade que se estabelecem entre os adolescentes, a grande quantidade de tempo que partilham, bem como as atividades conjuntas, aproximam colegas e amigos, fazendo com que estes tenham uns nos outros um espaço privilegiado de cooperação, intimidade, confidencialidade, interajuda e até de “porto seguro”, apesar da competitividade que por vezes está presente. Ao integrar-se num grupo, ou seja, ser aceite pelos pares, o adolescente sente-se reconhecido pelo grupo e passa a participar e a contribuir para a existência desse mesmo grupo, desenvolvendo em si o sentimento de pertença, tão importante para as suas vivências dessa fase da vida.

Continue a ler “Adolescência, relações entre pares e o papel dos pais”

Perturbação da Personalidade Esquizoide

A Perturbação da Personalidade Esquizoide expressa-se essencialmente por três características: a falta de interesse nas relações sociais, a tendência para o isolamento e a frieza emocional.

Apesar da semelhança semântica e de alguns sintomas comuns (como o embotamento emocional e o isolamento), a Perturbação da Personalidade Esquizoide não é o mesmo que esquizofrenia. A esquizofrenia caracteriza-se sobretudo, por uma fragmentação da estrutura básica dos processos de pensamento, acompanhada pela dificuldade em estabelecer a distinção entre experiências internas e externas, como é o caso dos sintomas psicóticos de delírio ou alucinação. O termo esquizoide foi criado por Eugen Bleuer, no início do século XX, para definir uma tendência da pessoa para dirigir a sua atenção para o mundo interior, fechando-se ao mundo exterior e á experiência.

A característica central que define esta perturbação da personalidade é o padrão evasivo de distanciamento dos relacionamentos sociais, a par com uma diminuta expressão emocional em termos interpessoais. Este padrão começa tipicamente no início da idade adulta e revela-se nos diversos contextos em que a pessoa se move. Os indivíduos com personalidade esquizoide parecem não ter um desejo de intimidade, preferindo passar o tempo sozinhos em detrimento de estar com outras pessoas, mesmo no contexto familiar. As atividades escolhidas são predominantemente solitárias e mesmo quando se tratam de momentos passados com outras pessoas, a interação é diminuta. Deste modo, identifica-se uma preferência por tarefas mecânicas ou abstratas, assim como uma satisfação reduzida com experiências sensoriais

Um indivíduo com Perturbação da Personalidade Esquizoide parece ser igualmente indiferente às críticas ou elogios. Pode parecer lento e letárgico, com um discurso monocórdico, tendo tendencialmente um humor negativo. Esta perturbação da personalidade pode emergir durante a infância ou adolescência, sob a forma de solidão, fraco relacionamento com os pares e baixo rendimento escolar, o que pode conduzir a situações em que estas crianças/adolescentes sejam vistas como diferentes e como alvos de bullying. A Perturbação da Personalidade Esquizoide é diagnosticada com uma frequência levemente superior em sujeitos do sexo masculino. Pode ainda ter uma prevalência maior entre os familiares de indivíduos com Esquizofrenia ou Perturbação da Personalidade Esquizotípica.

Os critérios de diagnóstico desta perturbação são a existência de um padrão de distanciamento das relações sociais e uma faixa restrita de expressão emocional em contextos interpessoais, que começa no início da idade adulta e está presente numa variedade de contextos, indicado pelo menos por quatro dos seguintes critérios: não deseja nem retira prazer de relações próximas, incluindo fazer parte de uma família; escolhe habitualmente atividades solitárias; manifesta pouco ou nenhum interesse em ter experiências sexuais com outra pessoa; tem prazer em poucas atividades, ou em nenhuma; não tem amigos íntimos ou confidentes sem ser familiares em primeiro grau; mostra-se indiferente a elogios ou críticas dos outros; demonstra frieza emocional, distanciamento ou afetividade embotada.

