Obsessões e compulsões

Perturbação obsessivo-compulsivaQuando o seu pensamento se prende repetidamente a uma ideia ou a uma imagem e não o consegue afastar, por muito que não o queira ter e por mais absurdo que ele lhe pareça ser, e quando a esse pensamento se junta uma sensação de mal-estar, nervosismo ou ansiedade, que apenas consegue ver reduzida após efetuar determinados comportamentos ou rituais, então poderá estar perante uma Perturbação Obsessivo-Compulsiva (POC).

Exemplos comuns deste tipo de perturbação são as lavagens frequentes das mãos e os banhos ultra prolongados por medo da contaminação, ou a verificação vezes repetidas de que se desligou o fogão antes de sair de casa ou se fechou bem a porta. O indivíduo não quer ter esses pensamentos ambíguos pois se por um lado lhe parecem não ter sentido, por outro lado eles são muito intensos e parecem verdadeiros. Todos os comportamentos associados a estes pensamentos repetitivos, intrusivos e persistentes fazem com que o individuo os sinta como necessários para reduzir o estado de ansiedade que os pensamentos provocam. Do mesmo modo, os comportamentos relacionados com a verificação ou contaminação, são repetidos podendo levar a um elevado consumo do tempo e da energia do sujeito.

POCC A POC é uma perturbação grave que se caracteriza por dois fenómenos: as obsessões e as compulsões. As obsessões definem-se como pensamentos, imagens ou impulsos recorrentes, intensos e persistentes e que provocam grande ansiedade e mal-estar. O sujeito pode tentar ignorar estes pensamentos com algum outro pensamento ou através de comportamentos compulsivos ou ritualizados. Definem-se como compulsões os comportamentos repetitivos geralmente executadas em resposta às obsessões, ou seja, aos pensamentos. Para além dos exemplos de compulsões já referidos, repetir palavras, números ou frases assim como organizar objetos segundo uma determinada ordem podem ilustrar comportamentos característicos da POC e que têm como finalidade a diminuição do desconforto causado pelos pensamentos obsessivos.

POCNo entanto, muitas pessoas gostam de ser muito organizadas, de ter bons cuidados de higiene ou de se certificarem se realmente fecharam todas as janelas antes de saírem de casa, sem que por isso reúnam critérios de diagnóstico de POC. A avaliação deverá ser feita com cuidado e com recurso a instrumentos rigorosos e por um psicólogo com  boas competências de avaliação psicológica, para que se possa diferenciar de forma inequívoca o normal do patológico. Apenas poderá ser considerado que o sujeito tem POC quando as obsessões ou as compulsões interferem significativamente com as suas rotinas diárias e quando as mesmas ocupam um tempo considerável do seu dia, isto é, pelo menos uma hora. Esta é uma perturbação que pode reduzir acentuadamente a funcionalidade dos indivíduos nos vários contextos em que se move, o que se vai refletir num decréscimo na sua qualidade de vida.

StressEmbora a POC habitualmente tenha o seu início durante a adolescência ou no início da idade adulta, em alguns casos poderá começar a manifestar-se na infância, sendo a prevalência desta perturbação de cerca de 2%. A idade de início é geralmente mais precoce no género masculino (entre os 6 e os 15 anos) do que no género feminino (20 e os 29 anos), aparecendo por norma gradualmente e quase sempre de forma aguda. Na maioria dos casos observa-se um curso crónico de melhoria alternada com períodos de agravamento dos sintomas, em que muitas vezes o agudizar dos sintomas  se prende com situações relacionadas com a ansiedade. A POC pode ser ligeira a grave em termos de incapacidade, podendo mesmo em casos extremos, causar incapacidade absoluta ao ponto do paciente poder ter que ser internado.

relax.jpegEm termos de tratamento, a intervenção baseada no modelo cognitivo-comportamental tem mostrado grande eficácia. Esta intervenção tem como objetivo ensinar o indivíduo a lidar com a ansiedade produzida pelas obsessões e a reduzir ou eliminar os rituais compulsivos. O ensino e treino de um conjunto de técnicas e estratégias estruturadas, leva a que o indivíduo aprenda a utiliza-las em situações de ansiedade e em momentos em que o mal-estar causado pelas obsessões e compulsões se torna disfuncional. A intervenção visa a mudança de comportamento através de estratégias de enfrentamento, de confronto e de exposição, inicialmente em ambiente controlado e posteriormente em contexto natural. As técnicas de relaxamento, entre outras, são também ensinadas e treinadas no sentido da redução da ansiedade. Por vezes, em casos mais graves, a medicação pode ser necessária. Os medicamentos que afetam a serotonina parecem ser os mais eficazes no tratamento desta doença, obedecendo a sua escolha a critérios médicos, de acordo com o perfil de cada doente. Porém, para uma maior eficácia, mesmo o tratamento medicamentoso beneficia, se associado ao tratamento psicológico.

