Memória e formação de impressões

Formação de impressõesFormar uma impressão significa organizar a informação disponível acerca de uma pessoa de modo a podermos integrá-la numa categoria significativa para nós (Vala, J., & Monteiro, M. B, 2001).

Partindo da psicologia cognitiva, a abordagem da formação de impressões que tem como base a memória, tem o objectivo de analisar os processos cognitivos relacionados com aquisição, armazenamento e recuperação de informação. Assim sendo, é através dos esquemas mentais, isto é, estruturas cognitivas formadas por categorias, conceitos e conhecimentos anteriores que são utilizados de forma a darem coerência e sentido à nova informação permitindo categorizar e até avaliar uma pessoa quando num primeiro contacto formamos uma impressão. Continuar a ler

Diferentes formas de aprender

AprendizagemDesde que nascemos que aprendemos. Aprendemos a andar, a falar, a comportar-mo-nos. Vamos para a escola e aprendemos, aprendemos… a própria vida é uma aprendizagem constante. Mas como é que aprendemos? E qual será a melhor forma de se aprender?

Ouvem-se muitas vezes os jovens dizerem que lhes basta estarem com atenção na aula para aprenderem. Será mesmo assim? Será esse método eficaz em todas as etapas da escolaridade? E ao longo da vida? Há muitas coisas que temos que aprender e que não nos são ensinadas em sala de aula… Todos nós somos diferentes e temos um funcionamento cognitivo próprio, de modo que, cada um de nós tem a sua percepção sobre o modo como aprende melhor, mas nem sempre. Existem efectivamente muitas formas de aprender e coisas diferentes também se aprendem de formas diferentes.

AprendizagemPodemos aprender pela prática ao executarmos uma determinada tarefa ou aprender por rotina quando repetimos o mesmo comportamento e ele se torna automático, como é o caso de andar de bicicleta ou da condução de um automóvel. Outra forma de aprendermos é por imitação, Vemos fazer, imitamos o modelo e adquirimos uma determinada competência. Este tipo de aprendizagem é muito comum em contexto de família ou de grupo de pares. Podemos também aprender por aproximação sucessiva, ou por tentativa e erro. De cada vez que tentamos executar algo e erramos, voltamos a tentar de forma diferente até conseguirmos atingir o nosso objectivo. Também podemos aprender por associação pois temos tendência a associar mentalmente algo de novo a algo que já conhecemos. Por exemplo, se acabo de conhecer uma pessoa chamada Celeste e tenho uma tia com esse nome poderei associar a pessoa que acabei de conhecer, à minha tia, e assim lembrar-me-ei do seu nome.

AprendizagemAprendemos por memorização, decorando algo como a letra de uma canção ou a tabuada, porque lemos, ouvimos ou repetimos muitas vezes, mas esta forma de aprender não garante a compreensão do conteúdo – cuidado! Outra forma de aprendizagem é a resolução de um problema. Deparando-nos com uma determinada situação, há que resolvê-la. O modo como o fazemos traz-nos um ensinamento. Assim como também se aprende por análise de um texto, de uma equação ou de um acontecimento. Analisando o que lemos ou vemos ou que nos é relatado, retiramos conclusões que nos ensinam alguma coisa. E depois existem os mapas mentais ou esquemas. Ao construirmos um mapa mental, por exemplo do caminho que nos conduz a um determinado lugar, podemos conserva-lo e utiliza-lo da próxima vez que lá tivermos que voltar.

AprendizagemE podemos aprender a aprender! Quando um aluno em dificuldades por ver o seu rendimento escolar a baixar, procura a ajuda de um Psicólogo, este vai ensinar-lhe diferentes métodos de estudo e monitorizar a eficácia de cada um deles. Em conjunto, vão chegar à conclusão de que uns funcionam melhor do que outros ou mesmo de que uns métodos funcionam bem com certas matérias ou disciplinas e outros métodos funcionam melhor com outras. Está a aprender a aprender!

