Intervenção no luto

Luto e psicologiaO luto éuma reação à perda de um ente querido ou de algo mais abstrato em seu lugar, como por exemplo, o trabalho, um relacionamento, a pátria ou até mesmo uma ideologia.

O modelo dual de intervenção no luto proposto por Stroebe & Schut (1999) tenta compreender as reações dos indivíduos às perdas, sugerindo um modelo de compreensão do processo de se lidar com a perda e de adaptação ao luto. Neste modelo os autores propõem a coexistência de três dimensões ou componentes: (a) orientação para a perda, (b) orientação para o restabelecimento e (c) oscilação. Este processo de adaptação ao luto defende a existência de uma dinâmica de oscilação do indivíduo enlutado entre o confronto orientado para a perda e o confronto orientado para o restabelecimento.

Intervenção psicológica no lutoNo conforto orientado para a perda o enlutado disponibiliza-se para elaborar a perda, vivenciar a dor, a ausência, os medos, traduzindo-se numa abertura para trabalhar estes aspetos. O confronto orientado para o restabelecimento diz respeito ao investimento na vida e na realidade que o rodeia, traduzindo-se na reorganização da vida. Este processo dinâmico é fundamental para uma adaptação satisfatória, funcionando como um mecanismo regulatório que integra e organiza internamente, quer o confronto orientado para a perda, quer o confronto orientado para o restabelecimento.

Psicologia no apoio ao lutoConsiderar em simultâneo as duas dimensões é muito difícil, mas como é necessário atender a ambas, a oscilação é um processo indispensável e, muito possivelmente, um dos melhores informativos do desenvolvimento da experiência do luto. O valor que os autores atribuem ao processo de oscilação, tratando-se de um processo de ‘coping’ (lidar com), que regula os esforços de adaptação do indivíduo, em paralelo com a proposta de que um ‘coping’ adaptativo seria constituído tanto por stressores de perda como de restabelecimento, que se traduz numa oscilação enquanto indicador do processo.

LUTOA tomada de decisão por parte do enlutado, está sempre presente na medida em que pode optar pela atenção dada ao stresse gerado pela perda ou pela supressão da dor e centrar-se na adaptação a uma realidade externa alterada. Partindo deste modelo, o psicoterapeuta assume o papel de facilitador, sensibilizando os seus clientes na tomada de decisão inerente a este processo ativo, ajudando-os a discriminar as implicações que advêm de cada uma das suas decisões, que podem ser tomadas de uma forma consciente ou inconsciente.

A elaboração do luto continua a ser necessária e o tipo de vinculação à pessoa falecida constitui um fator altamente determinante nas intervenções com enlutados. O indivíduo enlutado deve tornar-se capaz de aceitar a realidade da perda e reorganizar a sua vida sem o objeto perdido. Vários autores defendem que, quanto mais complicado for o processo de luto, maiores serão as hipóteses de que a psicoterapia contribua para resultados satisfatórios.

Apoio psicológico no lutoAssim, as intervenções com pessoas enlutadas devem ser principalmente dirigidas para pacientes com riscos sociodemográficos e circunstanciais, sejam elas pessoas sem apoio familiar, social e financeiro, que vivam sós ou cujo luto seja consequência de mortes violentas, traumáticas ou em massa. Parece também relevante dar especial atenção a situações de mães e esposas, sobretudo se a relação com o falecido tiver características de dependência. Indivíduos que apresentem ideação suicida devem ser considerados prioridade, assim como os que manifestaram transtornos psiquiátricos prévios à perda. Sujeitos que tenham sido vítimas de abuso ou negligência parental na infância podem igualmente obter grandes benefícios com a psicoterapia.

Processos de luto

“Para além da felicidade e do rir, também a tristeza e o chorar, são elementos intrínsecos ao facto de estar vivo, bem como na elaboração das perdas significativas”.

 

 

Bibliografia

Barbosa, A., (2013). Olhares sobre o Luto. Lisboa: AIDMFL.

Parkes, C.M. (2006). Love and loss: The roots of grief and its complications. London: Routledge.

Stroebe, M. S., & Schut, H. (1999). The dual process model of coping with bereavement: Rationale and description. Death Studies, 23, 197-224.

 

A adolescência e o processo de separação/individuação: três olhares

AdolescentesA adolescência corresponde a uma fase do desenvolvimento que começa com a entrada na puberdade. Tem por isso um início biológico marcado por transformações às quais o indivíduo tem que se adaptar. O final da adolescência poderá ser determinado pela independência do jovem em relação aos pais, logo tem um carácter psicossocial.

