Primeiros socorros… psicológicos!

Situações de catástrofe natural, acidentes ou outras situações de emergência podem acontecer a qualquer um de nós. A qualquer momento das nossas vidas, um evento traumático pode abalar a nossa paz, segurança, saúde física ou mental, e, dessa forma causar uma instabilidade emocional ou mesmo um descontrolo.

O termo “Primeiros Socorros Psicológicos” é utilizado sempre que é necessário dar apoio a alguém que subitamente sofre um trauma emocional para o qual não está preparado, podendo não conseguir no imediato utilizar as estratégias adequadas para lidar com o problema. Por outro lado, nem todas as pessoas são capazes de responder a uma situação traumática de forma adaptativa, por uma questão de personalidade ou por falta de recursos internos ou externos. A reação de cada indivíduo a uma situação de crise pode ser positiva ou negativa. De entre as reações positivas destacam-se a determinação para a resolução de problemas, o otimismo, a coragem, a força psicológica ou até mesmo uma capacidade de perceção mais apurada para compreender e lidar com a adversidade. O sentimento de envolvimento e mobilização a par de um comportamento altruísta e de conexão social contribuem de forma positiva para enfrentar eventos traumáticos. Das reações negativas salientam-se a confusão, desorientação, choque, medo, culpa, zanga, irritabilidade, culpabilização, fuga interpessoal ou até mesmo reações físicas como tensão muscular, cefaleias, dor abdominal ou dificuldades de sono, entre outras.

Perante uma situação de crise, por vezes os indivíduos podem reagir de forma não adaptativa, adotando comportamentos que não os ajudam a lidar com o problema e que podem até desencadear outras perturbações. Esses comportamentos podem incluir o uso do álcool ou outras substâncias psicoativas como estratégia para lidar com a situação, o evitamento extremo em falar sobre o evento traumático, o isolamento social, o excesso de trabalho ou de ocupação como forma de evitar o problema ou até mesmo a exagerada ingestão de alimentos ou a opção por atividades de risco (ex. condução perigosa). Porém, outros há que tendem a lidar com a situação de forma adequada e procuram falar ou passar tempo com outras pessoas, utilizam técnicas de relaxamento para se autorregularem (ex. respiração controlada, relaxamento muscular, meditação), envolvem-se em atividades distrativas positivas, focam-se em questões práticas que as ajudem a gerir melhor o problema, procuram manter as suas rotinas, fazendo pausas e alimentando-se de forma saudável ou há ainda os que escrevem um diário e registam os seus pensamentos e emoções como forma de expressão emocional. Em casos em que as estratégias individuais não são suficientes, aceitar que não se está a conseguir equilibrar sozinho pode ser o primeiro passo para pedir ajuda especializada, ou para aceitar a que nos é oferecida.

Perante a necessidade de intervir em situação de emergência, crise ou catástrofe, a/o psicóloga/o pode intervir como elemento de suporte não só técnico como pessoal. Em primeiro lugar deverá estabelecer o contacto com a pessoa de modo a poder ajudá-la a reduzir o seu sofrimento. Deve apresentar-se e oferecer a sua ajuda, pedindo permissão para falar, no entanto tendo sempre em atenção a vontade do indivíduo, a sua disponibilidade para aceitar ajuda naquele momento, respeitar as questões culturais e geracionais, e claro, não se esquecer de assegurar ao máximo a confidencialidade. De seguida a/o psicóloga/o deve procurar garantir a segurança física da pessoa, fornecendo informação acerca dos recursos disponíveis face ao incidente. Logo de seguida, deverá ter-se em atenção a promoção da segurança física e do conforto do indivíduo. Oferecer conforto físico, comida, água, dar informação acerca dos serviços de apoio disponíveis, promover o contacto social com outros sobrevivente ou ajudar a limitar a exposição aos meios de comunicação social, podem ser ações de extrema importância.