A psicoterapia, tendo uma forte natureza interpessoal, a partir da qual se estabelece a relação terapêutica, pode inicialmente ser difícil de aceitar por parte dos indivíduos com Perturbação da Personalidade Esquizotípica. Estas pessoas poderão ter algumas dificuldades na colaboração e relação com o psicólogo. A psicoterapia poderá trazer sentimentos ambíguos, havendo o receio por parte do cliente de que a mesma o faça descobrir mais falhas na sua personalidade e aumentar o seu sentido de desadequação. Poderá ainda ser igualmente, difícil definir objetivos terapêuticos de mudança e colaboração. Porém, com validação por parte do terapeuta, será importante o foco da atenção na idiossincrasia do problema, isto é, naquilo que preocupa o cliente num determinado assunto, que será relevante clarificar. Será difícil para o psicólogo, por exemplo, aceitar objetivos terapêuticos que não incluam a integração social e que não vão de encontro destas crenças. Por exemplo, quanto à temática de “não ter amigos”, o psicólogo poderá considerar que seria importante para o cliente ter um amigo ou dois, quando para este, o importante neste tema, poderá ser que a família não esteja sempre a dizer-lhe que devia ter amigos.

A intervenção psicológica com clientes com este tipo de personalidade, cujas crenças e perceções podem contrastar significativamente com as do psicólogo, poderá trazer algumas dificuldades e é sem dúvida um desafio. O cliente poderá ter crenças muito enraizadas como: “as pessoas são cruéis”; “as pessoas são frias”; “as pessoas apenas deverão falar se houver alguma coisa para falar”. Do ponto de vista terapêutico, muito mais do que tentar iniciar processos de mudança comportamental ou de reestruturação cognitiva, é conduzir a intervenção no sentido do estabelecimento de uma relação de empatia e confiança, fortalecida pela sua forma centrada no cliente. O que se pretende é lentamente ir ganhando a confiança do cliente ao mesmo tempo que este adquire segurança e aos poucos vai expressando as suas necessidades e emoções, com o objetivo ir conduzindo a intervenção no sentido da diminuição o seu défice funcional e aumento da sua adaptação aos diversos contextos em que se move.

Fonte:

Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais – Quinta Edição (DSM-V). American Psychiatric Association.

Qualidade de vida

O conceito de qualidade de vida tem vindo a ser referenciado desde a segunda metade do século XX e aplicado em diversos contextos, desde a saúde, a política ou o meio académico, entre outros, no sentido de se poder “medir” os níveis de vida das diversas populações mundiais. Nos dias de hoje, este conceito tem ainda uma definição imprecisa, no entanto, com toda a subjetividade que encerra, o conceito de qualidade de vida tem assumido um cada vez maior relevo, quando se fala de saúde e bem-estar.

Inicialmente, a investigação associava a qualidade de vida a um conceito quantitativo, ligado principalmente aos recursos materiais disponíveis para um sujeito ou sociedade. Com o passar do tempo, esta associação foi perdendo alguma força e passou a haver uma tendência para se entender a qualidade de vida através de uma abordagem mais ampla e integrativa. Assim, a Organização Mundial da Saúde (OMS) propôs atribuir uma natureza multifatorial a e pluridimensional a este conceito. Deste modo, passou a medir-se a qualidade de vida em termos de saúde física, saúde mental, nível de independência, qualidade das relações sociais e ambiente. Trata-se de uma perspetiva global e abrangente, que leva em consideração as várias dimensões do ser humano, na determinação dos níveis de qualidade de vida de cada indivíduo.

Entendendo o conceito como a sensação de bem-estar do indivíduo, este baseia-se tanto em fatores subjetivos, mais difíceis de quantificar e comparar, como objetivos, mais palpáveis e específicos. Deste modo, alguns autores consideram a qualidade de vida como uma condição complexa e multifatorial sobre a qual é possível desenvolver algumas formas de medidas objetivas, através de uma série de indicadores. Porém, a experiência que o indivíduo tem de si mesmo, tem também um papel muito significativo. O facto de o indivíduo ter recursos materiais ótimos de sobrevivência, não é garantia de que o seu nível de qualidade de vida seja elevado, uma vez que o que a determina, é a forma e a capacidade do indivíduo em perceber e se apropriar dessas condições e de outras. A própria conjuntura política ou cultural, influenciam a forma como o indivíduo percebe a sua vivência e a classifica como mais ou menos satisfatória.

