A adolescência e o consumo de álcool

Impelidos pela curiosidade, pressão dos pares, busca de novas sensações, necessidade de se alhearem dos seus problemas, auto-descoberta, definição da identidade e consequente assunção de comportamentos de oposição à autoridade parental, muitos são os jovens que experimentam e consomem álcool, tabaco ou outras substâncias psicoativas. Estes comportamentos põem em risco a sua saúde física e psicológica, não só presente mas também futura.

Os jovens encontram nos seus pares os seus modelos de identificação, adotando os comportamentos do grupo uma vez que na maioria dos casos e devido à sua imaturidade cerebral, principalmente das estruturas do córtex pré-frontal, os adolescentes não têm ainda a capacidade de compreender as potenciais consequências dos seus atos.

O consumo de álcool, na adolescência, muitas vezes vai para além da experiencia e torna-se abusivo, logo, prejudicial. É considerado abuso, um padrão comportamental muito pouco adaptativo, com a duração superior a um mês, em que um jovem continua a consumir uma substância mesmo conhecendo a sua perigosidade. Este padrão de comportamento desadequado e arriscado inclui, por exemplo, a condução de veículos após o consumo de álcool, o que coloca em risco a sua vida e a de terceiros. Um dos perigos da experiencia do consumo de substâncias psicoativas é o perigo de se tornar abusivo ou até mesmo de levar o adolescente à dependência. Esta pode ser fisiológica, psicológica ou ambas e o mais provável é que se não houver intervenção, se prolongue pela idade adulta.

Continue a ler “A adolescência e o consumo de álcool”

Síndrome do X-Frágil, o que é?

X FrágilA Síndrome do X-Frágil é uma doença genética associada ao cromossoma sexual X, sendo a causa hereditária mais comum para o défice cognitivo, antigamente designado por atraso mental.

A síndrome do X-Frágil tem na sua origem uma alteração na estrutura do ADN num gene específico, o FMR-1, que o impede ou dificulta a produção da proteína FMRP. Esta proteína ajuda a regular a produção de outras proteínas que influenciam o desenvolvimento das sinapses, isto é, as conexões especializadas entre as células nervosas e fundamentais para a neuro-transmissão. O grau de dificuldade na produção da referida proteína ou mesmo a impossibilidade de a produzir, é que vai determinar o nível do défice intelectual, ou seja, se é ligeiro, moderado ou acentuado. Pode ainda ocorrer que algumas pessoas sejam apenas portadoras, tendo apenas um pequeno defeito no gene FMR1, conhecido como pré-mutação, não apresentando os sintomas característicos da Síndrome do X-Frágil. Esta doença deriva da alteração de um único gene e pode ser transmitida à geração seguinte. É uma síndrome mais comum nos rapazes do que nas raparigas, pelo facto de estes possuírem apenas um cromossoma X. No caso dos rapazes, o défice cognitivo é tendencialmente mais acentuado do que nas raparigas.

Síndrome X FrágilOs sintomas apresentados pelos indivíduos afetados pela Síndrome do X-Frágil são físicos e comportamentais. Em relação aos sintomas ou características físicas destacam-se a cabeça grande, as orelhas grandes ou salientes, a fronte proeminente e a face alongada. Habitualmente estes indivíduos apresentam baixo tónus muscular, pé plano e o céu-da-boca elevado e com uma curvatura acentuada. No que diz respeito às características comportamentais salientam-se o défice cognitivo, que como já foi referido pode variar desde perturbações ligeiras de aprendizagem até ao défice cognitivo profundo. Associam-se a esta síndrome as dificuldades de atenção e concentração, bem como a hiperatividade. Timidez, ansiedade social, dificuldade em manter contacto ocular e oscilações do humor podem também ser características das pessoas afetadas por esta síndrome. Estas apresentam também frequentemente atitudes de defesa tátil devido à hipersensibilidade sensorial. A mordedura das mãos e os movimentos estereotipados fazem também parte das características físicas. É de referir ainda como associadas a esta síndrome, as dificuldades de linguagem e por vezes as perturbações do espectro do autismo.