Em momentos de crise, a/o psicóloga/o deve permitir a expressão emocional do indivíduo, empatizar e compreender o que lhe causa maior sofrimento naquele momento, procurando contê-lo na sua dor, evitando a sua desorganização emocional e potenciais comportamentos de risco que possam agravar a situação já de si difícil. Este tipo de intervenção psicológica tem como objetivos reduzir os aspetos biológicos das reações extremas de stresse traumático, afetar positivamente os pensamentos que inibem a recuperação, reduzir a ansiedade, a ativação elevada, ou o entorpecimento, visando uma melhoria do sono, alimentação, funcionalidade, capacidade de tomar decisões, etc., no sentido não só de beneficiar a vítima no imediato, mas também de reduzir a probabilidade de vir a desenvolver psicopatologia a longo prazo. É importante ajudar o indivíduo a regular-se mas também a reconectar-se com a sua rede de suporte social ou com cuidados de saúde especializados, nos casos mais graves. O apoio psicológico em situação de crise deve procurar potenciar a funcionalidade da pessoa e conduzi-la de volta á sua autoconfiança, missão e valores centrais.

Fonte: Curso de Primeiros Socorros Psicológicos – Ordem dos Psicólogos Portugueses, 2021.

Será que o meu filho já tem idade para ir ao psicólogo?

Psicólogo infantilSou questionada algumas vezes sobre a partir de que idade, pode uma criança beneficiar de acompanhamento psicológico. Pais e cuidadores preocupam-se frequentemente com o bem-estar das suas crianças mas têm ainda alguma relutância em procurar o psicólogo. Será que há mesmo uma idade pré-definida para que se possa beneficiar do acompanhamento psicológico?

A razão mais frequente para se evitar procurar a ajuda do psicólogo prende-se com questões sociais, pois por vezes há ainda o mito de que o psicólogo serve para ajudar apenas “os malucos”, no entanto, essa tendência está a diminuir uma vez que as pessoas estão cada vez mais informadas. Porém, reconhecer que se precisa de ajuda pode significar para os pais alguma incapacidade no desempenho do seu nobre papel. Por outro lado, os pais por vezes tendem a pensar que os problemas se resolvem por si só. E não estão completamente enganados. Alguns comportamentos típicos das crianças e que deixam os pais com os “nervos em franja” têm a ver com a imaturidade do bebé e de facto, numa perspetiva desenvolvimentista, resolvem-se simplesmente com o passar do tempo. Porém, há outros comportamentos ou situações que podem ser indicadores de algum tipo de perturbação, que pode ser séria, ou que não sendo propriamente muito grave, pode ter um impacto muito negativo na vida criança e da família e que pode ser resolvida com uma intervenção breve e precoce. Continue a ler “Será que o meu filho já tem idade para ir ao psicólogo?”

Parto e ansiedade

O momento do parto pode ver visto sob duas perspetivas: a positiva, associada à felicidade e entusiasmo pelo nascimento e pela realização do casal enquanto pais, e a perspetiva mais negativa, habitualmente relacionada com a ansiedade e o medo da vivência desse momento.

O parto é, à medida de cada caso, uma experiência física e emocionalmente exigente. A separação de dois (ou mais!) seres, que viveram aproximadamente 9 meses de modo interdependente em contacto íntimo e permanente, tem um impacto emocional para cada um deles. Numa perspetiva psicodinâmica, no momento do parto a mulher revive inconscientemente o trauma do seu próprio nascimento e a angústia que experienciou ao nascer, pela perda do estado intrauterino e pelo medo do desconhecido. A ansiedade causada pelo medo de cuidar o bebé, associado à sensação de perda ou “esvaziamento”, são os dois fatores cuja interação pode conduzir a um estado de confusão que pode desencadear na mulher a sensação de despersonalização ou perda de identidade.

Continue a ler “Parto e ansiedade”

A importância da intervenção psicológica em crianças e adolescentes

Se uma criança/adolescente conseguir modificar o seu comportamento ou o seu modo de pensar acerca de uma dificuldade, pode por um lado melhorar o seu desempenho, ou por outro lado adaptar-se à sua condição, de modo a aprender a lidar com ela de forma a que ela seja menos perturbadora, ou até mesmo transformar a sua fraqueza em força.