 

 

Fonte: DSM-V – Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (Quinta edição) de American Pshychiatric Association.

 

Sugestão: Ferreira e colaboradores (2017)Perfeccionismo, pensamento repetitivo negativo e sintomatologia do espectro obsessivo-compulsivo.

http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S1645

 

 

 

 

Um “piscar de olhos” sobre os tiques

Perturbação de tiquessOs tiques são movimentos involuntários ou vocalizações, geralmente de início súbito, breve, repetitivo, estereotipado, mas de caráter não rítmico. Frequentemente imitam um comportamento normal mas ocorrem muitas vezes fora de um contexto de atividade normal. O tique está geralmente associado a uma ânsia premonitória para realizar um movimento específico, ao mesmo tempo que se associa a uma sensação de alívio, uma vez realizado.

Os tiques motores mais comuns manifestam-se na face (ex. piscar os olhos, franzir o nariz ou a testa, morder os lábios, fazer estalidos com a língua) mas podem ocorrer em qualquer outra parte do corpo (ex. contrair os músculos do pescoço, dos ombros, da barriga ou fazer gestos involuntários com as mãos). Os tiques vocais podem ser sons sem significado (ex. limpar a garganta) ou emitir sons imitando outros sons já existentes, ou até mesmo alterações no discurso e linguagem, repetição de sons ou palavras, que podem em raros casos ser obscenas.

TouretteOs tiques podem ser simples ou complexos, conforme o número de músculos envolvidos e podem constituir 3 tipos de perturbações: a Perturbação Gilles de la Tourette (duração superior a 1 ano, existindo simultaneamente vários tiques motores e pelo menos um tique vocal), Perturbação de Tiques Motores ou Vocais Persistente/Crónica (duração superior a 1 ano, por vezes associados a défice de atenção e hiperatividade, que são sempre ou tiques motores ou tiques vocais e nunca os dois tipos em simultâneo) e a Perturbação de Tiques Transitória (tiques motores e/ou vocais com duração de pelo menos 4 semanas mas não superior a 12 meses consecutivos).

Tiques e TouretteGeralmente as perturbações de tiques surgem antes dos 18 anos, sendo o mais frequente por volta dos 6 anos, podendo prolongar-se por toda a infância, adolescência ou mesmo toda a vida adulta, com fases de remissão (desde algumas semanas até mesmo vários anos), sendo a taxa de prevalência de cerca de 10% em crianças. Habitualmente os tiques desaparecem antes da adolescência, mas podem voltar em momentos de maior ansiedade e excitação. As causas apontadas para este tipo de perturbação prendem-se com alterações em determinados circuitos cerebrais e neurotransmissores (substâncias que fazem circular a informação no cérebro). Parece existir também uma componente genética e podem também estar associados ao abuso de substâncias, patologias do foro neurológico ou ainda, terem origem emocional e ocorrerem associados a situações traumáticas, servindo como alívio. Na maioria dos casos os tiques interrompem-se durante o sono. Embora geralmente os tiques sejam comportamentos conscientes, algumas crianças mais pequenas e por vezes até alguns adultos podem não ter consciência dos seus próprios tiques. Porém, com o seu desenvolvimento, muitas pessoas sentem o impulso ou a sensação corporal que antecede o tique motor ou vocal e uma sensação de alívio ou de diminuição de tensão após a sua expressão.

Perturbação de tiques bA gravidade da perturbação de tiques prende-se com a sua intensidade e frequência, bem como com o modo como esta condiciona a pessoa, biológica, psicológica e socialmente. Geralmente os tiques aumentam em situações de maior ansiedade e stresse diminuindo quando a criança está concentrada numa atividade específica ou quando está descontraída. Quando uma criança começa a apresentar tiques, os pais, professores e outros elementos constituintes dos seus contextos, deverão informar-se acerca do problema, de forma a poderem tranquilizar a criança, principalmente dizendo-lhe que o mais provável é que estes venham a desaparecer com o tempo. Embora por vezes possa ser difícil, ignorar os tiques e considera-los algo normal e passageiro, não lhes dar muita atenção pode contribuir efetivamente para que a sua evolução possa ser boa e possam desaparecer num prazo de meses. També não é benéfico chamar a atenção à criança, principalmente perante outras pessoas, de modo a salvaguardar a sua autoestima.