Maslow, ao construir a sua pirâmide das necessidades, cujos sistemas de necessidades podem ser tomados também como parâmetros de promoção da qualidade de vida, defende que uma vez satisfeitas as necessidades relacionadas à simples sobrevivência (fisiológicas), outros grupos de necessidades dominariam o indivíduo hierarquicamente (segurança, amor, estima, etc.), fazendo-o avançar nas suas condições de bem-estar. Assim, conclui-se que a qualidade de vida se eleva através de uma escala de valores que avança desde a satisfação das necessidades básicas do ser humano, em direção ao sentimento de bem-estar subjetivo e social, levando a uma definição possível como sendo a condição biopsicossocial de bem-estar, relativa a experiências humanas objetivas e subjetivas e considerada dentro das particularidades individuais e sociais de cada caso particular. Trata-se de uma definição de caráter contextual, devendo ser entendida dentro das especificidades de cada situação, e multidimensional, considerando os vários determinantes da condição humana.

A intervenção psicológica tem múltiplos objetivos, porém visa sempre o aumento da qualidade de vida do indivíduo. Neste contexto, as ações dirigidas à saúde em particular, adquirem grande relevância. Uma boa saúde é o melhor recurso para o progresso pessoal, económico e social, sendo uma dimensão muito importante da qualidade de vida. Se compreendermos a saúde como elemento fundamental no conjunto de condições indispensáveis à qualidade de vida, a sua promoção deve ser uma prioridade. Um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença, potencia a elevação da qualidade de vida do indivíduo.

Cuide da sua saúde física e mental. Ambas concorrem para o aumento dos seus recursos, quer materiais e palpáveis, quer subjetivos e particulares, que farão de si uma pessoa com maior qualidade de vida e consequentemente, uma pessoa mais feliz!

Ano Novo, Vida Nova!

Mais um ano que se aproxima do fim, mais um ano que vai começar. Esta é tipicamente, uma fase em que se faz um balanço do que foi o ano que termina e se fazem planos para o ano que inicia. As “famosas” resoluções de Ano Novo!

Como é sabido, a situação pandémica que temos vivido nos últimos quase dois anos, em muito contribuiu para agravar problemas de saúde mental a quem já deles padecia, ao mesmo tempo que despoletou o surgimento desse mesmo tipo de perturbações, em pessoas anteriormente saudáveis. As súbitas mudanças que se observaram no nosso quotidiano, como é o caso do isolamento social, da utilização de máscara e outras medidas de proteção individual, a obrigatoriedade de teletrabalho ou telescola, entre outras alterações que o nosso dia-a-dia sofreu, têm sido responsáveis por uma instabilidade emocional, que em muitos casos deu origem a problemas relacionados com ansiedade ou depressão. Algumas pessoas, pelas suas características de personalidade, tiveram maior capacidade de adaptação a uma realidade outrora inimaginável. Outras pessoas, com maiores dificuldades de adaptação, sofrem desde há muito com todas as modificações a que se viram obrigadas e que tiveram um impacto muito negativo no seu quotidiano e nas suas vidas.

A pandemia tem sido muito difícil para todos e tem trazido consigo muita dor e muitas emoções negativas, como o medo, a tristeza, a angústia, a solidão, etc. Todas estas emoções e algumas das mudanças a que fomos obrigados, geraram em algumas pessoas uma incapacidade para a ação, ou seja, algumas pessoas sentem que não estão bem mas não conseguem iniciar esforços que as ajudem a melhorar. Tratam-se de situações em que a ansiedade, o medo ou os sintomas depressivos as impedem de agir, no sentido da mudança, para que possam melhorar o seu bem-estar e serem mais felizes. Algumas pessoas conseguem adaptar-se de tal forma a esta atual realidade, que parece que apesar das alterações que aconteceram nas suas vidas, continuam a “caminhar” com alegria e otimismo. Outras, não conseguem ver a “luz ao fundo do túnel” e fecham-se em si mesmas, descendo nessa espiral negativa que é a doença mental.