De acordo com a opinião de vários especialistas nesta área, a intervenção psicológica em crianças e adolescentes deve contemplar vários domínios: físico, cognitivo, emocional e social. Qualquer avaliação implicará a inclusão destes 4 domínios, no sentido de perceber o funcionamento da criança e de orientar o plano de intervenção de modo a torna-lo mais completo, atrativo e eficaz. Ainda que as dificuldades apresentadas pela criança/jovem possam manifestar-se essencialmente num dos domínios, certo é que todos eles se interrelacionam e influenciam. Deste modo e a título de exemplo, se um jovem apresenta dificuldades ao nível do sono, o ensino e treino de estratégias de higiene de sono, que ao mesmo tempo incluem mudanças de comportamento e aquisição de hábitos de vida saudáveis, irá não só beneficia-lo no que diz respeito à qualidade do sono como também trazer-lhe vantagens ao nível físico, cognitivo e emocional.

Continue a ler “A importância da intervenção psicológica em crianças e adolescentes”

A criança que tem medo do escuro

O medo do escuro na hora de deitar é uma queixa relativamente comum nas crianças entre os 2 e os 8 anos de idade. O modo como os pais e cuidadores lidam com esse medo da criança poderá afetar o comportamento da criança, a sua capacidade de adormecer e a qualidade do seu sono. Compreenda porque é que as crianças têm medo do escuro e será meio caminho andado para as ajudar!

.

Uma das principais causas do aparecimento do medo do escuro tem a ver com a extrema capacidade imaginativa das crianças mais pequenas. Na escuridão a mente da criança foca-se no mundo imaginário que lhe oferece imagens que ela por vezes não consegue controlar. Sem a clareza da luz, no escuro a criança perde a perceção do que a rodeia e pode ser levada a imaginar seres bizarros que a assustam. Ao invés do universo familiar que a faz sentir-se segura, a mente da criança fica à mercê do seu mundo interior, a sua imaginação, os seus pensamentos, que podem evocar imagens mentais assustadoras. Conforme o seu estado emocional, as representações mentais que lhe ocorrem podem não ser muito tranquilizadoras e provocar na criança uma ansiedade difícil de controlar. As crianças absorvem tudo o que as rodeia, a um ritmo muito rápido, e em virtude disso a sua capacidade de imaginação é enorme e promotora da capacidade criativa para idealizar coisas novas e assustadoras.

Continue a ler “A criança que tem medo do escuro”

Cansados da pandemia, cansados do confinamento

Após quase um ano de pandemia por Covid-19 em Portugal, o cansaço está a apoderar-se de muitos de nós. É um cansaço físico por redução da atividade, mas essencialmente psicológico devido às constantes adaptações às mudanças que nos foram impostas e que em tanto alteraram o nosso quotidiano.

Depois de terminarmos o fatídico ano de 2020 que tanta mudança operou nas nossas vidas, vimo-nos, ao contrário do que muitos esperávamos, confrontados com uma situação de aumento de casos de infeção por Covid-19 e consequentemente, um aumento de mortes e hospitalizações muito preocupante que puseram à prova a capacidade de resposta do Serviço Nacional de Saúde e dos decisores políticos. Bem ou mal, depende do entender de cada um, o confinamento foi decretado novamente e voltamos a ficar impedidos de levar as nossas vidas, com a “normalidade” a que já nos estávamos a habituar… Mas pelos dados que vão chegando ao nosso conhecimento, o confinamento está a ter eficácia, quer pelo decréscimo de número de novos infetados que se tem vindo a observar nos últimos dias, quer por algum desafogo nas unidades de cuidados intensivos. No entanto, não deixa de ser penoso, preocupante e altamente stressante o esforço que cada um de nós está a fazer para se manter confinado.

Continue a ler “Cansados da pandemia, cansados do confinamento”

“O meu avô morreu”

Numa altura em que a situação de pandemia por Covid-19 tem levado tantas vidas, principalmente de pessoas mais idosas, parece-me pertinente abordar o tema do luto infantil, no sentido de poder orientar os pais a ajudarem as suas crianças a lidarem com a perda dos avós.

