Consumo de álcool e suas tipologias

Portugal é um dos países europeus, onde o consumo de álcool por pessoa com mais de 15 anos é mais elevado (cerca 12.9 litros/ano).Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS, 2014), entre os consumidores de álcool, quase 17% apresenta um consumo excessivo, perto de 10% um consumo de risco e aproximadamente 2% uma dependência do álcool.

Tem cada vez mais vindo a ser observada, uma relação entre o consumo de álcool e inúmeras doenças, com consequências graves tanto ao nível individual como social. O consumo de álcool está na origem de cerca de 6% das causas de morte, quer por acidentes rodoviários, por doenças cardiovasculares, doenças gastrointestinais, diabetes, cancro, traumatismos, morte fetal, cirrose, etc. (OMS, 2014). Um dos principais alvos da ação nefasta do álcool é o cérebro. Muitos são os estudos que comprovam que o álcool é neurotóxico, com efeitos diretos e prejudiciais sobre as células nervosas. Este facto é especialmente relevante nos adolescentes, levando em consideração que o completo desenvolvimento das estruturas cerebrais e a sua maturação ocorrem apenas por volta dos 25 anos.

Para além dos efeitos diretos do álcool no cérebro, também o restante sistema biológico, na infância e adolescência, não está ainda apto para degradar o álcool, sendo por isso o seu consumo, potenciador de défices cerebrais e neurocognitivos, com sérias consequências ao nível da aprendizagem e do desenvolvimento intelectual (memória, raciocínio, atenção, etc.). Tendo esta consciência, cabe-nos refletir acerca deste tema, acerca dos hábitos etílicos de alguns jovens, bem como sobre as consequências que este problema pode trazer, tanto ao nível da saúde física como da saúde mental e da forma como lhes pode afetar negativamente a funcionalidade nos vários contextos de vida.

O Psicólogo/a, enquanto especialista em comportamento humano, pode ter um papel importante na compreensão dos comportamentos relacionados com o consumo de álcool, das motivações para tais consumos e na consciência dos prejuízos a que estes podem estar sujeitos. Após uma cuidada avaliação, o psicólogo/a estará apto a, perante o perfil psicológico do jovem, desenhar um plano de intervenção levando em conta entre outros fatores, os processos de tomada de consciência e da disponibilidade para empreender esforços de mudança. A deteção precoce e uma avaliação compreensiva e não discriminatória deste tipo de problemas relacionados com o consumo de álcool, é sem dúvida um fator potenciador do sucesso do tratamento.

Podemos distinguir várias tipologias de consumo de álcool: consumo de baixo risco; consumo de risco; consumo nocivo e dependência, sendo que cada um destes tipos tem as suas especificidades. No caso do consumo de baixo risco, há um padrão de consumo que se associa a uma baixa incidência de problemas de saúde e sociais. A quantidade máxima de álcool ingerida e tolerada varia de acordo com o com o género, o consumo deve ser repartido nas principais refeições e de modo descontinuado (até 20 gramas de álcool/dia), sendo recomendado um consumo menor pelo género feminino e por pessoas com mais de 65 anos (10 gramas de álcool), sendo também aconselhável não beber, em pelo menos dois dias da semana.

Um consumo de risco implica um padrão de consumo ocasional ou continuado, que se persistir aumenta a probabilidade de ocorrência de consequências prejudiciais para o consumidor (entre 40 a 60g de álcool/dia para os homens e 20 – 40g de álcool/dia para mulheres). O consumo nocivo pressupõe danos à saúde, quer física quer mental, acompanhado ou não de consequências sociais negativas (mais de 60g de álcool/dia para o género masculino de mais de 40g de álcool/dia para o género feminino).

A dependência, caracteriza-se por um padrão de consumo que inclui um conjunto de fenómenos fisiológicos, cognitivos e comportamentais, que podem desenvolver-se após o consumo repetido de álcool. Nomeadamente o desejo intenso de consumir, o descontrolo sobre o consumo, a manutenção do consumo independentemente das consequências, uma alta prioridade dada aos consumos em detrimento de outras atividades e obrigações, o aumento da tolerância e os sintomas de privação quando o consumo é descontinuado. Importa ainda considerar a tipologia de “binge drinking” atendendo ao seu aumento nos últimos anos. Esta, consiste no consumo esporádico mas excessivo de 5 a 6 bebidas no homem e de 4 a 5 bebidas na mulher, numa única ocasião e num espaço de tempo limitado, estando associado a uma maior probabilidade de se sofrer consequências adversas.

Por fim, importa ainda alertar para o perigo do consumo de álcool em casos particulares como, mulheres grávidas ou a amamentar, indivíduos que vão conduzir ou operar máquinas, pessoas que estejam a tomar medicamentos ou em situação de doença ou com diagnóstico de dependência alcoólica. E claro, as bebidas alcoólicas não devem ser consumidas por menores de 18 anos, mesmo que com moderação. Fique atento a si e aos que lhe são próximos, e lembre-se que a sua autoavaliação e autoconsciência podem ser fundamentais para que dê um primeiro passo numa direção segura.

Procure ajuda especializada!

Fontes:

Ordem dos Psicólogos Portugueses (2016). Guia Orientador da intervenção psicológica nos problemas ligados ao álcool.

World Health Organization (2014). Global status report on alcohol and health. Geneva.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s