Síndrome do X FrágilNão é ainda conhecida uma cura para este problema, uma vez que se trata de uma doença genética. No entanto, as crianças diagnosticadas com a Síndrome do X-Frágil podem beneficiar de uma intervenção precoce ao nível da educação, com os apoios adequados disponíveis no ensino regular, ao invés de serem institucionalizadas em centros de apoio para deficientes. Terapia da fala, terapia ocupacional e psicoterapia podem também fazer a diferença na vida destas crianças, a par da intervenção farmacológica. Todos estes apoios podem potenciar a sua funcionalidade e explorar os seus pontos fortes. Pessoas com Síndrome do X-Frágil são frequentemente empáticas, com bom sentido de humor, boa memória e tendem a interessar-se intensamente por vários temas. Não havendo a possibilidade de curar a doença, há sempre a possibilidade de reduzir os seus efeitos negativos agindo sobre os sintomas a ela associados. A intervenção com crianças com Síndrome do X-Frágil é fundamental no sentido de potenciar o seu rendimento escolar, adaptação sócio-emocional e qualidade de vida.

 

Sugestão:

Click to access Perspectiva%20das%20familias_millenium47.pdf

 

Cérebro – o órgão onde tudo acontece!

Cérebro

O cérebro e o corpo são inseparáveis e ligam-se um ao outro através de circuitos bioquímicos e neuronais, envolvendo-se numa relação de reciprocidade. Os  nervos motores e sensoriais periféricos transportam sinais das diversas partes do corpo para o cérebro, e do cérebro para todas as partes do corpo. O cérebro lê os sinais, interpreta-os e responde, como pode.

No ser humano, de todos os sistemas de que é composto, o Sistema Nervoso (SN) é sem dúvida o mais complexo e sofisticado. A unidade funcional e estrutural deste sistema, também conhecida como célula neural ou neuronal, é o neurónio. É a unidade base do SN sendo o seu diâmetro de uma dimensão extremamente reduzida e existindo na ordem dos biliões no cérebro humano. Os neurónios diferem entre si no que diz respeito à sua localização, dimensão e funções. Cada neurónio tem uma morfologia adaptada à receção, integração, transmissão e ao processamento de sinais. Estes sinais são transmitidos por meio de estruturas altamente especializadas, que fazem a transmissão de um impulso nervoso de um neurónio para outro – as sinapses. Este impulso pode ser integrado, bloqueado e modificado de duas formas diferentes: as sinapses químicas, que são as mais frequentes no ser humano, e as elétricas. As sinapses químicas pressupõem a presença de neurotransmissores que são compostos químicos produzidos pelos neurónios e comunicados pelas sinapses, os quais são responsáveis por transmitir as informações necessárias para as diversas partes do corpo.

NeurotransmissãoO SN é o nosso grande comandante e é responsabilidade sua, a coordenação de toda e qualquer ação voluntária ou não, assim como a transmissão de sinais a todos os outros sistemas presentes no organismo, como o sistema motor, sensorial, cognitivo e a integração entre todos eles. O SN divide-se em 3 partes e são elas o Sistema Nervoso Central (SNC), o Sistema Nervoso Periférico (SNP) e o Sistema Nervoso Autónomo (SNA). Fazem parte do SNC o cérebro e a espinal medula. O SNP é formado principalmente por nervos (cranianos e espinais), gânglios e recetores sensoriais. O SNP divide-se ainda noutros dois subsistemas, o sistema nervoso somático (nervos sensoriais e motores) e o sistema nervoso autónomo que por sua vez engloba outros dois constituintes, o simpático e o parassimpático. Descrito assim mesmo de uma forma simplificada, percebe-se que o assunto é realmente complexo. Coloquemos então o foco no SNC, mais precisamente no cérebro – o órgão onde tudo acontece!

Neurónio

O cérebro divide-se em 4 partes, os lobos. O lobo frontal é o maior e é responsável pelos movimentos físicos, assim como pelas funções da aprendizagem, do pensamento, da memória e da fala. O lobo parietal é responsável pela perceção espacial e pela transmissão da informação sensorial como a dor, o calor ou o frio. O lobo temporal responde pelos estímulos auditivos e o lobo occipital recebe e processa as imagens visuais. Dividindo o cérebro ao meio, este apresenta uma função contra lateral, ou seja, a metade esquerda do cérebro controla o lado oposto do corpo (lado direito) e as funções do lado esquerdo do organismo são comandadas pela metade direita do cérebro. A lateralidade cerebral define que cada hemisfério controla determinadas funções (ex. o hemisfério direito confere a capacidade de reconhecer rostos e objetos e o esquerdo comanda a capacidade de leitura e escrita). Assim, o cérebro é o comandante de todas as funções e sentimentos, como os movimentos corporais, a memória e emoções. É a ação conjunta das várias partes do cérebro que permite ao ser humano capacidades como a marcha, a fala e a capacidade de pensar, sentir e amar.