Inteligência emocional

Competências sociaisA inteligência emocional é a capacidade que cada um de nós tem para identificar as suas próprias emoções (raiva, zanga, frustração, alegria, surpresa, tristeza, etc.) e de as conseguir gerir e controlar de modo a  poder pensar de forma clara, conter a impulsividade e tomar as melhores decisões. É ainda a nossa capacidade de reconhecer as emoções dos outros, ou seja, de se conseguir colocar no lugar do outro.

A Inteligência emocional é fundamental para que o indivíduo se possa conhecer a si mesmo e compreender os outros ao mesmo temo que pode fazer de nós seres altruístas, empáticos, com facilidade nos relacionamentos sociais e que evitam o conflito. Reconhecer as nossas próprias emoções, significa identificar o que sentimos e ter a capacidade de o expressar de forma adequada. Por exemplo, se conseguirmos utilizar um sentimento de zanga, em benefício de algo que está a funcionar mal e em consequência da nossa acção, a situação melhorar, isso é ser emocionalmente inteligente. Pelo contrário, se sentirmos raiva e usarmos esse sentimento para agredir ou destruir algo, nada vai melhorar e o problema que despoletou esse sentimento possivelmente vai permanecer ou até mesmo piorar. Continuar a ler

Alunos desmotivados

Desmotivação escolar

Parecem ser cada vez mais frequentes as queixas dos pais em relação à desmotivação dos filhos para o estudo. Deparo-me muitas vezes na minha prática clínica com casos de adolescentes e até algumas crianças mais novas, que revelam grande desinteresse pela escola, ou seja, pelas aulas e pelas matérias.

Palavras como é uma seca, não tenho paciência, não preciso de saber aquilo para nada, etc., são ouvidas amiúde e causam grande preocupação a pais, professores e outros profissionais, como é o caso dos psicólogos. As causas deste desinteresse e falta de empenho de alguns jovens na vida escolar são multifactoriais e algumas delas difíceis de contornar mas os efeitos que esta desmotivação tem nos nossos miúdos é sem dúvida nefasto. Torna-se imperativo ajudar estes jovens, quer através de uma intervenção que promova o aumento da sua motivação e autoeficácia, quer no treino de estratégias de aprendizagem e monitorização das mesmas.

 Em contexto de intervenção/acompanhamento psicológico, após a avaliação psicológica do jovem, torna-se necessária a avaliação da sua disponibilidade para mudar, isto é, do seu envolvimento num plano de mudança. Estará a criança/adolescente disposta a deixar-se ajudar? Estará disposta a mudar algo em si, na sua forma de pensar e de se comportar no sentido de aumentar a sua motivação e melhorar o seu desempenho? Continuar a ler

Separação, divórcio e alienação parental

Divórcio separaçãoPerante a separação de um casal com filhos menores, torna-se fundamental a protecção das crianças, devendo estas tornar-se no principal alvo de preocupação dos pais, de modo a que não haja a tendência de as colocar contra um dos progenitores.

Com o crescente número de separações e divórcios, muitos deles litigiosos, os pais têm o dever de minimizar o sofrimento dos filhos uma vez que estes se vêem forçados a adaptar a uma nova realidade, muitas vezes precedida de acontecimentos traumáticos. A par de lidarem com os traumas, ansiedades e inseguranças que uma situação de separação dos pais pode gerar nas crianças, estas têm forçosamente que ser protegidas do flagelo da alienação parental, sob pena de virem a ter consequências muito graves ao nível do seu funcionamento emocional, saúde física, percurso relacional e desempenho escolar. Continuar a ler

A vida, os filhos e o tempo

Tempo para os filhos

No decorrer da minha prática profissional enquanto psicóloga clínica em contexto pediátrico, venho cada vez mais a aperceber-me de que há pais que lutam com grandes dificuldades no exercício da sua parentalidade. Uma das questões que muito me preocupa é a questão do tempo ou da falta dele, muitas vezes referido pelos pais em consulta.