Num momento de viragem do ano, em que tipicamente se fazem planos para o ano que vai entrar, algumas pessoas não conseguem sequer imaginar que a sua vida poderá melhorar, uma vez que não acreditam na mudança delas próprias. Quando algo está mal, ou nos adaptamos e seguimos vivendo em harmonia, ou, na maioria dos casos, temos que empreender esforços de mudança para conseguirmos ser pelo menos funcionais, senão felizes. O processo de mudança começa dentro de cada um de nós, no momento em que reconhecemos que efetivamente temos um problema ou uma dificuldade. A partir desse momento, com ou sem ajuda profissional, a pessoa pode preparar-se para agir. A ação pode passar por um conjunto de comportamentos a abolir, a iniciar ou a transformar, com o intuito de se tornarem mais adaptativos. Modificar comportamentos pode não é tarefa fácil e por vezes pode ser necessário apoio, acompanhamento e compromisso, para que cada pequeno esforço, cada pequeno passo no sentido daquilo que se deseja, não seja nunca um retrocesso mas sim uma conquista sólida e consistente.

Numa época em que a saúde mental está na “ordem do dia”, a sua prevenção, manutenção ou o seu tratamento pode passar por pedir ajuda a um técnico especializado. O primeiro passo pode estar na mão dos cuidados de saúde primários, que havendo disponibilidade, o médico assistente pode encaminhar o indivíduo para a consulta de psicologia. Infelizmente, o nosso Serviço Nacional de Saúde, não dispõe de psicólogos em número suficiente para atender a todos os que desse apoio necessitam. Assim sendo, na maioria das situações, esse apoio terá que ser prestado por profissionais independentes, em clínica privada. No entanto, este não deve ser um motivo para deixar de procurar ajuda.

Há a ideia generalizada de que os serviços privados de avaliação e acompanhamento psicológico são muito dispendiosos, não é de todo uma realidade. É claro que cada pessoa tem as suas limitações em termos de orçamento, porém, muitas vezes os custos das consultas não são assim tão elevados, havendo até muitos profissionais que atendem e cobram as suas consultas, levando em consideração os casos de maior vulnerabilidade económica, numa vertente de responsabilidade social. Assim, recomenda-se que se quebre em primeiro lugar o estigma de que a saúde mental é menos importante do que a saúde física, pois ambas estão interligadas. Por outro lado, não é vergonha nem embaraço para ninguém, recorrer á ajuda de um psicólogo, num momento de maior instabilidade emocional. O reestabelecimento ou a manutenção da saúde mental é extremamente importante e repercute-se também na saúde física e no bem-estar individual, familiar e social.

Se sente que pode estar a sofrer de problemas ao nível da ansiedade, se apresenta sintomatologia depressiva ou se apenas não está a saber lidar com as suas emoções ou com os seus relacionamentos, não deixe de colocar nas resoluções de Ano Novo, a procura de apoio psicológico. Uma correta avaliação do seu caso e um plano de intervenção adequado, poderão fazer toda a diferença no seu bem-estar pessoal e nas suas relações sociais e familiares. O autoconhecimento, a aprendizagem e treino de estratégias para lidar com a sua ansiedade, a estruturação comportamental em casos de depressão, são exemplos de intervenções que podem modificar a sua vida e torna-la mais fácil e mais feliz. A par com os típicos planos para iniciar a prática desportiva, iniciar a reeducação alimentar para controlar o peso, porque não iniciar um acompanhamento psicológico, para melhorar a sua qualidade de vida, aprendendo a conhecer-se melhor e permitindo-se abrir-se a diferentes perspetivas?

Ano Novo, Vida Nova! Comece o Ano de 2022 a pensar em si e procure ajuda. A Sua Psicóloga, estará ao dispor para a (o) orientar na descoberta de si mesma (o) e do que a (o) pode tornar numa pessoa mais feliz!

O Natal pode ou não, ser o que cada um de nós quiser?

Tradicionalmente, as famílias cristãs celebram o nascimento de Jesus na noite de 24 para 25 de Dezembro. O Natal carrega em si uma simbologia própria e caracteriza-se pelas reuniões de família, refeições com pratos típicos como o bacalhau, o Perú e as filhós, troca de presentes e em muitos casos a participação em celebrações religiosas, como é o caso da Missa do Galo.

