Escola, desempenho, socialização e (des)motivação

A Psicologia tem dado ao longo dos tempos um forte contributo para a melhoria do ensino e da aprendizagem em sala de aula. Sabe-se que o bem-estar emocional influencia positivamente o desempenho escolar, a aprendizagem e o desenvolvimento das crianças e dos jovens.

O ensino e a aprendizagem estão intrinsecamente relacionados com fatores sociais e comportamentais do desenvolvimento, incluindo a cognição, a motivação, a interação social e a comunicação. Uma avaliação da saúde psicológica poderá ser de grande importância, não só em termos de prevenção, como no desenvolvimento de estratégias de intervenção, no sentido de melhorar o desempenho escolar e académico, as relações familiares e com os pares, e, consequentemente, a satisfação dos jovens com a vida. Promover o bem-estar emocional de crianças e jovens, irá certamente potenciar o sucesso da sua funcionalidade diária, bem como o sucesso do seu desempenho, tanto em sala de aula, como no restante ambiente escolar e não só…

Continue a ler “Escola, desempenho, socialização e (des)motivação”

Emoções, sentimentos e gestão emocional

Podemos definir emoção como uma experiência subjetiva, que envolve a pessoa na sua totalidade: mente e corpo. Do ponto de vista neurológico, a emoção é descrita como uma variação psíquica e física, que tem origem num estímulo, avaliando-o e reagindo a ele.

As emoções são um modo natural de avaliação do meio envolvente, e a sua reação é consequência de uma adaptação. As emoções podem falar por nós, na medida em que são reveladoras da forma como nos sentimos e de como encaramos a vida. São estados de curta duração e onde estão incluídas a alegria, a tristeza ou o medo, entre muitas outras. Quando falamos de raiva, nojo, alegria, tristeza, surpresa ou medo, estamos a referir-nos a emoções básicas ou primárias, pois são aquelas não necessitam de reflexão ou introspeção. São inatas e estão ligadas ao instinto e à sobrevivência, e, por isso, surgem de forma súbita e inesperada e são de fácil definição pelo facto de serem rapidamente identificadas pelo indivíduo, independentemente da cultura a que pertence. As emoções secundárias ou sociais implicam uma tomada de consciência de si. Resultam das nossas aprendizagens e fazem uso das emoções primárias. No entanto, podem variar de acordo com o contexto cultural. São exemplos de emoções secundárias a vergonha, o ciúme, a inveja, a empatia, o embaraço, o orgulho ou a culpa.

Embora as emoções tenham uma função social, nem sempre são funcionais ou adaptativas, isto é, por vezes, não têm o efeito social desejado ou expetável. Emoções como a raiva ou o desprezo podem apresentar um papel social disfuncional, interferindo negativamente nas relações interpessoais. Por outro lado, a ausência de emoções é igualmente negativa, pois compromete a racionalidade e promove a apatia e a inadequação, perturbando igualmente as dinâmicas sociais. As emoções têm a importante função de guia interno, ou seja, contribuem para transmitir o que sentimos aos outros, o que por sua vez, vai orientar os seus comportamentos.

Emoções e sentimentos são conceitos distintos. Basicamente, a emoção é um conjunto de respostas químicas e neuronais, que surgem quando o cérebro é submetido a um estímulo ambiental. O sentimento é uma resposta à emoção, ou seja, refere-se à forma como a pessoa se sente diante de tal emoção. Assim, apesar de distintos, emoção e sentimento estão intimamente relacionados.

Como sabemos, as emoções podem ser positivas ou negativas. As primeiras resultam do reconhecimento do significado de estados positivos e as segundas de estados negativos. A capacidade necessária para dar resposta às exigências do contexto social imediato, e que nos ajuda a atingir os nossos objetivos, a lidar com os desafios que vão surgindo e a reconhecer como a comunicação das emoções e a sua revelação, afetam as relações é a competência emocional. Esta inclui a ativação e utilização de emoções positivas, que por sua vez, potenciam as relações sociais, o bem-estar pessoal e os comportamentos adaptativos. Inclui também as emoções negativas, que influenciam a aprendizagem e a memória, promovendo o desenvolvimento de empatia e de comportamentos socialmente desejáveis.

Lidar com as emoções pode não ser tarefa fácil, requerendo por vezes aprendizagem e treino de estratégias, ou seja, o desenvolvimento da inteligência emocional. E o que é isto de inteligência emocional? É a competência que permite sentir, compreender, controlar e alterar, de forma organizada, quer o seu próprio estado emocional, quer o dos outros. É sabermos identificar as nossas emoções e as dos outros, e saber fazer uma gestão das mesmas de modo a manter a funcionalidade e a harmonia, quer connosco próprios, quer na relação com o outro.

