Delírios e alucinações

Os delírios e as alucinações podem estar presentes em perturbações do espectro da esquizofrenia, mas não só. Também na demência, dependendo do tipo e do estadio, estes sintomas podem ter presença assídua.

Os delírios definem-se como crenças fixas, que não são passiveis de mudar, á luz de evidência oposta. O seu conteúdo pode incluir uma variedade de temas, tais como perseguição, referência, religiosidade, somático ou grandiosidade. Os delírios persecutórios, ou seja, a crença de que o indivíduo vai ser perseguido ou incomodado por outro indivíduo ou organização, é muito comum em casos de perturbação psicótica. Quanto aos delírios de referência, dizem respeito à crença de que determinados gestos, comentários ou até mesmo estímulos do ambiente, são diretamente dirigidos ao próprio. Os delírios de grandiosidade, em geral de fama ou fortuna, referem-se a casos em que o indivíduo acredita possuir habilidades excecionais, e, os delírios somáticos, dizem respeito a crenças e preocupações relacionadas com a saúde e com as funções orgânicas.

Os delírios são considerados bizarros, quando são claramente implausíveis e incompreensíveis por pessoas que partilham o mesmo contexto cultural, e sempre que estes não derivem de experiencias comuns da vida. A titulo de exemplo, considera-se bizarro um delírio em que o individuo acredita que os seus órgãos internos foram substituídos, por uma “força exterior”, pelos órgãos de outra pessoa, sem que tenha ficado qualquer marca de cirurgia. Já o delírio de que alguém está sob vigilância da polícia, apesar de não haver nenhuma evidencia que o prove, é considerado um delírio não bizarro, uma vez que é plausível. A distinção entre um delírio e a hipervalorização de uma crença, pode não ser fácil e depende essencialmente do grau de convicção com que a crença é defendida, apesar de haver clara e razoável evidência contraditória, no que se refere á sua veracidade.

As alucinações são descritas como experiências do tipo percetivo, que ocorrem sem um estímulo externo. São vívidas e claras, com toda a intensidade e impacto no indivíduo das perceções normais, não estando sob controlo voluntário. As alucinações podem ocorrer em qualquer uma das dimensões sensoriais, nomeadamente auditivas, visuais, olfativas, táteis ou de paladar. Contudo, as alucinações auditivas são as mais comuns, em casos de esquizofrenia ou outras perturbações relacionadas. Estas alucinações são habitualmente percecionadas como vozes, que podem ou não ser familiares, e que são percebidas como distintas do pensamento do próprio individuo. As alucinações ocorrem em estado de vigília, sendo que, as que possam ocorrer no momento de adormecer ou de despertar, podem ser consideradas como normais. Em alguns contextos culturais, as alucinações podem também ser vistas como algo normal numa experiencia religiosa.

Tanto os delírios como as alucinações trazem muito sofrimento, angústia e desorganização do comportamento dos indivíduos afetados, com prejuízo em praticamente toas as áreas do seu funcionamento. Estes sintomas podem também afetar indivíduos com demência, uma vez que se trata de uma doença que leva a que o paciente perca a capacidade de reconhecer coisas ou pessoas. Estas “falhas” de memória e a redução das competências cognitivas, podem levar à suspeita, à paranoia e a equívocos. Em presença deste tipo de sintomas, o encaminhamento do paciente para a consulta de psiquiatria será o indicado, uma vez que este especialista poderá avaliar a situação, bem como a necessidade e a vantagem, da prescrição de fármacos.

Cuide de si, cuide dos seus! Fique atento aos sinais de que algo pode não estar bem em termos de saúde mental. Procure ajuda especializada!

Fonte: DSM-V – Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (Quinta edição) de American Pshychiatric Association.

Chegou a época dos testes! Vou ter exame, ai agora…

O medo e a ansiedade são naturais ao ser humano, desempenhando um papel muito importante no comportamento e na sobrevivência. É porque temos medo que nos protegemos e nos defendemos dos perigos que percecionamos. No entanto, medo em excesso pode interferir de forma muito negativa na nossa vida, uma vez que nos pode comprometer a nossa funcionalidade.