Neurotransmissão

O cérebro é um órgão muito curioso e tem características e particularidades muito suas. Embora seja o responsável pela transmissão dos sinais e pela interpretação da sensação de dor, o cérebro em si é indolor. Sendo um orgão que pesa menos de 2 quilos, tem cerca de 160 000 quilómetros de vasos sanguíneos. O cérebro consome muita energia, embora o seu peso represente apenas cerca de 2% do peso total do corpo, ele gasta cerca de 25% de toda a energia de que o corpo humano necessita para funcionar. Este grande consumo de energia parece dever-se à manutenção dos processos relacionados com o pensamento e os processos corporais, sendo parte dela possivelmente investida na manutenção da saúde das células cerebrais.

Neurotransmissão

Estudos acerca do funcionamento cerebral por género revelam que o cérebro das mulheres é diferente do dos homens, ou seja, parece estar efetivamente comprovado que o cérebro das mulheres é mais orientado para as emoções e para a subjetividade, enquanto o dos homens parece ser mais racional e objetivo. O cérebro dorme mas não para. É durante os períodos de sono que o cérebro humano mais trabalha, conseguindo mesmo assimilar informação. Esse trabalho cerebral está relacionado com a atividade onírica, ou seja o sonhar. Com o avançar da idade, observam-se determinadas alterações no cérebro humano e algumas das suas partes começam a diminuir de forma natural, à qual se associa uma perda neuronal. As zonas cerebrais responsáveis pela regulação dos processos cognitivos como a memória, começam a diminuir por volta dos 65 /70 anos de idade o que pode conduzir à redução da plasticidade cerebral e da capacidade de adaptação dos indivíduos.

CérebroVoltando aos neurónios, a ideia de que estes não se reproduzem nem se dividem e que são insubstituíveis, foi durante muito tempo uma verdade absoluta. No entanto, alguns estudos mais recentes têm vindo a apontar para a possibilidade de haver um processo de neurogénese adulta, ou seja, a capacidade de se criar e reforçar os neurónios em idade mais tardia, através de uma série de práticas relacionadas aos hábitos vida saudáveis ao longo do tempo. A prática de exercício físico de corrida ou resistência, a dieta mediterrânica e a estimulação cognitiva, podem ajudar a manter o cérebro saudável. A aprendizagem facilita as conexões entre as diferentes áreas do cérebro e por isso pode constituir-se como um fator protetor contra a neuro degeneração. Porém, a neurogénese adulta, a ser uma realidade, tem um papel limitado incapaz de corrigir lesões cerebrais graves. A investigação e a ciência estarão decerto atentas a este problema e irão continuar a fazer esforços no sentido do prolongamento da saúde neuronal.

Cérebro

Até lá e pelo sim, pelo não, cuide-se para envelhecer melhor!

 

 

 

S

Autismo: doença ou condição?

AutismoSegundo o Manual de Diagnóstico e Estatística (DSM-5), as Perturbações do Espectro do Autismo incluem-se no quadro das Perturbações do Neurodesenvolvimento, que tipicamente se manifestam durante o período pré-escolar e que se caracterizam por défices do desenvolvimento que condicionam o funcionamento a nível pessoal, social, escolar e ocupacional. Estas dificuldades diferem consoante o nível da perturbação e podem variar desde limitações muito específicas na aprendizagem ou no controlo das funções executivas, até aos défices globais da inteligência ou das competências sociais.

Especificamente, as Perturbações do Espectro do Autismo caracterizam-se por défices persistentes na comunicação e interacção social, transversais a vários contextos de vida da criança, que se manifestam habitualmente por dificuldades na reciprocidade social-emocional (ex. partilha reduzida de interesses), nos comportamentos comunicativos não-verbais (ex. falha do contacto ocular) e dificuldade em iniciar e manter relacionamentos (ex. ausência de interesse nos pares). Esta condição caracteriza-se também por padrões de comportamento restritos e repetitivos de interesses e actividades, e que se podem manifestar por exemplo, por movimentos motores estereotipados e repetitivos, inflexibilidade para a alteração de rotinas, dificuldade de adaptação às mudanças, interesses altamente intensos, restritos e fixos e reactividade nula ou excessiva a estímulos sensoriais (sons, cheiros, luzes…). A gravidade da perturbação baseia-se nas deficiências na comunicação social e nos padrões de comportamento.