Gestão emocional ou controlo emocional, ou ainda autorregulação emocional, significa reconhecer o sentimento quando ele está a acontecer. Cada um de nós precisa de estar recetivo a experienciar os seus estados de espírito e as suas emoções, para depois conseguir dar a origem aos sentimentos desejados, tanto em si como nos outros. O que se pretende com a gestão emocional, não é eliminar as emoções negativas e substituí-las por emoções positivas, mas sim influenciar a dinâmica de cada emoção, de modo a que sejam produzidas respostas adaptativas ao contexto e à situação.

Conheça-se melhor, aprenda a identificar e a lidar de forma adaptativa com as suas emoções, e, seja feliz!

Fontes:

Bueno, J. M.H. & Primi, R. (2003). Inteligência Emocional: um estudo de Validade sobre a Capacidade de Perceber Emoções. Psicologia: Reflexão e Critica, 16(2), pp. 279-291.

Ceitil, M. (2007). Gestão e Desenvolvimento de Competências. Lisboa: Edições Sílabo.

Praticar a empatia

As relações pessoais são essenciais ao ser humano. Com elas podem vir as maiores alegrias, aprendizagens e partilhas. No entanto, muitas vezes são também fonte de discórdia, tensão, mágoas ou sentimentos de incompreensão. A empatia permite-nos colocar no lugar do outro e melhorar significativamente as relações, as interações e a nossa própria satisfação com os outros e com a vida.

A empatia é a capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, de “calçar os seus sapatos” e o perceber emocionalmente, com o objetivo de estabelecer uma ligação profunda e verdadeira. É a capacidade de nos identificarmos com alguém e partilhar os seus sentimentos e motivações. Só consegue ser empático aquele que desenvolveu a sua inteligência emocional e que, por isso, tem a capacidade de identificar, reconhecer e lidar com os seus sentimentos e com os dos outros.

Nem todas as pessoas conseguem ser espontaneamente empáticas, porém, se quiserem podem aprender a desenvolver essa competência. Há um conjunto de características que definem uma pessoa empática, como por exemplo ser curiosa, observadora, sensível, disponível, saber escutar, ser recetiva às emoções dos outros e ter uma boa capacidade de reflexão. Algumas pessoas são naturalmente mais empáticas que outras mas esta é uma competência que se pode aprender e desenvolver ao longo da vida.

Os três principais passos para o desenvolvimento da empatia são: saber praticar a escuta ativa, evitar “frases feitas” que servem para qualquer situação e tentar pensar e sentir como a outra pessoa. O primeiro passo é sem dívida saber ouvir. Focar-se na conversa sem distrações, adotar uma postura corporal que expresse o seu interesse no outro, evitando por exemplo, cruzar os braços, não interromper o discurso da outra pessoa, fazer apenas perguntas pertinentes, clarificar o que possa não ter entendido bem e ter um interesse real no que a pessoa lhe está a dizer.

Ainda que sejam ditas com a melhor das intenções e para tranquilizar a outra pessoa, frases “cliché” como “não te preocupes”, “vai correr tudo bem” ou “isso resolve-se”, não só não ajudam, como podem criar uma barreira na comunicação impedindo que a pessoa desabafe e expresse os seus sentimentos. Do mesmo modo, os conselhos, em determinados momentos não são recomendados uma vez que podem ser entendidos como um sermão ou uma verdade absoluta. Quando não sabemos o que dizer, o melhor mesmo é não dizer nada, nunca esquecendo que saber ouvir pode ser a melhor ajuda a dar naquele momento.

Pensar e sentir como a outra pessoa, é o terceiro passo para a empatia mas sem dúvida o mais difícil e desafiante. Colocarmo-nos no lugar do outro, perceber a sua perspetiva e procurar compreender e aceitar os seus sentimentos e emoções, pode exigir um enorme esforço da nossa parte. Tendemos a tirar conclusões ou fazer julgamentos sobre o que está a ser dito ou sobre o que está a acontecer, com base no nosso sistema de crenças, história de vida e expectativas. Porém, para sermos empáticos, é fundamental que deixemos de acreditar que os outros devem viver como nós e agir como achamos conveniente, aceitando a diferença, e, se possível, aprendendo com ela.

Inteligência emocional e gestão de conflitos

A comunicação e as relações interpessoais nem sempre são fáceis e por vezes implicam ter conversas difíceis, sobre assuntos igualmente difíceis e que podem ferir suscetibilidades ou gerar conflito, tanto a nível pessoal e familiar como profissional.