A adolescência é uma fase de paradoxos uma vez que há uma inconstância de sentimentos e emoções que levam o jovem a oscilar entre o desejo de estar só e a vontade de sentir atenção e companhia, “Entre o medo e o desejo de crescer” (M. Fleming, 2005). Em termos psicológicos, a tarefa básica do adolescente é a aquisição do sentimento de identidade. Descobrir e experimentar coisas novas, assim como ensaiar vários papéis característicos do adulto, são tarefas típicas deste período. Para isso é fundamental que o contexto relacional do adolescente lhe forneça a segurança e o apoio necessário à experimentação e à sua estruturação enquanto individuo. Os estudiosos desta matéria defendem diversas teorias e modelos, sendo vários os autores portugueses que têm dado o seu contributo para o estudo do processo de separação/individuação na adolescência. Apresento neste texto três olhares psicodinâmicos sobre esta temática, de três psiquiatras e psicanalistas portugueses, cada qual com as suas particularidades e especificidades.

Separação/IndividuaçãoSegundo Carlos Amaral Dias, a adolescência é um período de espera moratória concedido ao adolescente enquanto não se encontra com aptidão para satisfazer os compromissos da vida adulta. O autor refere ainda que a adolescência é uma fase organizadora do psiquismo em que há um desinvestimento nos laços de dependência narcísica que anteriormente uniam a criança às suas figuras parentais, através de um processo de luto, que dá ao jovem a possibilidade de estar só e de ultrapassar de forma positiva o processo de separação/individuação. Em relação a este processo, o autor introduz uma ideia original, com base na obra de Bion e Meltzer, na medida em que defende que o adolescente rejeita o continente parental, isto é, a disponibilidade que os pais poderão ter para acolher conteúdos não transformados que recebem dos filhos através da identificação projetiva, conferir-lhes significado e a dirigi-los novamente para o filho de modo a que este já o possa assimilar. Para este autor, o adolescente, na fase de separação/individuação passa por dois processos de luto, na medida em que perde o self parental ao adquirir autonomia das figuras parentais e também o luto pelo grupo no sentido de conseguir individualizar-se e constituir-se enquanto ser com capacidade de estar com os outros mas também de estar só, consigo próprio.

Separação/IndividuaçãoNa perspetiva de Eurico Figueiredo, o conflito de gerações é indispensável à estruturação do indivíduo, sendo que o conflito é articulado por duas problemáticas distintas. Por um lado a idealização vs. desidealização das figuras parentais e por outro lado o narcisismo ou amor-próprio. Durante a infância a criança idealiza as figuras parentais e interioriza esse objeto que mais tarde, na adolescência lhe vai causar deceção ao olhar com outros olhos os pais reais. Isto leva a uma relação de conflito – o conflito de gerações. A realidade parental apresenta-se como uma dupla ameaça pois por um lado há uma renuncia precoce a um ideal que é do agrado do jovem e por outro lado há uma ameaça de depressão causada por um luto interno de desejos e ambições que o jovem receia não poder vir a concretizar, ou seja, ao mesmo tempo que o indivíduo renuncia a algo que o fez feliz na infância ele teme também não conseguir realizar as suas aspirações de adolescente. Este autor defende que no conflito de gerações há uma luta pelo amor-próprio. Por parte dos pais porque temem perder o amor dos filhos ao qual se habituaram durante a infância e por parte dos filhos porque lutam pelo seu amor-próprio que ficou perturbado pela desidealização dos pais. Eurico Figueiredo defende que a separação psicológica da família de origem é universal e deverá traduzir-se em aquisições psicológicas também elas universais (Fleming, M., 2005). Estes conflitos têm uma natureza evolutiva entre vários polos: autonomia vs. dependência, desautorização vs. submissão e desidealização vs. idealização, sendo que o primeiro polo deverá predominar à medida que o indivíduo se torna adulto.

Separação/Individuação

Por último, a perspetiva de Emílio Salgueiro. No que concerne a adolescência e ao processo de separação/individuação, o autor discorda da teoria da desvinculação ou desinvestimento do jovem adolescente às figuras parentais. Para ele os pais ganham importância e tornam-se figuras complexas ajudando a remodelar os objetos internos primordiais (Fleming, M., 2005). Isto é, refere que os pais ganham relevo na medida em que auxiliam o jovem a conferir uma nova forma aos objetos internos iniciais que irão ser o suporte para a sua vida adulta. O autor salienta que o amor pelos pais não desaparece, porém por vezes toma a forma de ódio positivo, sentimento inseparável do amor positivo, causado pela deceção dos pais idealizados na infância face aos pais reais. Se por um lado o adolescente se vê impelido a reagir contra os pais, por outro lado a confiança e segurança que estes lhe oferecem irá ser fundamental na consolidação da sua individuação.

 

Processo de separação/IndividuaçãoEmbora o processo de separação/individuação seja complexo, contraditório e pleno de obstáculos, ele é indispensável para que os adolescentes entrem no mundo dos adultos com a maturidade necessária para enfrentarem as novas situações e vivências com que se irão deparar na vida adulta.

 

 

Fontes:

Amaral Dias, C. & Nunes Vicente, T. (1981). A depressão no adolescente. Porto: Edições Afrontamento.

Fleming, M. (2005). Entre o medo e o desejo de crescer. Porto. Edições Afrontamento.

Sprinthall, N. & Collins, W., (2003). Psicologia do Adolescente: Abordagem desenvolvimentista. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.