Ensinar e aprender

O desejo de saber e a capacidade para aprender são características inatas do ser humano. Desde os primeiros dias de vida, as crianças utilizam as suas capacidades motoras, percetuais e sensoriais, para exercerem influência sobre os outros e sobre tudo o que os rodeia. É assim que identificam, apreendem e compreendem os vários ambientes onde se inserem, desenvolvendo competências físicas, cognitivas e sociais.

Quando as crianças entram na idade dos porquês, por volta dos 4 anos, isso não é mais do que a exploração da sua curiosidade, do seu desejo de saber. Na entrada para a para a escola, todo um novo mundo se abre às crianças. Mas será que o modelo clássico de escola e de ensino essencialmente expositivo, mata, aproveita ou incentiva o desejo de saber das crianças dos nossos dias? Supostamente a escola é uma fonte privilegiada de informação, onde as crianças têm acesso ao conhecimento e onde se dão, sem dúvida alguma, importantes processos de aprendizagem. Os professores são os grandes atores deste teatro de ensinamentos e conhecimentos, mas também os pares têm um papel muito significativo. Todas as experiências que ocorrem em contexto escolar, não só dentro da sala de aula mas também de recreio, são fontes de aprendizagem relevantes. No entanto, sem vontade e sem motivação não se aprende, não há aquisição de conhecimentos, ou se há, pode não ser suficientemente sólida e duradoura.

Continue a ler “Ensinar e aprender”

Resolução criativa de problemas

A criatividade é um conceito abstrato que envolve a produção de ideias originais. É um processo que se desenvolve através da combinação do conhecimento já existente com novas aquisições ou com perspetivas inovadoras de conhecimentos anteriores, ou ainda, através de um rompimento com o passado, emprestando o que já se conhece a novos conceitos.

A criatividade pode ser utilizada para diversos fins e em diferentes contextos de vida. Há quem revele a sua criatividade pela expressão artística, pela forma como se relaciona socialmente com os outros, como desempenha as suas funções laborais ou como resolve os seus problemas. A resolução criativa de problemas encerra em si várias etapas, que devem ser ultrapassadas uma a uma, de forma ordenada, no sentido de potenciar uma resolução adequada e adaptativa. O primeiro passo é a compreensão do problema. Não podemos resolver um problema se não o compreendermos ou não o entendermos como tal. Essa compreensão passa por uma descoberta objetiva dos factos, como por exemplo a gestão do tempo e o estabelecimento de prioridades. Imaginemos que o problema se relaciona com o facto de termos que desempenhar muitas tarefas e muito diversificadas, com limitações de tempo, o que causa muita ansiedade e desconforto. Entendemos o problema, sabemos a sua causa e provavelmente intuímos como seria melhor a nossa qualidade de vida, resolvendo o problema. No entanto, podemos não saber como fazer…

Continue a ler “Resolução criativa de problemas”

Inteligência emocional e gestão de conflitos

A comunicação e as relações interpessoais nem sempre são fáceis e por vezes implicam ter conversas difíceis, sobre assuntos igualmente difíceis e que podem ferir suscetibilidades ou gerar conflito, tanto a nível pessoal e familiar como profissional.

O conceito de inteligência emocional pressupõe a capacidade de se identificar emoções, dos próprios e dos outros, bem como saber geri-las de forma adaptativa. Deste modo, a gestão de conflitos está incluída nesta competência tão necessária á nossa adaptação aos desafios do dia-a-dia. Por vezes, evitar ou adiar uma “conversa difícil” pode ser protetor e adequado naquele momento, no entanto, só resolve o problema a curto prazo. Se o assunto é realmente importante, mais cedo ou mais tarde terá que ser abordado e se pensarmos bem, quanto mais cedo for esclarecida uma dúvida, resolvido um mal-entendido ou esclarecida uma confusão, mais cedo a nossa paz interior será reestabelecida.

Continue a ler “Inteligência emocional e gestão de conflitos”