O conceito de inteligência emocional pressupõe a capacidade de se identificar emoções, dos próprios e dos outros, bem como saber geri-las de forma adaptativa. Deste modo, a gestão de conflitos está incluída nesta competência tão necessária á nossa adaptação aos desafios do dia-a-dia. Por vezes, evitar ou adiar uma “conversa difícil” pode ser protetor e adequado naquele momento, no entanto, só resolve o problema a curto prazo. Se o assunto é realmente importante, mais cedo ou mais tarde terá que ser abordado e se pensarmos bem, quanto mais cedo for esclarecida uma dúvida, resolvido um mal-entendido ou esclarecida uma confusão, mais cedo a nossa paz interior será reestabelecida.

Continue a ler “Inteligência emocional e gestão de conflitos”

Os sentimentos explicados às crianças

Sentimentos e emoções desempenham um papel muito importante na vida dos seres humanos e na sua sobrevivência. As emoções são as respostas do nosso organismo aos estímulos exteriores mas também aos nossos pensamentos. O modo como pensamos sobre alguma coisa vai determinar a forma como nos vamos sentir e até comportar.

Como já deves ter aprendido, todos nós, salvo algumas exceções, temos 5 sentidos: a visão, a audição, o olfato, o paladar e o tato. Desta forma conseguimos sentir o que nos rodeia, ou seja, vemos o que se passa à nossa volta, conseguimos ouvir os sons, sentimos o sabor do nosso fruto preferido, o cheiro do sabonete e a maciez da roupa em contacto com a nossa pele. Tudo isto que tu consegues sentir está fora do teu corpo. No entanto, há muitas outras formas de sentir através de coisas que acontecem dentro do teu corpo, ou seja, através dos teus pensamento e sentimentos. Tudo o que os teus sentidos captam vai armazenar-se dentro de um “armário” com diversas “gavetas” e que se chama memória. A memória corresponde a sons, sabores, imagens, etc. que já sentiste e que o teu corpo guardou. Quando recordas essas memórias, o teu corpo reage e a essa reação chama-se emoção. Por exemplo, se ouviste uma música que gostaste e te deixou alegre, ao recordá-la vais sentir alegria. Por outro lado, se vires uma imagem assustadora, sempre que recordares essa imagem vais sentir-te assustado. Essas emoções vão dar origem a sentimentos e estes podem ser muito variados.

Continue a ler “Os sentimentos explicados às crianças”

Crianças com comportamentos difíceis: compreenda e controle a sua raiva

raivaMuitas vezes os comportamentos das crianças conseguem deixar os pais muito zangados, à beira do desespero e com muita raiva. Perceber o que se está a sentir e porquê, é extremamente importante para o que se vai seguir: conseguir manter a calma e evitar o conflito ou entrar numa escalada de argumentos, gritos ou até de violência física. O que podem então os pais fazer para se controlarem perante os comportamentos desesperantes dos seus filhos?

A raiva é uma emoção normal que o indivíduo pode experimentar em várias situações e com diversos determinantes. Enquanto pais, a raiva pode ser sentida perante uma birra, uma teimosia, a desobediência, etc. Por vezes não é preciso que a situação seja muito grave para que a zanga se comece a apoderar de nós, que a raiva comece a crescer. Por vezes sentimo-nos como um balão que enche, enche, enche… até que rebenta e lá sai um grito ou uma reação mais violenta, que depois nos vai fazer sentir realmente mal. Confrontados com alguns comportamentos das nossas crianças, começamos a sentir rubor na face, calor, os batimentos cardíacos mais acelerados e lá estamos nós prontos a explodir. É a expressão física da raiva. Este sentimento pode também expressar-se pela forma como pensamos na situação ou no comportamento da nossa criança, que nos está a fazer “sair do sério” mas também tem uma expressão comportamental que se refere à forma como agimos quando estamos com raiva. Continue a ler “Crianças com comportamentos difíceis: compreenda e controle a sua raiva”

Inteligência emocional à luz de Goleman

EmoçõesO conceito de inteligência emocional tornou-se popular através da obra do jornalista científico norte americano Daniel Goleman. O autor define o conceito como um conjunto de competências afetivas e cognitivas que se divide em cinco dimensões: auto conhecimento, auto-controlo, empatia, motivação e competências sociais.

A inteligência emocional já tinha sido anteriormente descrita, por outros autores, como uma forma de inteligência social, que incluía a capacidade do indivíduo para reconhecer as emoções e os sentimentos em si próprio e nos outros e para utilizar essa informação, no sentido de orientar o seu pensamento e consequentemente o seu comportamento. Goleman define-a como a capacidade do indivíduo em reconhecer os seus próprios sentimentos e os dos outros, de se motivar e de conseguir gerir bem as emoções em si mesmo e nas suas relações. Continue a ler “Inteligência emocional à luz de Goleman”