Habitualmente, as crianças modelam os comportamentos dos adultos significativos, ou seja, tendem a imitar as respostas à perda manifestas pelos adultos enlutados da família. Deste modo, pode ser muito importante que estes procurem compreender o seu próprio processo de luto e modelar uma reação “saudável” à perda. No entanto, isto pode não ser fácil… Controlar a emotividade excessiva que advém de uma perda pode ser mesmo muito difícil. Porém há que evitar expressar as emoções negativas de forma muito exacerbada em presença das crianças pois estas podem ficar muito assustadas e inseguras com a expressão de dor e tristeza dos outros. A criança em luto está naturalmente triste e ansiosa. Mais do que nunca necessita de afeto, conforto mas também de um dia-a-dia estruturado, de preferência com a manutenção das suas atividades e da sua rotina diária, ou em caso de isolamento, com a substituição por uma nova rotina adaptada à situação.

Continue a ler ““O meu avô morreu””

Ansiedade de separação na infância

Os problemas relacionados com ansiedade são muito prevalentes na população pediátrica. Os medos fazem parte do contexto infantil e são em certa medida adaptativos e protetores, porém, há casos em que o medo se torna impeditivo do funcionamento “normal” da criança, com um impacto potencialmente negativo no seu desenvolvimento socio-emocional.

Das várias dimensões que a ansiedade pode abarcar, a ansiedade de separação é talvez a mais típica do universo infantil. As crianças com esta perturbação apresentam um sofrimento excessivo e recorrente em situações de separação das figuras de referência, principalmente os pais. A enorme preocupação destas crianças com a perda, possíveis danos como acidentes ou até mesmo a morte dos que lhes são próximos, é muito perturbadora do seu quotidiano, com repercussões na tranquilidade familiar. Do mesmo modo, o medo intenso de se perderem ou de serem raptadas é outro sentimento comum a estas crianças. Esta perturbação pode verificar-se em crianças a partir dos 9 meses e estender-se à adolescência ou até mesmo à idade adulta, no entanto, é entre os 5 e os 9 anos que se observa maior incidência.

Continue a ler “Ansiedade de separação na infância”

Bullying e Cyberbullying

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é pexels-photo-3007355.jpeg

O bullying é um fenómeno infelizmente muito presente nos nossos dias, tipicamente em contexto escolar, mas não só. Com o advento das tecnologias e das novas formas de comunicação, o bullying saiu do recreio das escolas e entrou em casa de muitas crianças e adolescentes, através das redes sociais e do telemóvel.

O bullying caracteriza-se por comportamentos físicos abusivos (empurrões, murros, palmadas, pontapés…), agressões verbais (insultos, humilhação, ridicularização…), violência emocional (intimidação, exclusão social…) e pelo cyberbullying (envio e partilha de mensagens ou imagens ofensivas através de correio eletrónico, redes sociais ou telefone). Estes comportamentos de agressão, qualquer que seja a sua forma, são habitualmente repetidos, podendo manter-se por algumas semanas ou prolongar-se no tempo por meses ou até mesmo anos. As crianças ou adolescentes vítimas de bullying têm habitualmente muita dificuldade em expor os seus medos e em se defenderem, tornando-se assim alvos mais fáceis dos seus agressores, que perante a falta de reação das suas vítimas, vêm reforçado o seu comportamento disruptivo.

Continue a ler “Bullying e Cyberbullying”

Um Natal diferente…

Chegados a Dezembro deste atípico ano de 2020, aproxima-se uma quadra natalícia igualmente atípica e certamente repleta de emoções. A primavera “despertou” com a chegada de um vírus que nos virou do avesso. O verão foi vivido pela maioria de nós, a medo e o Natal avizinha-se para muitos, como mais um desafio a enfrentar.

Cada pessoa, à sua maneira, se adaptou à situação pandémica em que vivemos. Uns com menor dificuldade, por questões que se prendem com o temperamento, a existência de bons recursos internos, o apoio familiar e/ou social, a boa saúde física e mental, as razoáveis condições de habitabilidade, etc. Outros com maiores dificuldades e a verem no seu dia-a-dia, os problemas a chegarem sem os conseguirem controlar e resolver, acrescentando à dramática situação de saúde pública, a sua saúde física, psicológica e emocional debilitadas. Será certamente menos penoso vivenciar esta época, se tivermos maior flexibilidade psicológica e de adaptação à adversidade e se soubermos utilizar estratégias adaptativas para lidar com a ansiedade e o medo, com a incerteza e com todas as limitações que nos têm vindo a ser impostas.

Continue a ler “Um Natal diferente…”