A época do Natal inicia-se cada vez mais cedo, uma vez que é marcada também por um maior consumismo. Os estabelecimentos comerciais enfeitam-se de acordo com as tradições e oferecem promoções para incentivar a aquisição de presentes e assim dinamizar a sua economia. As autarquias e juntas de freguesia empreendem os seus melhores esforços no sentido de dar cor, luz e por vezes música, às ruas de cada bairro e cidade. Cada pessoa à sua maneira, e dentro daquilo que são as suas crenças e possibilidades, vive a época natalícia com maior ou menor entusiasmo. Muitas pessoas vivenciam o espírito da festa religiosa que simboliza esta quadra, outras, não crentes, vivem o Natal com espírito de festa e com um entusiasmo e alegria mais mundanos. Será então “legítimo” que os não cristãos vivenciem o Natal e lhe atribuam outro significado que não propriamente o religioso?

Continue a ler “O Natal pode ou não, ser o que cada um de nós quiser?”

Resolução criativa de problemas

A criatividade é um conceito abstrato que envolve a produção de ideias originais. É um processo que se desenvolve através da combinação do conhecimento já existente com novas aquisições ou com perspetivas inovadoras de conhecimentos anteriores, ou ainda, através de um rompimento com o passado, emprestando o que já se conhece a novos conceitos.

A criatividade pode ser utilizada para diversos fins e em diferentes contextos de vida. Há quem revele a sua criatividade pela expressão artística, pela forma como se relaciona socialmente com os outros, como desempenha as suas funções laborais ou como resolve os seus problemas. A resolução criativa de problemas encerra em si várias etapas, que devem ser ultrapassadas uma a uma, de forma ordenada, no sentido de potenciar uma resolução adequada e adaptativa. O primeiro passo é a compreensão do problema. Não podemos resolver um problema se não o compreendermos ou não o entendermos como tal. Essa compreensão passa por uma descoberta objetiva dos factos, como por exemplo a gestão do tempo e o estabelecimento de prioridades. Imaginemos que o problema se relaciona com o facto de termos que desempenhar muitas tarefas e muito diversificadas, com limitações de tempo, o que causa muita ansiedade e desconforto. Entendemos o problema, sabemos a sua causa e provavelmente intuímos como seria melhor a nossa qualidade de vida, resolvendo o problema. No entanto, podemos não saber como fazer…

Continue a ler “Resolução criativa de problemas”

A ansiedade na infância e a intervenção cognitivo-comportamental

Desde os primórdios da humanidade que nos deparamos com diversos perigos e ameaças à sobrevivência, tendo desenvolvido ao longo dos tempos, estratégias adaptativas de proteção ou de enfrentamento, para lidarmos com as mais variadas situações difíceis ou ameaçadores do quotidiano. Essas situações ocorrem ao longo do ciclo de vida e é desde crianças que devemos aprender a lidar com elas.

Perante uma situação ou acontecimento causador de stresse, o corpo humano está preparado para reagir de forma imediata à ameaça percebida. O cérebro recebe a mensagem de perigo eminente, produz e liberta substâncias químicas que desencadeiam sensações fisiológicas ou psicológicas, como a aceleração do ritmo cardíaco, o aumento da sudação, as alterações ao nível da respiração, os pensamentos de catastrofização e/ou de fuga, entre outras reações possíveis. Essas sensações e cognições têm como finalidade preparar o organismo para se proteger da ameaça e facilitar a reação de fuga ou enfrentamento do problema. Após um determinado período, de duração variável conforme a situação e o indivíduo, estas sensações diminuem por ação do sistema nervoso parassimpático, provocando uma sensação de relaxamento.

Continue a ler “A ansiedade na infância e a intervenção cognitivo-comportamental”

Demências: Alzheimer

A demência pode definir-se como a perda de funções mnésicas, deterioração do nível de funcionamento adaptativo e pela presença de, pelo menos, um outro sinal de um défice cognitivo major. As mudanças características da demência ocorrem a nível cognitivo, funcional e comportamental.

