Outra birra!

Comportamentos de birraPodemos definir uma birra como sendo a expressão de sentimentos diversificados e intensos através de um comportamento ou reação exagerada, por vezes sem motivação racional.

Para o entendimento do que é uma birra deverão ser levados em consideração fatores como a relação entre a birra e os sentimentos, as características individuais e temperamentais da criança, o contexto, a idade e a etapa do desenvolvimento em que esta se encontra. As birras ocorrem quase inevitavelmente na infância, variando de frequência e intensidade de criança para criança, não havendo á partida distinção por género. Salvo algumas exceções, a idade mais comum para a expressão das birras é entre o ano e meio e os três anos. Esta corresponde a uma fase em que as crianças adquirem autonomia, principalmente na forma como se movimentam, o que lhes permite explorar e tentar dominar o ambiente que as rodeia. Para algumas pessoas pode parecer pouco compreensível o facto de, se a criança já iniciou a marcha e já consegue de alguma forma comunicar pela fala, ainda que de forma restrita, expressar-se “em forma de birra” parece não fazer sentido e habitualmente atribuem a um temperamento difícil o facto de as birras ocorrerem.

BirraMas a comunicação com a criança pode ser difícil uma vez que esta não possui ainda um vocabulário que lhe permita exprimir corretamente os seus sentimentos, ao mesmo tempo que os recursos para lidar com a frustração podem ser ainda limitados. A dificuldade que a criança nesta etapa do desenvolvimento tem para perceber o conceito de futuro e adiar o seu desejo, em conjunto com as fracas competências de resolução de problemas, competem entre si, desaguando por vezes em valentes birras, que tanto desesperam pais e educadores. Por vezes, a única forma que a criança conhece para agir e chamar a atenção do adulto é fazendo birra.

Psicólogo infantilAs birras manifestam-se sobretudo por gritos, choro, agitação motora e por vezes agressão a si mesmo ou aos outros, na forma de pontapés, mordidas ou outras manifestações, numa forma descontrolada onde falha a autorregulação e o controlo das emoções. Perante este quadro, quem é o adulto que nunca perdeu a cabeça e reagiu também ele de forma impulsiva, no sentido de controlar a criança naquele momento? Mesmo parecendo um dos piores dos comportamentos que a sua criança pode apresentar, certo é que as birras, apesar de desagradáveis e frustrantes, não são motivo para alarme, uma vez que não são mais do que a expressão de emoções vindas de um cérebro ainda imaturo e que tendem a desaparecer com o tempo, ou seja, com o decorrer do desenvolvimento da criança. Esta vai adquirindo novas capacidades e passa aos poucos a expressar-se de forma mais adequada.

Birra

No decorrer de uma birra, parece não ser muito eficaz tentar repreender, chamar a atenção ou castigar a criança, muito menos recompensa-la. No momento em que está descontrolada, a criança não vai ter capacidade de ouvir, entender e responder àquilo que lhe é pedido. O ideal será conseguir agir logo no início da birra, momento em que a criança ainda não perdeu o controlo sobre ela mesma, contendo-a para que não se magoe, desviando-lhe a atenção para outra coisa ou levando-a para outro lugar. É muito importante que em presença de uma birra, o adulto se consiga manter calmo, evitar reagir de forma emotiva com gritos, palavras ou gestos bruscos. “Sair de cena” pode ser uma boa opção, desde que a segurança da criança esteja assegurada. Por outro lado, distrair a criança mudando de assunto, de lugar ou utilizando o efeito surpresa, pode ser bastante eficaz. Deverá ser dado tempo à criança para que se aclame e só depois falar com ela de forma calma e clara, no sentido de a entender e de lhe explicar como se poderia ter comportado em vez de fazer uma birra. Não basta parar a situação e repreender a criança, é necessário ensinar-lhe uma alternativa ao comportamento desadequado.

Birra

E nunca deverá ceder! Por muito que possa parecer a melhor opção, não é com certeza. A criança tem que compreender que a birra, os gritos, a desorganização emocional, a falta de controlo e de lucidez do momento não é a forma correta de resolver problemas nem de obter o que pretende. E como em muitas outras coisas da vida, não há nada melhor que a prevenção. Avise antecipadamente a criança quando algo que sai da rotina vai acontecer. Fale de forma assertiva e meiga, explicando o que é esperado dela em termos de comportamento. Por outro lado, por vezes não levar a criança pequena para certos eventos ou situações pode mesmo ser a melhor opção.