 Em contexto escolar, a ansiedade dos alunos perante a perspetiva de um teste é um fenómeno particularmente difícil. A ansiedade gerada pela avaliação, ou seja, a ansiedade de desempenho, principalmente em contexto formal, como é o caso de testes e exames, ou até mesmo informal, como a leitura de uma poesia em família, é sempre mais ou menos perturbadora. Ser avaliado corresponde a uma situação complexa que reúne várias dimensões (cognitiva, emocional, fisiológica e comportamental). Em termos teóricos, a ansiedade de desempenho face a um teste pode assumir duas formas distintas: como traço ou como estado. Enquanto traço, a ansiedade corresponde a uma predisposição psicológica para reagir com o mesmo nível de ansiedade (alto ou baixo) a um conjunto indiscriminado de situações. Enquanto estado (ou sobrecarga) a ansiedade acontece em situações esporádicas, como um exame particularmente difícil ou para o qual o aluno não se sente devidamente preparado.

Continue a ler “Chegou a época dos testes! Vou ter exame, ai agora…”

Memória, recordar e esquecer

O processo cognitivo através do qual podemos aprender, reter e recordar informação é a memória. A memória é um processo complexo que permite que ao longo da vida vamos “enchendo as nossas gavetas” através de experiências que vamos vivenciando e nas quais estão envolvidos os sentidos.

A memória pode ser classifica em três tipos: memória sensorial, de curto prazo e de longo prazo. A primeira tem a sua origem nos órgãos dos sentidos e toda a informação captada é retida por breves segundos. Esta informação pode ser processada, passando para a memória de curto prazo ou memória de trabalho. Aqui a informação é guardada por um período de tempo também limitado, podendo perder-se em pouco tempo, ou, pelo contrário, a informação pode ser codificada, e os dados passam a ficar armazenados na memória de longo prazo, podendo aqui permanecer por dias, meses, anos ou mesmo por toda a vida, sempre que se mantenha a capacidade de recordaçã

O esquecimento refere-se à incapacidade de um indivíduo para recordar uma memória previamente processada e armazenada. É um fenómeno de certa forma natural e que ocorre com mais frequência numa fase mais adiantada da vida. O esquecimento tem uma conotação quase sempre negativa e patológica mas nem sempre assim o é.  O esquecimento torna-se fundamental à própria condição da memória. É porque nos esquecemos do mais irrelevante que mantemos a capacidade de continuar a apreender e reter informação. Porém, há diversos fatores que podem influenciar o esquecimento, como a interferência de novas aquisições, a alteração do traço mnésico e a motivação inconsciente. A alteração do traço mnésico corresponde a um conjunto de alterações sofrida pela informação armazenada, ao ponto de já não a conseguirmos reconhecer. Por outro lado, a motivação inconsciente é um processo natural em que o nosso inconsciente pode selecionar informação dolorosa e afasta-la da consciência, tornando a sua recordação mais difícil ou mesmo impossível, como um mecanismo de defesa para evitar conflito dor emocional.

A memória constitui-se como a base dos nossos conhecimentos, pensamentos e emoções. É a partir dos conhecimentos que cada indivíduo possui, que é possível a sua adaptação ao meio, a atribuição de significado às suas experiencias de vida e à aquisição do sentimento de identidade social. Com o passar dos anos, o nosso corpo vai envelhecendo e vão aparecendo sinais como as rugas, os cabelos brancos e também, as dificuldades de memória. Á semelhança de outros órgãos, o nosso cérebro também envelhece e começa a notar-se o declínio de algumas das suas funções. O treino e a estimulação cognitiva podem retardar os efeitos da idade no funcionamento cognitivo, e nomeadamente na memória. Ler, escrever, fazer cálculos, resolver problemas, são exemplos de atividades que podem ajudar a sua “cabeça” a manter-se saudável por mais tempo. Quando as dificuldades de memória se tornam uma preocupação, deverá ser feita uma avaliação, no sentido de se poder despistar e intervir, casos de início de demência, como por exemplo a doença de Alzheimer.

Exercite o seu cérebro, mantenha-se cognitivamente ativo e preserve a sua qualidade de vida!

Luto antecipatório, quando a morte é eminente

Na ideia de morte está implícita a perda e a irreversibilidade. É sempre difícil lidar com as perdas, ainda que isso possa ser o sinónimo de paz e libertação. Lidar com a perda implica um processo de luto, mais ou menos complexo, mais ou menos doloroso, consoante as características do indivíduo enlutado e as circunstâncias da perda.