A origem da demência pode ser de causas múltiplas e diversificadas, podendo estar relacionada com doenças psiquiátricas (ex. depressão, esquizofrenia), com intoxicações causadas por químicos ou metais, com doenças inflamatórias dos vasos sanguíneos, como lesões cerebrais (ex. tumores, esclerose múltipla) ou ainda com défices vitamínicos (ex. vitamina B12 ou ácido fólico). Podemos distinguir dois tipos de demências: as subcorticais e as corticais. As demências subcorticais estão associados a disfunções da estrutura da matéria cinzenta subcortical e das projeções do lobo frontal. Estas afetam entre outros, os processos cognitivos (lentificação), revelando-se por défices ao nível da atenção e da memória, com dificuldade na recordação de informação aprendida, apesar da preservação do reconhecimento. As funções executivas ficam afetadas desde a fase inicial, existindo dificuldade na resolução de problemas, diminuição da fluência da linguagem, humor depressivo, apatia, falta de energia e défices ao nível do sistema motor (ex. tremores, alteração da postura, da marcha e da coordenação). Duas perturbações representativas deste tipo de demência são a doença de Pakinson e a doença de Huntigton.

Continue a ler “Demências: Alzheimer”

Relações pessoais… a amizade

O Homem é um ser social, relacional. Desenvolve-se na sua relação com o contexto e com os outros. Uma relação pessoal caracteriza-se pela interação mútua em que o indivíduo reage ao comportamento do outro e pela sua continuidade no tempo. Numa relação pessoal existe uma história passada e uma expetativa de permanência e de futuro.

Se é verdade que os seres humanos são fundamentalmente seres relacionais, será que essa característica pode ser explicada pela teoria da evolução? Levando em consideração a Teoria Evolucionista, podemos dizer que a natureza relacional do Homem está associada à necessidade de preservação da espécie humana, através dos importantes comportamentos reprodutivos. Deste modo, homens e mulheres desenvolvem estratégias para assegurar a continuidade genética. Porém, nem todas as relações pessoais têm como finalidade a manutenção da espécie, existindo diversas formas de relacionamentos, cada qual com as suas características e particularidades. São exemplos disso as relações familiares, relações de amizade, de companheirismo estudantil, as relações meramente profissionais, entre outras.

Falar sobre a amizade é falar sobre um tipo de relação pessoal com regras menos rígidas e definidas, comparativamente à maior parte das outras relações, como por exemplo as relações amorosas. Uma relação de amizade pressupõe um grau de estruturação menor do que uma relação de amor. Para além de não implicar exclusividade, uma relação de amizade está mais dependente de fatores casuais, como a proximidade ou a comunhão de atividades, ideias ou valores. Cada relação de amizade pode assumir características próprias, umas mais frequentes e com elevado grau de partilha, outras mais distantes e esparsas mas sem que por isso sejam menos intensas e importantes. Enfim, desde os amigos inseparáveis, aqueles que raramente se vêm, mas que sempre que isso acontece é como se tivessem estado juntos no dia anterior, sem que o entusiasmo ou a emoção percam a sua força.

Vários autores que se dedicam ao estudo das relações pessoais, apontam diferenças significativas entre as amizades que se desenvolvem entre homens e aquelas que acontecem entre mulheres. As amizades entre homens são tendencialmente decorrentes de situações de proximidade e contacto, muitas vezes isentas de esforço voluntário. Caraterizam-se pela partilha de atividades comuns, hobbies e interesses em determinado tema e desenvolvem-se em redes sociais bastante alargadas, consoante os meios frequentados. Colegas de trabalho, amigos de infância que se mantiveram, contactos na área do desporto, atividade política ou associativismo, são exemplos frequentes de fatores que podem contribuir para o estabelecimento e manutenção de relações de amizade entre indivíduos do género masculino. Por sua vez, as relações de amizade entre mulheres, são tendencialmente mais restritas e quase sempre rodeadas de um núcleo de amigas, do mesmo sexo e mais próximas, com as quais estabelecem relações de tipo mais diádico, em que há maior intimidade, ajuda recíproca, tendência para a ocorrência de autorrevelações e troca de impressões sobre aspetos da vida privada ou até mesmo íntima. Numa fase em que têm filhos, as amigas tendem a aproximar-se, em especial se partilham o mesmo tipo de vivências. Frequentemente, a maternidade aproxima também as mulheres das suas próprias mães, transformando por vezes o tipo de relação que com elas tinham até então, numa relação caracteristicamente mais próxima da relação que têm com as amigas.