AspergerOs sintomas deverão estar presentes no início do período do desenvolvimento da criança, podendo não ser de fácil identificação até que as exigências sociais excedam as suas capacidades limitadas e deverão causar um prejuízo clinicamente significativo no funcionamento social ou ocupacional do indivíduo. Podemos encontrar 3 níveis de gravidade, dentro deste tipo de perturbações. O nível 1 caracteriza-se por défices na comunicação social que causam prejuízos visíveis, como a dificuldade em iniciar interacções sociais, respostas atípicas às interacções dos outros e aparente falta de interesse nessas mesmas interacções que se reflecte principalmente na dificuldade em fazer amigos. Também a inflexibilidade do comportamento causa interferência significativa no funcionamento da criança, em pelo menos um dos contextos (ex. escola). O nível 2 da perturbação pressupõe défices marcados nas competências verbais e não-verbais de comunicação social, limitações em relacionamentos sociais, respostas reduzidas ou atípicas às tentativas de interacção dos outros e comunicação não-verbal marcadamente estranha. Este nível caracteriza-se ainda pela dificuldade e angustia em lidar com a mudança de foco ou de actividade. No nível 3 da perturbação os indivíduos revelam graves e acentuados défices na comunicação quer verbal, quer não-verbal, manifesta por exemplo por apenas conseguirem dizer muito poucas palavras de forma perceptível e por as suas interacções sociais serem muito raras e incomuns. A dificuldade em lidar com a mudança e com a imprevisibilidade é extrema, e a mudança de foco ou de acção provoca enorme angustia e dificuldade, expressa por vezes por extrema reactividade.

AutismoPode dizer-se que as pessoas que vivem no nível 1 desta condição, também descrito como Sindrome de Asperger, percebem o mundo e interagem com as outras pessoas de um modo diferente. O seu funcionamento neurocognitivo é diferente e por isso o seu comportamento também é diferente. No entanto, o seu rendimento intelectual encontra-se habitualmente num nível médio, podendo em alguns casos estar mesmo acima da média. Porém, também é muito comum, apresentarem dificuldades específicas de aprendizagem, necessitando de apoio psicopedagógico especializado. Os indivíduos com Síndrome de Asperger têm dificuldade em ler e interpretar as outras pessoas e em reconhecer ou compreender os sentimentos, emoções e as suas intenções. Do mesmo modo têm dificuldade em expressar as suas próprias emoções, tornando-se muito difícil a interacção social. O mundo pode parecer um lugar muito confuso e cheio de imprevistos com os quais é difícil lidarem. Preferem ter uma rotina diária bem estruturada e rígida, para que saibam exactamente o que lhes vai acontecer em cada dia. O uso de regras também é muito importante, porém, pode ser difícil para alguém com Síndrome de Asperger ter uma abordagem diferente para uma única situação. Uma vez que aprendem determinada regra relacionada uma situação, é para eles complicado assumir outra forma de lidar com a mesma situação mas em contextos em que seja suposto agir de forma diferente. Estes indivíduos têm habitualmente interesses intensos e altamente focados, por vezes desde uma idade muito precoce. Estes interesses podem mudar ao longo do tempo ou manter-se ao longo do ciclo de vida e entre os mais comuns encontram-se por exemplo,  o desenho, a pintura, a música, o interesse por automóveis e computadores, ou até mesmo o interesse pelos estudos.

AutistaAs Perturbações do Espectro do Autismo não são doenças e não têm cura mas as pessoas que se encontram nesta condição, poderão ser apoiadas tendo em vista o aumento das suas competências sociais e a sua melhor adaptação aos diversos contextos de vida, para que possam ser mais felizes. Assim, a intervenção psicológica orientada para os aspectos comportamentais e para o ensino e treino de competências sociais pode ser benéfica. Os diversos aspectos da linguagem, da postura, da comunicação e da socialização, podem ser melhorados bem como a capacidade de reconhecer os seus próprios sentimentos e emoções, assim como as dos outros, no sentido do desenvolvimento da empatia.

Embora não existam medicamentos específicos para se tratar esta perturbação, em alguns casos, a utilização de fármacos para a ansiedade, depressão ou para a perturbação de hiperactividade, pode trazer benefícios. Por outro lado, a atenção, carinho e compreensão, por parte de familiares, amigos, professores e todos os elementos presentes nos diversos contextos de vida da criança, assim como a informação acerca da perturbação e de como lidar com ela, pode ser uma enorme mais-valia para se lidar com as dificuldades decorrentes desta condição. A título de curiosidade, destaco algumas personalidades que foram identificadas como portadoras do Síndrome de Asperger e que se destacaram pelas melhores razões: Einstein, Steven Spielberg, Bill Gates e Lionel Messi.

Autismo

 

 

Fonte: DSM-V – Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (Quinta edição) de American Pshychiatric Association.