Este peso que eu carrego

Obesidade adolescenteO Marcelo tem 15 anos e tem um problema grave de obesidade. Foi encaminhado para a Consulta de Psicologia para fazer a avaliação necessária para a decisão de vir a ser  ou não sujeito a uma intervenção cirúrgica bariátrica.

O jovem entra no gabinete com ar de enfado e começa por dizer: “Estou farto disto, o médico disse que me ia operar e agora manda-me para aqui como se eu estivesse maluco. Não sei o que estou aqui a fazer… diga-me lá se vou ser operado ou não, senão é para fazer a operação eu nunca mais cá venho”, diz com agressividade.

É-lhe então explicado o motivo da sua presença na consulta. O Marcelo fica em silêncio, prolonga-se o silêncio, não responde a 2 ou 3 perguntas que a Psicóloga lhe faz. De repente, levanta-se e diz: “Vou-me embora que não estou para isto. Falar consigo não me vai tirar este peso que eu carrego!”

Rói-se de ciúmes…

Adolescente em sessão

A Mafalda é uma menina de 18 anos que está em acompanhamento psicológico há poucas semanas. Procurou ajuda por iniciativa própria e iniciou acompanhamento por estar a viver um processo de luto complicado, pela perda do pai há cerca de oito meses. Além disso tem também uma relação difícil com a mãe.

Vai sempre sozinha às sessões, a mãe leva-a mas fica sempre no carro à sua espera. Um dia, quando a Psicóloga se dirige à sala de espera para a ir buscar, a mãe está com ela. A Psicóloga cumprimenta a mãe e convida-a a entrar. A mãe recusa, diz que não é necessário. A Psicóloga não insiste. Lá dentro, a Mafalda diz: “Ela tinha que vir, ela tinha que ver a cara da pessoa com quem eu falo e a quem conto tudo o que não lhe conto a ela. Rói-se de ciúmes…”

Preciso mesmo…

adição a jogos electrónicosO Rui tem 15 anos e um problema de obesidade e de adição a jogos electrónicos. Anda em Acompanhamento Psicológico para melhorar a sua adesão à dieta, ao plano de exercício físico e para controlo da sua utilização disfuncional dos meios electrónicos de comunicação em geral e em particular da sua consola de jogos.

Questionado sobre os seus comportamentos nessas áreas na semana anterior, o Rui responde: ” Foi mais ou menos… os 2 ou 3 dias depois da consulta faço tudo direitinho como combinamos mas depois vou-me relaxando… preciso mesmo de cá vir todas as semanas para me relembrar das minhas tarefas…”

Alguém que me compreenda

preciso de falarA Filomena tem 16 anos e iniciou  Avaliação Psicológica por apresentar sintomatologia depressiva. Depois de uma primeira sessão com muitos “silêncios” e alguma dificuldade em estabelecer relação, no início da segunda sessão a Filomena verbaliza: “Quando vinha para cá estava nervosa mas agora nem por isso. Como estamos aqui sozinhas é mais fácil para mim falar. Acho que posso falar à vontade, preciso mesmo de falar com alguém que me consiga compreender…”

Ansiedade social

ansiedade social

A Marta tem 13 anos e anda em acompanhamento psicológico por problemas de ansiedade social e baixa autoestima, com grande prejuízo no seu desempenho escolar. Utiliza frequentemente estratégias de evitamento, faltando às aulas por queixas somáticas. Em sessão, a Marta verbaliza:

“Eu acho que fui sempre um bocado tímida mas quando era mais pequena era diferente, éramos todos pequenos e parece que os outros me aceitavam melhor. Agora olham para mim de forma diferente por ser baixa e ter estas borbulhas horríveis (cora). Chego a ter dores de cabeça e vomitar quando chega a hora de ir para a escola…”

Pessoas normais…

Pessoas normais

A Joana tem 9 anos e vem pela primeira vez à consulta por Problemas de Ansiedade. Questionada acerca das funções de uma Psicóloga a Joana responde: “Eu dantes pensava que a Psicóloga tratava os malucos mas agora já acho que não é bem isso. Acho que também trata pessoas normais, como eu”.

Mãe-Monstro

gritar-mãe-830x415-500x250

A Patrícia está em Acompanhamento Psicológico há cerca de 3 meses por dificuldades no relacionamento com a filha adolescente com 17 anos. Após relatar mais uma situação de conflito entre ambas a Patrícia verbaliza: “Sinto-me uma Mãe-Monstro, sabe, uma mãe que só ralha, critica, proíbe e castiga. Preciso de mudar”.

Bater

FRANCE-JUSTICE-SPANK-FESSEE

O Frederico tem 10 anos e está em Acompanhamento Psicológico há 10 meses por apresentar comportamentos de oposição e desafio e dificuldades de concentração e atenção. Os pais do Frederico têm um estilo autoritário e recorrem frequentemente à punição física como forma de lidarem com as dificuldades que sentem na relação com o filho. O Frederico fala sobre um episódio recente de confronto com o pai que resultou numas valentes palmadas e comenta: “O pai bate mas ele pode porque é o pai…”

Cortar a meta

run (1)

A Teresa é uma menina de 12 anos com um problema de obesidade. Anda em acompanhamento psicológico há cerca de 7 meses e tem sido incentivada, entre outras actividades,  a participar nas aulas de educação física, na escola. Na última sessão disse que trazia uma novidade. ” Participei esta semana no corta-mato da escola e  fiquei em último lugar. Mas estou contente porque não desisti. Fui a última a chegar mas consegui cortar a meta” diz a Teresa cheia de orgulho!