A manutenção de uma relação depende do grau de compromisso e de investimento na mesma. A uma relação de amizade, também se aplicam estes princípios, e á semelhança de outro tipo de relações, importam ainda três fatores fundamentais: a satisfação com a relação, o nível de comparação e os investimentos anteriores nessa mesma relação. Ou seja, a satisfação com uma relação de amizade, tal como noutro tipo de relação, é determinada pelos ganhos e custos que esta implica, pelas expectativas do indivíduo face à mesma e ainda pelos investimentos anteriores nessa mesma relação. Estes investimentos podem ser intrínsecos, como o conhecimento, a intimidade, as experiências comuns ou extrínsecos, como a partilha de uma tarefa ou atividade, por exemplo.

Relações de amizade satisfatórias e equilibradas promovem a saúde e o bem-estar físico e emocional. A título de exemplo, é de referir que o apoio social que advém da amizade pode ajudar na prevenção do stresse. Se perante um acontecimento causador de ansiedade o indivíduo sente que não dispõe dos recursos necessários para lidar com o problema, e quando o apoio dos amigos lhe faculta esses recursos, a pessoa passa a encarar a situação causadora de stresse como menos grave. Por outro lado, o convívio com amigos fomenta por norma atividades saudáveis, quer para o físico como para a mente. Fazer atividades físicas com amigos é mais estimulante, assim como seguir um regime alimentar mais saudável pode ser incentivado pelos amigos. Por outro lado, a socialização promove a expressão emocional e o diálogo, a positividade e a promoção da autoestima, melhorando a saúde emocional.

As relações de amizade podem ser iniciadas em qualquer momento do ciclo de vida. Numa fase mais precoce, são importantes para o desenvolvimento de competências, para a descoberta e para a própria construção da personalidade. Em fases mais tardias da vida, fornecem um suporte social que por vezes a família não consegue dar ou que as diferenças geracionais pode perturbar, por vezes por dificuldade de empatia ou de entendimento do que é rer-se “mais velho”. Assim, importa estabelecer, manter e alimentar, relações de amizade em todas as fases do ciclo de vida e retirar delas o que têm de melhor, não esquecendo que são relações de reciprocidade, em que cabem sempre novos elementos, sendo que cada um pode contribuir com o melhor de si.

Há quanto tempo não fala com aquela amiga especial? Alimente as suas amizades e promova a sua saúde física e principalmente emocional!

Motivar para aprender

A motivação é o ponto de partida parta uma aprendizagem eficaz. Alunos com capacidades cognitivas normativas, se motivados, estão predispostos a aprender e a dar significado às suas aprendizagens. A par da motivação está a autoestima. Um aluno com boa autoestima, reconhece as suas capacidades e permite-se utilizar estratégias adequadas a uma aprendizagem orientada para o sucesso!

Muitos jovens e até crianças, revelam nos dias de hoje, uma grande desmotivação face à escola e à aprendizagem, com efeitos muito significativos ao nível do decréscimo do rendimento escolar e do seu bem-estar emocional e familiar, O desinteresse e a desmotivação com a escola, habitualmente, não é determinado por uma única causa mas sim, por um conjunto de determinantes que podem englobar fatores temperamentais, ambientais ou contextuais e ainda fatores genéticos. Uma das causas mais frequentemente apontadas para a desmotivação para o estudo é a forma como os conteúdos programáticos são lecionados ou a dificuldade na relação com os professores. Outra razão para o desinteresse, prende-se com o facto de que as crianças e os jovens podem não reconhecer utilidade a alguns dos referidos conteúdos, ou de não entenderem de que forma essas aprendizagens lhe podem ser úteis, quer no presente, quer no futuro.

Continue a ler “Motivar para aprender”