As sociedades ocidentais têm por norma uma visão da morte um pouco redutora. Temos tendência a evitar o assunto, arranjamos eufemismos para não pronunciar a palavra morte ou morreu. Em vez disso escolhemos dizer partiu ou desapareceu, no intuito de aligeirar algo que traz consigo dor, drama e por vezes uma enorme dificuldade de aceitação. De facto há mortes trágicas, dolorosas e inesperadas, outras contra natura, essas talvez as mais difíceis de aceitar e com processos de luto mais difíceis e sofridos. Mas a morte pode também ser o caminho para a paz, o alívio e a libertação.

A morte encerra em si um ciclo, uma vida. Os sobreviventes tendem a dar-lhe significado, os crentes tendem a acreditar que a morte não é o fim. Talvez esta seja uma perspetiva mais tranquilizadora, e bem-aventurados sejam aqueles que acreditam na vida eterna. As crenças religiosas e de reencarnação, podem ser muito úteis também para ajudar a lidar com a perda e a tornar menos penoso o processo de luto. Porém, seja como for, a morte trás sempre a falta da pessoa e da vida como a ela nos habituamos, e a perda de alguém que nos é querido dói sempre.

Nos casos em que a pessoa está muito doente, debilitada e que não tem já possibilidade de cura ou recuperação, assim como no caso de pessoas muito idosas, cujas capacidades foram sendo perdidas gradualmente, e que o gosto pela vida deu já lugar ao sofrimento e à súplica por morrer, a morte pode vir em forma de libertação e alívio. Os mais próximos, doridos pelo tormento de alguém que amam, e a quem pouco podem fazer, iniciam um processo complexo de luto antecipatório, desejando por vezes que o seu ente querido não viva o dia seguinte. No entanto, este é um processo de uma ambiguidade também ela dolorosa.

Este luto antecipatório ocorre antes da perda, ou seja, quando a morte é já eminente mas ainda não aconteceu. É um processo em que o enlutado não antecipa apenas a perda da pessoa que lhe é querida mas também perdas passadas e atuais. É no confronto com a falta dessa pessoa, tal como ela era antes, nos seus papéis, qualidade da relação, identidade pessoal, etc., que a pessoa em luto experiencia, ainda no período terminal, sentimentos de ausência, solidão e perda. É a ingrata dor que se vai sentindo e que, no momento da morte, recomeça como se não tivesse existido um período prévio de luto.

O “deixar partir” não significa quebrar o vínculo ou desinvestir na qualidade de vida e nos cuidados ao doente A antecipação da perda pode também servir como uma oportunidade para resolver alguns aspetos que possam ter ficado pendentes ao longo da relação, para fortalecer os laços com a pessoa que está a morrer, para dizer algo que nunca foi dito antes, como o quanto a ama, o quanto com ela aprendeu, o quanto sentirá a sua falta ou que nunca a esquecerá. Assim mesmo, o luto antecipatório deve ser visto como um complexo processo individual, com tudo o que de verdadeiro e seguro existe para cada pessoa e para cada relação. É um processo que encerra em si toda uma história de vida, de relação e que culmina na antecipação de dilemas, pensamentos e emoções.

Que a morte pode ser serena, tranquila e libertadora de um martírio, não afasta o pesar da perda aos que são mais próximos. O tempo, esse pode ser o grande aliado, que com o seu passar vai mitigando a tristeza e a dor, transformando-a em paz, quietude e equilíbrio. As memórias, essas ficarão para sempre, para nos aquecerem a alma.

Ajudar a uma pessoa em processo de luto

O/a Psicólogo/a, ao ajudar um enlutado, não deve esperar reações idênticas de luto em pessoas diferentes. Deve validar as emoções intensas do indivíduo, não comparar tragédias e reconhecer o comportamento “normal” de uma pessoa em luto. O enlutado deve ser apoiado na elaboração das tarefas de autocuidado, na promoção do (re)estabelecimento de relações com outras pessoas e na identificação das mudanças verificadas no contexto. A pessoa em luto, deve ser ajudada no por vezes muito difícil processo de aprender a sobreviver sem o objeto perdido, a adaptar-se a num mundo necessariamente diferente e a lidar e resolver relações modificadas.