Os dias de hoje são sem dúvida de uma grande exigência para nós, comuns mortais, que acumulamos tarefas, funções e papéis, como se não houvesse amanhã. São as exigências académicas e a crescente competitividade nesse campo, por parte dos mais novos, com a necessidade de mostrarem um desempenho de excelência em todas as áreas, de serem os melhores, de ficarem à frente… Já para não falar das actividades extra-curriculares, encaixadas cuidadosamente entre os horários escolares e que fazem as nossas crianças andarem num verdadeiro carrossel de ocupações, mas isso será tema para outra reflexão. Continuar a ler

Psicologia Pediátrica

Psicólogo infantil

A infância é uma fase da vida em que tudo acontece a um ritmo alucinante. O desenvolvimento infantil é rápido e encerra em si uma série de tarefas de adaptação muito exigentes.

É uma etapa muito importante na vida e a forma como é vivida vai determinar o modo como a criança se vai autonomizar, construir a sua identidade e desenvolver a sua saúde física e emocional. Assim, a infância deverá ser feliz, tranquila, apoiada, cheia de boas experiências e muito amor. Porém, por vezes há problemas familiares, sociais ou até mesmo contextuais que impedem que a infância seja um período dourado da vida. Continuar a ler

Não permitiremos

Consulta psicologiaO Paulo tem 15 anos e vive com os pais e um irmão de 17 anos. Vivem num contexto desfavorecido, marcado pelo desemprego da mãe e pelo alcoolismo do pai. É uma tia que o conduz à Psicóloga por estar preocupada com os sintomas de ansiedade e depressão que o sobrinho apresenta.

Na primeira sessão de avaliação, o Paulo fala das dificuldades que sente em lidar com o ambiente familiar e verbaliza: “O meu pai passa a vida a discutir com a minha mãe. Nunca o vi bater-lhe. Já tem estado perto de acontecer mas eu e o meu irmão nunca permitiremos que o pai bata na mãe”.

Higiene do sono e qualidade do sono

Higiene do sonoOs comportamentos de higiene do sono são elementos do estilo de vida que influenciam de forma positiva ou negativa a qualidade do sono (LeBourgeois et al., 2005), ou seja, são essencialmente comportamentos que podem contribuir em benefício ou em prejuízo do sono.

Uma higiene de sono adequada inclui uma rotina na hora de deitar, dormir num ambiente confortável, sossegado e não poluído e a diminuição de comportamentos inibidores do sono, como é o caso do consumo de tabaco, cafeína e álcool antes de deitar. Faz ainda parte de uma boa higiene do sono, evitar envolver-se em actividades física, psicológica ou emocionalmente estimulantes, cerca de uma hora antes de deitar (Wolfson, 2002). Continuar a ler

Estímulos ambíguos

PercepçãoA ambiguidade ocorre quando falta uma informação fundamental para dar significado à realidade, ou seja, quando um estímulo ao nível sensorial pode gerar diferentes interpretações em termos de perceção e identificação.

Exemplo disso é o conhecido vaso que ilustra os trabalhos de Rubin (1915) sobre a organização da figura-fundo na percepção visual. Todos nós, de um modo geral, temos tendência a ordenar estímulos ambíguos e acontecimentos aleatórios. Essa tendência constrói-se no nosso aparelho cognitivo pois apreendemos melhor os fenómenos ordenados do que os aleatórios, sendo essa nossa predisposição para criar padrões e estabelecer conexões que nos faz progredir e desenvolver.

Olhar para uma nuvem e distinguir uma figura ou observar a lua cheia e identificar um rosto, são experiências comuns. Encontrar padrões e dar sentido ao que vemos é uma tendência natural, automática e inconsciente.

PercepçãoIsto poderia não constituir um problema se esta tendência não estivesse demasiado enraizada o que por vezes nos leva a aceitar determinados factos como certezas e não apenas como hipóteses. Vemos coerência onde ela realmente não existe e chegamos a acreditar em fenómenos que nunca o foram. Nestes casos mesmo examinando repetidamente os resultados de experiências que contrariam as nossas crenças, continuamos a acreditar nelas. A nossa dificuldade em lidar com o que é aleatório e imprevisível, leva-nos a acreditar em factos que cremos serem reais e sistemáticos quando na realidade não passam de factos ilusórios para os quais apenas temos explicações muito simples e infundadas.

Segundo as teorias cognitivas da ansiedade, os adultos ansiosos tendem a interpretar as situações ambíguas de forma negativa, valorizando o perigo e desvalorizando as suas capacidades de resposta.