Birras

Sempre que aconteçam situações de birra, deixe bem claro à sua criança que o seu amor por ela é incondicional e que do que não gosta é do seu comportamento. Deixe claro que o rigor, a disciplina e as regras que utiliza na educação do seu filho são uma forma de expressar o seu amor por ele. É inevitável que, por vezes, as crianças tentem “esticar a corda” e exceder os limites que lhes foram anteriormente definidos. Porém, com calma, persistência e amor, tudo se consegue… há que nunca desistir.

 

Parece que só passaram 5 minutos…

Psicologia infantilO Frederico tem 11 anos e foi à consulta de psicologia acompanhado pelo pai. O menino apresenta problemas ao nível do comportamento alimentar e uma marcada ansiedade generalizada. Na primeira sessão estava muito tímido, de olhar baixo e com um nervosismo que se notava pelo torcer constante da manga da camisola, e pouco falou. Na segunda sessão, começou a responder melhor às perguntas e a manter contacto visual, embora intermitente. Aderiu às tarefas de desenho propostas e ao longo da sessão foi revelando maior à-vontade e descontração. Na terceira sessão, o Fred (como gosta de ser chamado) revelou-se. Falou dos amigos, do que gostava e do que não gostava de fazer e também das suas preocupações. No final, quando se despede, diz “passou tão depressa esta hora. Parece-me que só passaram cinco minutos…”

Educar, ensinar e respeitar

Disciplinar e educarFalar da educação dos nossos filhos é falar de um tema sensível e por vezes difícil, uma vez que todos queremos fazer o melhor mas nem sempre sabemos como. Se por um lado não existem pais perfeitos, por outro lado também não existem crianças perfeitas. No entanto, pais e filhos podem relacionar-se de forma harmoniosa, amorosa e feliz, respeitando-se mutuamente.

Para que mantenha com os seus filhos uma relação tranquila, agradável e prazerosa, há que nunca esquecer a palavra equilíbrio, e para que haja equilíbrio, é necessário haver disciplina, regras e limites. Disciplinar significa ensinar: ensinar o que fazer, como fazer e quando fazer. Corrigir comportamentos desadequados, dar alternativas e ao mesmo tempo respeitar a perspetiva da criança ou do adolescente, pode ser a chave para o sucesso. Porém, estabelecer limites e fazer cumprir as regras pode não ser tarefa fácil. Uma das formas que pode tornar a tarefa mais acessível é dar o exemplo. As crianças também aprendem por imitação e os pais são os seus modelos mais próximos. Será muito difícil exigir que um filho mantenha o telemóvel fora da mesa do jantar, se os próprios pais passarem a hora da refeição ligados aos seus aparelhos. Este é apenas um exemplo, mas modelar um comportamento pode ser muito mais do que isto. Modelar é dar o exemplo, é fazer bem e ensinar como fazer bem, para que a criança possa aprender com o que vê fazer. Continuar a ler

O psicólogo e o desenho

Avaliação psicológica e o desenhoHá pouco tempo atrás ouvi alguém que dizia “o meu filho vai ao psicólogo só para fazer desenhos”. O tom de crítica era evidente, e, de facto, se a criança é acompanhada por um psicólogo apenas com o intuito de desenvolver as suas competências artísticas, pode realmente ser algo redutor… mas o desenho não é só arte.

O desenho, em contexto de avaliação ou de intervenção psicológica, assume um valor e uma importância que transcendem a mera revelação dos dotes artísticos da criança. O desenho é para o psicólogo um instrumento muito útil na sua prática clínica, quer se trate de avaliação, seleção ou intervenção psicológica. Através do desenho, o psicólogo consegue obter informação acerca do funcionamento da criança, do seu modo de estar perante os outros, do modo como projeta através dos elementos que desenha, o seu temperamento, as suas áreas de conflito, etc. Ao mesmo tempo, com recurso ao desenho, consegue-se facilitar o estabelecimento e a manutenção da relação entre a criança e o psicólogo. A criança por vezes consegue mais facilmente desenhar do que verbalizar. O pormenor ou a falta dele, o modo como adere à tarefa e se empenha nela, o tipo de traço que apresenta, a descrição dos detalhes, entre outros, representados através do desenho, podem fornecer informação relevante acerca da problemática em foco. Continuar a ler