AdolescerO ambiente familiar é muito importante para a criança. Se os pais conseguirem reduzir a tensão existente em torno da criança e aumentar a sua compreensão e afeto, poderão estar a contribuir para que o problema fique mais leve. Por outro lado, a criança não deverá ser sobrecarregada com atividades extracurriculares excessivas. Se a prática desportiva pode ajudar, ter tempo para brincar livremente de forma descontraída será decerto favorável para a criança. Os exercícios de relaxamento e de respiração podem também ajudar muito a lidar com o problema.

TiquesQuando os tiques são muito intensos com elevado grau de interferência na vida da criança, comprometendo os seus contactos sociais e o seu desempenho escolar, é fundamental procurar ajuda especializada para lidar com o prolema. Quanto mais precoce for a intervenção, melhores serão as possibilidades de recuperação. A intervenção nas perturbações de tiques poderá ser farmacológica e/ou psicológica, de acordo com a intensidade da mesma. A intervenção psicológica com maior eficácia demonstrada baseia-se nas técnicas cognitivo-comportamentais. O ensino e treino de estratégias de relaxamento podem ajudar muito a lidar com o problema e com os seus efeitos, ou seja, com o mal-estar que os tiques provocam e que se faz sentir, principalmente ao final do dia. O psicólogo poderá ainda ajudar a criança/adolescente a concentrar-se no tique, antecipa-lo e substitui-lo por um comportamento alternativo. O apoio psicológico pode ainda abarcar outros objetivos pois estas crianças/adolescentes podem apresentar também outras perturbações associadas e outros sintomas como a baixa autoestima ou dificuldades nas relações sociais. Se for o caso, a identificação do fator que estimula o surgimento dos tiques, poderá ser trabalhado no sentido de facilitar o seu desaparecimento.

Tiques nos olhos.jpegMuitas condições médicas e psiquiátricas foram descritas como coexistentes com a Perturbação de Tiques, sendo particularmente comuns a Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA) e a Perturbação Obsessivo-Compulsiva (POC). A intervenção medicamentosa, em alguns casos mais extremos pode ser uma necessidade, principalmente se os tiques aumentarem e se tornarem mais complexos. Em casos mais extremos, pode ser recomendado pelo pedopsiquiatra ou pelo neurologista, o recurso a medicamentos como neuromoduladores, benzodiazepinas ou antipsicóticos. Contudo, o tratamento para eliminar os tiques, somente se deverá aplicar, em casos em que estes interfiram significativamente nas atividades ou na autoimagem do indivíduo.

 

 

Fontes:

DSM-V – Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (Quinta edição) de American Pshychiatric Association.

http://www.movementdisorders.org/disorders/tics_and_tourette.php

http://www.cdc.gov/ncbddd/tourette/families.html

Quando o bebé chora…

Bebé que choraLidar com o choro dos nossos filhos pequenos pode por vezes ser um grande desafio nas nossas vidas. É sem dúvida um teste à nossa paciência e à nossa capacidade de entender e responder de forma adequada a esse mesmo desafio.

Os bebés não são todos iguais, e nós, os pais, também não. À nossa maneira tentamos fazer todos, ou quase todos, o melhor que sabemos para que as nossas crianças cresçam e se desenvolvam o melhor possível. Mas como lidar com um bebé chorão ao qual parece que tudo incomoda? O que fazer com um bebé que chora, grita e esperneia, a toda a hora, e que deixa os pais desesperados, cansados e ansiosos? Continuar a ler

Terapia Cognitivo-Comportamental. O que é?

Terapia Cognitiva e ComportamentalA Terapia Cognitivo-Comportamental é uma abordagem específica, breve e focada no problema actual do cliente. Explica que o que nos afecta não são os acontecimentos em si mas sim a forma como os interpretamos é que vai influenciar, senão determinar, o modo como nos vamos sentir e comportar.

As terapias cognitivo-comportamentais têm por base vários modelos. O modelo de aprendizagem de competências, foca-se no desenvolvimento de reportórios adaptativos e competências específicas de autonomia, comunicação e relação interpessoal, bem como de autocontrolo e autorregulação emocional. O modelo de resolução de problemas ensina métodos para examinar os problemas e encontrar a melhor solução. Pensar alternativas, antecipar consequências, chegar a compromissos, ensaiar soluções, etc. Também o modelo de estruturação cognitiva tem o seu papel relevante na medida em que promove um funcionamento adaptativo, tanto comportamental como emocional, alterando os processos cognitivos disfuncionais. Permite identificar pensamentos, analisar a interligação de variáveis, analisar distorções da realidade e procurar interpretações mais realistas. Continuar a ler